'Excesso de malignidade levou país à calamidade', diz Marina, em resposta a FHC

Revista ihu on-line

Grande Sertão: Veredas. Travessias

Edição: 538

Leia mais

A fagocitose do capital e as possibilidades de uma economia que faz viver e não mata

Edição: 537

Leia mais

Juventudes. Protagonismos, transformações e futuro

Edição: 536

Leia mais

Mais Lidos

  • Livro analisa os teólogos, a virada ecumênica e o compromisso bíblico do Vaticano II

    LER MAIS
  • Adaptando-se a uma ''Igreja global'': um novo comentário internacional sobre o Vaticano II. Artigo de Massimo Faggioli

    LER MAIS
  • Desigualdade bate recorde no Brasil, mostra estudo da FGV

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

21 Agosto 2018

A candidata da Rede ao Palácio do Planalto rebateu as declarações dadas pelo ex-presidente ao jornal O Globo.

A reportagem é de Cristian Favaro, publicada por O Estado de S. Paulo, 21-08-2018.

A candidata da Rede à Presidência, Marina Silva, renovou nesta segunda-feira, 20, as críticas a declarações do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (PSDB).

O tucano disse, em entrevista publicada na edição desta segunda-feira do jornal O Globo, que falta à ex-senadora um pouco de "malignidade".

"O excesso de malignidade foi que levou o Brasil a esta situação de calamidade. É preciso que a gente bote uma forcinha na virtude", rebateu Marina, em entrevista após participação em fórum com presidenciáveis da Associação Brasileira da Infraestrutura e Indústria de Base (Abdib), em São Paulo.

Via Twitter, Marina já havia respondido a FHC. "Com todo o respeito e admiração que tenho por FHC, o que trouxe o País à crise atual não foram boas intenções, mas sim o excesso de malignidade - aliás, muito presente na coligação do candidato tucano", escreveu a candidata.

Após a participação na Abdib, Marina reforçou que, se for eleita, vai governar com "pessoas de bem de todos os partidos e da sociedade". Ela se esquivou ainda de falar em apoios na segunda etapa da eleição. "O segundo turno a gente discute no segundo turno."

A candidata da Rede criticou ainda o modo como o Brasil lida com a violência na fronteira com a Venezuela. "É preciso uma coalizão humanitária de países da região para resolver a situação. O Brasil negligenciou-se politicamente da Venezuela", disse.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

'Excesso de malignidade levou país à calamidade', diz Marina, em resposta a FHC - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV