Produtores de soja da Amazônia brasileira ameaçam representantes da Comissão Interamericana de Direitos Humanos

Revista ihu on-line

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Do ethos ao business em tempos de “Future-se”

Edição: 539

Leia mais

Mais Lidos

  • 23 razões para participar da Greve Climática desta sexta-feira

    LER MAIS
  • Às leitoras e aos leitores

    LER MAIS
  • Cisma: uma noção que mudou ao longo dos séculos. Artigo de Massimo Faggioli

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

11 Novembro 2018

Produtores de soja do Pará, em plena Amazônia brasileira, ameaçaram e intimidaram nesta quinta-feira, 08 de novembro, representantes da Comissão Interamericana de Direitos Humanos (CIDH) enquanto visitavam, acompanhados por agentes da Comissão Pastoral da Terra (CPT) e do Conselho Indigenista Missionário (CIMI), o povo indígena Munduruku. Os mesmos tentavam impedir a realização de uma reunião para ouvir o clamor desses povos, embora esta tenha finalmente sido realizada.

A reportagem é de Luis Miguel Modino, publicada por Religión Digital, 09-11-2018. A tradução é de André Langer.

Trata-se, segundo informa em seu portal a Comissão Pastoral da Terra, de setores vinculados ao agronegócio, os mesmos que historicamente invadiram as terras dos povos indígenas. O fato destaca a situação cada vez mais preocupante dos movimentos sociais e pastorais na Amazônia e no Brasil, em geral, situação que se agravou nos últimos dias com a eleição de Jair Bolsonaro como novo presidente, que deu rédeas soltas àqueles que acreditam ser os donos do país.

A reunião serviu para que os povos indígenas apresentem suas pautas, começando com a própria existência como povo, cada vez mais ameaçada, em decorrência da invasão do seu território, espaço fundamental para a sua sobrevivência econômica, social e cultural. Ressaltam que é urgente a demarcação oficial do território Munduruku do Planalto, o que não podemos negar que é algo que será cada vez mais difícil com a chegada de um governo declaradamente anti-indígena.

Os representantes da Comissão Interamericana de Direitos Humanos prometeram a elaboração de um documento em que a Organização dos Estados Americanos recomende ao Estado brasileiro a garantia efetiva dos direitos humanos, especialmente no que diz respeito à proteção dos ameaçados de morte por defender esses direitos.

Além dos povos indígenas, foram ouvidos os representantes das organizações e dos movimentos populares da região, que denunciaram a atuação violenta do agronegócio e dos grandes empreendimentos contra os povos indígenas, descendentes de escravos, ribeirinhos e seus territórios e contra os assentamentos da reforma agrária, da biodiversidade e das águas, ameaçadas pela construção de um grande porto na região a ser usado para o escoamento de grãos pelo rio Amazonas, principalmente para exportação.

Além disso, foi denunciada também a extração ilegal de madeira em territórios tradicionais, a compra ilegal de terras em assentamentos de reforma agrária por parte de grandes fazendeiros, o aumento das ameaças, violência e homicídios contra os povos do campo, negativas permanentes aos direitos à saúde e à educação dos povos tradicionais, direito que consta na própria legislação brasileira, e o uso intensivo e desmedido de agrotóxicos pelo agronegócio de modo a promover o envenenamento das comunidades.

A Rede eclesial Pan-AmazônicaREPAM, através de seu secretário executivo, Mauricio López, expressou sua profunda solidariedade com a Comissão Interamericana de Direitos Humanos, que tem sido uma companheira em toda esta caminhada da REPAM, e com o povo Munduruku, que são também irmãos e sócios de missão junto com a REPAM e que estiveram presentes no processo de formação da Escola de Direitos Humanos, na primeira edição. Mauricio López insistiu em que “queremos denunciar todas as formas de agressão a estes organismos internacionais, que se tornam absolutamente necessários neste momento de grande perseguição e de ataques aos direitos humanos”.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Produtores de soja da Amazônia brasileira ameaçam representantes da Comissão Interamericana de Direitos Humanos - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV