Católicos ingleses se unem em resistência ao Novo Missal

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • Propor vacinação só em março e alcançar no máximo 1/3 da população em 2021 é um crime

    LER MAIS
  • Ailton Krenak: “A Terra pode nos deixar para trás e seguir o seu caminho”

    LER MAIS
  • Covid-19: 'Pandemia no Sul caminha para agravamento sem precedentes', diz epidemiologista

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


01 Dezembro 2011

Os ânimos estão exaltados com relação à introdução de uma nova tradução inglesa da liturgia tradicional.

A reportagem é de Jonathan Brown, publicada no sítio do jornal The Independent, 26-11-2011. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

Por mais de mil anos, o mundo de fala inglesa celebrou a missa católica romana em latim. A grande mudança veio apenas em 1973, quando, após o estado de ânimo liberalizante do Concílio Vaticano II, uma forma de liturgia foi produzida na língua do homem comum pela primeira vez.

Três décadas desde que a reformulação começou, uma nova versão da Missa finalmente ganhou vida nas igrejas de todo o mundo de fala inglesa no último domingo, para marcar o início do Advento.

Mas a gestação do novo Missal Romano não ocorreu sem rancor nem dor. O Vaticano, por duas vezes, ordenou que os bispos de língua inglesa o reescrevessem, o que levou a acusações de prepotência e sigilo contra as forças conservadoras em torno Papa Bento XVI e de seu antecessor João Paulo II.

Alguns estudiosos até mesmo compararam o tratamento dado à sua introdução às deficiências da forma como a Igreja Católica lidou com o escândalo dos abusos clericais.

Os cinco milhões de católicos da Grã-Bretanha já vêm lidando com a metade da nova liturgia desde setembro. No entanto, a tradução completa se tornou obrigatória a partir do domingo passado.

A Igreja Católica abriu o caminho para o texto atualizado por meio do marketing digital – Twitter, YouTube e a Internet desempenharam um papel próprio. Mas ainda há divisão.

Apesar da tendência da Igreja para se unir em tempos de problemas, afirma-se que alguns estão "silenciosamente fervendo de raiva" com a mudança. Um grande teólogo afirmou: "O processo conseguiu ofender todos os envolvidos que tenham qualquer integridade intelectual ou moral".

Para os seus defensores, a nova missa possui um texto mais rico, mais fiel às suas origens latinas. Os oponentes dizem que a nova tradução – embora necessária, de alguma forma – leva para muito longe do estilo inglês simples da versão anterior. Eles argumentam que ela é mais rebuscada, muitas vezes recorrendo à linguagem da corte imperial e soando afetada e artificial aos ouvidos modernos.

Ela também marca uma mudança radical na forma consensual de fazer as coisas sob Concílio Vaticano II, afirma-se. O Pe. Allen Morris, pároco da Igreja de Nossa Senhora em St John`s Wood, no norte de Londres, admitiu que os fiéis perceberiam as mudanças, mas ficariam agradavelmente surpresos com o que ouviriam.

"Há pessoas que se opõem à mudança por todos os tipos de razões. Alguns não gostam da ideia de uma linguagem que seja mais elevada", disse. Mas, desde a introdução de aspectos da nova missa no outono [europeu], a resposta tem sido "positiva", e os fiéis relataram ter experimentado uma maior compreensão como resultado da linguagem mais rica, comentou.

Há receios com relação à nova missa nos EUA, onde as mudanças foram introduzidas de uma só vez no último fim de semana. O Pe. Michael Ryan, pároco da Catedral de St James, em Seattle, disse que o texto perdeu a sua "nobre simplicidade".

"Estamos lidando com um jogo de poder por parte de pessoas de Roma que queriam fazer as modificações, creio eu, a fim de submeter as pessoas a um maior controle no mundo de fala inglesa", disse ele.

Philip Endean, que leciona teologia na Universidade de Oxford, concordou que aqueles que viram o processo de reescrita se desdobrar não acharam fácil a substituição. "No entanto, o instinto católico romano é manter a paz, fazer o que lhe é dito e confiar que Deus age através da autoridade da Igreja. Esse instinto parece estar fazendo o seu efeito", disse.

 

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Católicos ingleses se unem em resistência ao Novo Missal - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV