Macri admite oficialmente que um em cada três argentinos é pobre

Revista ihu on-line

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Mais Lidos

  • Papa Francisco propõe um sistema econômico mais justo e sustentável

    LER MAIS
  • Em busca da funda de Davi. Uma análise estratégica da conjuntura

    LER MAIS
  • Por que Tagle é o novo “herói papal” do Oriente

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

29 Setembro 2016

Um em cada três argentinos é pobre. E não é mais um dado oficioso, elaborado pela Igreja Católica, mas a primeira cifra oficial de pobreza do Governo de Mauricio Macri, nove meses depois de chegar ao poder. Macri venceu as eleições com a promessa de alcançar a “pobreza zero”, e agora aceita que está longe desse objetivo. “É óbvio que não dá para chegar à Pobreza Zero em quatro anos. É um objetivo que não dá para resolver em um único governo”, admitiu o presidente em uma conferência de imprensa após divulgar este dado demolidor em um país historicamente rico e que produz alimentos para 400 milhões de pessoas. Na verdade, desde que Macri chegou ao poder, de acordo com os números usados até agora pela Igreja e que o presidente aceitou, há 1,4 milhão de novos pobres. O presidente assume que esse é o principal dado pelo qual será julgado, a partir de agora, seu Governo.

A reportagem é de Carlos E. Cué, publicada por El País, 28-09-2016.

O Indec, o escritório encarregado das estatísticas oficiais, foi responsável por fornecer a primeira cifra oficial de pobreza da era macrista: de acordo com seus dados, no primeiro semestre do ano, 32% dos entrevistados eram pobres. Sobre uma população registrada de 27 milhões de pessoas (de um total nacional de 45 milhões de habitantes) em 31 conglomerados urbanos, 8,8 milhões não cruzam o limiar mínimo de renda. Deste número, 1,7 milhão são indigentes, quer dizer, não ganham o suficiente para cobrir suas necessidades alimentares. São os primeiros números oficiais de pobreza desde abril de 2014, quando o kirchnerismo suspendeu a divulgação por considerar que os resultados não eram mais politicamente aceitáveis. Macri interveio em dezembro no Indec e prometeu normalizar as estatísticas. Os primeiros dados oficiais foram muito negativos até agora.

O Governo levou a sério a dimensão da cifra oferecida pelo Indec. Após o anúncio, Macri convocou uma conferência de imprensa em Olivos, onde se encontra a residência oficial. “O que temos agora na Argentina são dados reais. O que tínhamos há alguns meses era uma ficção de números que não respeitam a realidade. Este é o verdadeiro ponto de partida da Argentina, esta é a realidade. Aceito ser avaliado pela capacidade de reduzir a pobreza, e este é o ponto de partida. O outro é desculpa”, disse Macri. O número é tão alto que qualquer queda a partir de agora será considerada um grande sucesso pelo Executivo.

O presidente admitiu que ninguém imaginava que a situação seria tão grave quando os argentinos votaram nele há um ano e apostaram nele, que ofereceu uma imagem muito positiva. “Se a maioria dos argentinos optou por uma mudança é porque sentia que as coisas não estavam indo muito bem”, explicou para admitir imediatamente: “Todos nós ficamos surpresos que o ponto de partida era muito pior, porque o nível de fraude era muito grande e a corrupção que encontramos era enorme. Isso nos levou a subir uma ladeira mais difícil do que havíamos imaginado. Mas os argentinos são determinados”, disse Macri.

O número de pobres registrado pelo Governo argentino não está muito distante daqueles apontados nos últimos anos por estudos particulares que cobriram o vazio deixado pelo Indec. O mais confiável, que serviu como referência, é aquele elaborado pelo Observatório da Dívida Social Argentina (ODSA), subordinado à Universidade Católica Argentina (UCA). Com os dados em mãos, Macri poderá agora determinar a dimensão do trabalho que terá pela frente se pretende cumprir sua promessa de pobreza zero. Principalmente porque desde janeiro ela não parou de crescer. Em dezembro, o ODSA apontou que 29% dos argentinos eram pobres. E em seu último relatório disse que 1,4 milhão de pessoas cruzaram a linha da pobreza desde o início do macrismo.

A maquiagem das estatísticas oficiais foi uma constante no Governo anterior e Macri prometeu durante a campanha eleitoral que reverteria a situação. Uma de suas primeiras medidas foi intervir no Indec. Desde então, o órgão forneceu taxas de evolução do Produto Interno Bruto (-3,4% no segundo trimestre) e da inflação (0,2% em agosto). Os dados são dificilmente comparáveis com os de períodos anteriores. Em dezembro de 2013, a UCA apontou que a taxa de pobreza era de 25% da população, mas o índice divergia drasticamente daquele apresentado pelo Governo de Cristina Fernández de Kirchner.

O último relatório do Indec kirchnerista, divulgado no fim do primeiro trimestre de 2013, constatou que 4,7% da população argentina era pobre, com 1,4% de indigentes. A partir desse momento, e frente à evidência de que qualquer número divergiria das cifras da UCA, Kirchner decidiu suspender os estudos. A desatualização estatística atingiu o auge em 2015, quando o então ministro-chefe Aníbal Fernández disse que a Argentina tinha menos pobres do que a Alemanha. “Não faltaremos mais com o respeito à inteligência da população, não voltaremos a dizer que na Argentina há menos pobreza do que na Alemanha”, disse Macri.

Leia mais...

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Macri admite oficialmente que um em cada três argentinos é pobre - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV