Compartilhar Compartilhar
Aumentar / diminuir a letra Diminuir / Aumentar a letra

Cepat

Conjuntura da Semana. Transposição do rio São Francisco: Um grande erro!

Aos poucos vai se confirmando o que os movimentos sociais, cientistas e especialistas diziam sobre a transposição do Rio São Francisco: A obra é um grande erro e se transformou num mico nas mãos de Dilma, uma das heranças malditas deixadas por Lula.

A análise da conjuntura da semana é uma (re)leitura das "Notícias do Dia’ publicadas diariamente no sítio do IHU. A análise é elaborada, em fina sintonia com o Instituto Humanitas Unisinos – IHU, pelos colegas do Centro de Pesquisa e Apoio aos Trabalhadores – CEPAT, com sede em Curitiba-PR, parceiro estratégico do Instituto Humanitas Unisinos – IHU, e por Cesar Sanson, professor na Universidade Federal do Rio Grande do Norte - UFRN, parceiro do IHU na elaboração das Notícias do Dia.

Sumário

Equívocos da transposição do São Francisco
‘O bispo tinha razão’
Transposição, boa apenas para a indústria da seca
Críticas do movimento social se confirmam
Violações persistem em megaobras
Conjuntura da Semana em frases
Tuitadas da semana

Eis a análise.

Equívocos da transposição do São Francisco

Empreiteiras ávidas por mais recursos, obras paradas, cronograma adiado, problemas com licitações, aumento bilionário nos custos, canais rachados, túneis desabando, deslizamento de solo, empregos frustrados e caatinga devastada envolvem a transposição do Rio São Francisco. Já se coloca em dúvida se um dia a obra terminará e, ainda mais grave, vai se confirmando a denúncia da ineficácia da transposição para levar água aos que mais dela precisam.

“A transposição do Rio São Francisco se transformou em um grande atoleiro e eu não vejo nenhuma perspectiva de ela ser concluída, pois as obras estão praticamente paradas em vários trechos”, declara João Abner, professor da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN) em entrevista ao IHU. Segundo ele, “nenhum agricultor que, hoje, recebe água do carro-pipa receberá água da transposição desse rio, porque a água vai escoar em grandes rios, vai para as maiores barragens da região e será utilizada pelo agronegócio”.

Nos últimos dias, a transposição do São Francisco voltou ao noticiário pelo viés do escândalo em que se transformou. A transposição já é o mais caro dos projetos do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC). Só no governo Dilma Rousseff, os preços aumentaram 71% e saltaram para R$ 8,2 bilhões. A obra se transformou num “ralo do dinheiro público”.

Na opinião de João Abner, “com um terço do custo da transposição do rio São Francisco seria possível construir um grande sistema de abastecimento de água para atender a todo o Nordeste e abastecer todas as casas da região”.

A obra se transformou num mico nas mãos de Dilma, uma das heranças malditas deixadas por Lula. Na opinião de João Suassuna, engenheiro-agrônomo e pesquisador da Fundação Joaquim Nabuco, de Recife, a transposição caracteriza-se como um “projeto tecnicamente ruim, socialmente preocupante e politicamente desastroso”.

'O bispo tinha razão'

Aos poucos vai se confirmando tudo o que os movimentos sociais, cientistas e especialistas diziam da obra: “A transposição do São Francisco é um erro”. Entre as várias vozes que se levantaram contra a transposição, uma, sobretudo é lembrada, a de dom Luiz Cappio, bispo de Barras (BA). Cappio, em seus dois jejuns, em 2005 e 2007, chamou a atenção para os equívocos da obra e profetizou que a mesma era um grande erro e que não seria concluída.

Em uma das entrevistas que concedeu ao IHU, em 2008, dom Luiz Cappio afirmou que “a transposição não irá acontecer porque é mentirosa, anti-ética, anti-socal, injusta e economicamente inaceitável”. Cappio dizia na oportunidade: "O projeto é socialmente injusto porque vai beneficiar um pequeno grupo, enquanto que projetos alternativos podem beneficiar quase toda a população do Nordeste do semi-árido. Ela é ecologicamente insustentável porque, enquanto o projeto de transposição agride a realidade do Rio São Francisco, os projetos alternativos são altamente sustentáveis. E a transposição é eticamente inaceitável porque é mentirosa, enquanto os projetos alternativos estão aí para poder atender as necessidades do povo".

Em outra entrevista ao IHU em 2010, Cappio reafirmou: “O tempo mostra a verdade de todas as coisas e vai mostrar o significado da nossa luta”.

“O bispo tinha razão...”, diz o sociólogo Rubens Siqueira, da Comissão Pastoral da Terra na Bahia e da articulação São Francisco Vivo. Lembrando o bispo, relata: “'Quando a razão se extingue, a loucura é o caminho’. Com esta ideia, o bispo franciscano de Barra–BA dom Luiz Cappio justificava seus dois jejuns, em 2005 e 2007, contra o projeto de transposição, em defesa do Rio São Francisco e do semiárido brasileiro. Dizia que o projeto, além de ignorar o mal estado do rio, visava, como sempre no Nordeste, concentrar água, terra e poder, levaria dinheiro público para o ralo e votos para urnas e – vaticínio profético? – não seria concluído”.

“E não é que, não à parte a loucura, ele tinha razão! Quatro anos e meio depois de iniciado, o projeto capenga, confirmando as críticas do bispo, de cientistas respeitados e dos movimentos populares. O próprio sertanejo da região ‘beneficiada’, até aqui iludido com a mítica promessa, começa a desconfiar”, destaca Rubens Siqueira.

Transposição, boa apenas para a indústria da seca

A transposição do São Francisco até o momento foi boa apenas para a indústria da seca, destaca João Abner na entrevista ao IHU. Segundo ele, “a indústria da seca é uma espécie de colonialismo que predomina no Nordeste há séculos. Quer dizer, os projetos para distribuir água no Nordeste são pensados fora da região e têm a intenção de capturar recursos públicos. O Programa de Açudagem do Nordeste mostra isso. As obras pensadas para o Nordeste são descoladas de um plano de desenvolvimento e têm um fim em si mesmas”.

Continua o professor da UFRN: “a  transposição do rio São Francisco segue essa mesma lógica. O governo e as empresas querem construir o maior açude possível no Nordeste e depois pensar o que será possível fazer com ele. Para funcionar, a transposição do rio precisa de mais investimento. Além disso, durante o período em que a obra ficou parada, os canais construídos se arrebentaram e terão de ser refeitos. Portanto, essa é a estratégia das elites do Nordeste: criam um projeto de desenvolvimento para se apropriarem de recursos públicos”.

Segundo Abner, “o mal menor seria terminar logo a transposição do rio para mostrar que a obra não tem nada a ver com o desenvolvimento do Nordeste, que não foi feita para acabar com o carro-pipa, que não vai servir para nada. Assim, ao menos ela ficaria exposta como um monumento para denunciar a indústria da seca. O problema é que, enquanto a obra estiver sendo construída, não será possível discutir um projeto específico e alternativo para o Nordeste”. Porém, o professor considera que “a indústria da seca não tem interesse que essa obra seja concluída, porque, quando ela for concluída, a indústria da seca será desmascarada”.

Além de alimentar a indústria da seca, a transposição quando pronta, ou parcialmente pronta, beneficiará o agronegócio ou o hidronegócio.

“Essa história de associar a transposição com a seca é a maior fraude que existe. O projeto é para (...) uso econômico. Na verdade, a água da transposição será utilizada para consumo industrial (na região litoral e metropolitana) e para consumo agrícola”, diz João Abner na entrevista.

Críticas do movimento social se confirmam

As principais críticas ao projeto feitas desde 2005 vão se confirmando. Rubens Siqueira lembra e enumera as denúncias feitas pelo movimento social, pesquisadores e especialistas que estão se comprovando:

1. A obra seria muito mais cara que o previsto: de 5 bilhões iniciais já estão reajustadas em 6,8 bilhões, um aditivo de 1,8 bilhões, 36% em média. Há lotes ainda não re-licitados, o que vai onerar ainda mais o preço final.

2. Não atenderia a população mais necessitada: efetivamente, não pôs uma gota d’água para nenhum necessitado; antes desmantelou a produção agrícola local por onde passou.

3. O custo da água seria inviável: hoje o governo reconhece que o metro cúbico valerá cerca de R$ 0,13 (poderá ser ainda bem maior), seis vezes maior que às margens do São Francisco, onde muitos irrigantes estão inadimplentes por dívidas com os sistemas de água. Para ser economicamente viável, este preço terá que ser subsidiado, e é certo que o povo pagará a conta;

4. Impactaria comunidades indígenas e quilombolas: comunidades quilombolas impactadas são 50 e povos indígenas nove. As demarcações de seus territórios foram emperradas, patrimônios destruídos. No caso dos Truká, em Cabrobó – PE, em cuja área o Exército iniciou o Eixo Norte, o território já identificado é demarcado se aceitarem as obras.  No caso dos Tumbalalá, em Curaçá e Abaré – BA, na outra margem, se aceitarem a barragem de Pedra Branca. Ainda não foi demarcado pela FUNAI o território Pipipã e concluído o processo Kambiwá, a serem cortados pelos futuros canais, ao pé da Serra Negra, em Pernambuco, monumento natural e sagrado de vários povos. Muitas destas comunidades resistem. Em Serra Negra povoado e assentamento de reforma agrária não admitem as obras em seu espaço.

5. Destruiria o meio ambiente: grandes porções da caatinga foram desmatadas. Inventário florestal levantou mais de mil espécies vegetais somente no Eixo Leste.

6. Empregos precários e temporários: como sintetizou o cacique Neguinho Truká, “os empregos foram temporários, os problemas são permanentes”. Em Cabrobó, nada restou da prometida dinamização econômica, só decepção e revolta. Nas cidades por onde a obra passou ficou um rastro de comércio desorientado, casas vazias, gente desempregada, adolescentes grávidas...

7. Arrastadas no tempo, a obra se presta a “transpor” votos e recursos: não debela, antes realimenta a “indústria política da seca”. Nova precisão de data para conclusão: 2014! Vem mais uma eleição aí, em 2012, outra em 2014...

8. Faltam duas das consequências graves a serem totalmente comprovadas, que só teremos certeza se a obra chegar ao fim: vai impactar ainda mais o rio São Francisco e não vai levar água para os necessitados do Nordeste Setentrional. Enfim, a Transposição é para o agro-hidronegócio e pólos industriais do Pecém (CE) e Suape (PE).”

“Está provado que a transposição do rio São Francisco é uma obra que não serve para o Nordeste. Quer dizer, tudo o que se falou anteriormente está sendo comprovado na prática”, comenta João Abner, concordando com o diagnóstico do movimento social.

O principal e mais forte argumento do governo, de que a obra garantiria a segurança hídrica na região semi-árida a 12 milhões de pessoas virou uma falácia. Segundo João Abner, “existem dois discursos: de que a água seria usada para consumo humano e para uso econômico. Mas a primeira fraude diz respeito ao beneficiamento de 12 milhões de pessoas. Nós fizemos um levantamento das populações que possivelmente serão atendidas pelos sistemas adutores, que captam a água das bacias que receberão a água da transposição do rio São Francisco, e contabilizamos três milhões de pessoas”.

“A outra mentira, diz ele, é que essa água não irá perenizar rios secos. Essa água só será despejada na cabeceira dos dois maiores rios do Nordeste, ou seja, será despejada fora do rio São Francisco e do Parnaíba, que é onde se concentram 70% das reservas típicas da região”. “Então, essa história de associar a transposição com a seca é a maior fraude que existe”.

As sucessivas denúncias de que as obras da transposição estavam abandonadas levaram recentemente Dilma Rousseff à região. Para os integrantes da CPT em Floresta/PE, a visita da presidenta Dilma foi uma tentativa estratégica de dar resposta às inúmeras críticas feitas ao megaprojeto e de provocar uma comoção nacional de que a obra não estava abandonada. Foi logo após a visita de Dilma à região que uma série de novas licitações começaram a serem elaboradas e os custos da obra explodiram.

Desde 2005, o Instituto Humanitas Unisinos – IHU, através do seu sítio, da revista IHU On-Line e publicações especiais como os Cadernos IHU, deu espaço e voz a inúmeros estudiosos e lideranças sociais sobre a análise do caráter e natureza da obra. Em centenas de reportagens, artigos e entrevistas, o IHU contribuiu para o debate da polêmica da transposição. Destacamos aqui a publicação Cadernos IHU em formaçãoA transposição do Rio São Francisco em debate, publicada em 2008, que condensou amplo material sobre o tema.

Desde o anúncio da obra, somamo-nos às inúmeras vozes para alertar sobre o equívoco da transposição do Rio São Francisco. Em 2005, o IHU publicava a Revista IHU On-Line edição 159 - Salvar o Velho Chico: uma luta que se revitaliza. À época, muitos contestaram o porque de tanto espaço a um tema regional, ou mesmo não compreenderam e criticaram a postura do IHU de contestação ao projeto – símbolo de uma nova Era no país, a do modelo neodesenvolvimentista capitaneado por Lula. Passados mais de seis anos, como diz dom Cappio, “o tempo mostra a verdade de todas as coisas”.

Violações persistem em megaobras

Não é apenas a transposição do Rio São Francisco que tem dado dores de cabeça ao governo. Ao longo da semana, uma série de outros megaprojetos enfrentaram problemas. As maiores obras do país, as quatro principais hidrelétricas planejadas pelo governo na Amazônia – valores estimado em R$ 56,6 bilhões –, estão com projetos paralisados.

Operários dos dois principais canteiros de Belo Monte, no rio Xingu (PA), interromperam atividades. No rio Madeira (RO), as usinas de Jirau e de Santo Antônio enfrentam greves. Faz poucos dias, a usina de Teles Pires, na divisa entre Mato Grosso e Pará, teve obras suspensas pela Justiça Federal.

Em Belo Monte, os cerca de cinco mil trabalhadores do Consórcio Construtor Belo Monte (CCBM), responsável pelas obras da terceira maior hidrelétrica do mundo, entraram em greve geral na quinta-feira, dia 29 de março. As reivindicações são por aumento salarial, redução dos intervalos entre as baixadas (visita dos trabalhadores a suas famílias) de 6 para 3 meses, o não-rebaixamento do pagamento e solução de problemas com a comida e a água.

A paralisação começou no canteiro de obras do Sítio Pimental, após um acidente de trabalho que matou o operador de motosserra Francisco Orlando Rodrigo Lopes, de Altamira. A saída dos ônibus do perímetro urbano de Altamira para os canteiros de obras, em Vitória do Xingu, foi bloqueada.

Em Rondônia, a greve começou no dia 10 de março com cerca de 16 mil trabalhadores que constroem a Usina Jirau, no rio Madeira, e ganharam no dia 21 de março, o apoio de parte dos funcionários da Usina de Santo Antônio, no mesmo rio, que também pararam momentaneamente as atividades.

Em Jirau, os operários resolveram suspender as atividades por conta das precárias condições no canteiro administrado pela empresa. “A estrutura do alojamento não dá conta da quantidade de operários. Falta desde banheiro até área de lazer, algo muito grave se levarmos em conta que os trabalhadores estão em uma área remota dentro da floresta amazônica”, comentou Cláudio Gomes, presidente da Confederação dos Trabalhadores na Indústria da Construção e Madeira (Conticom).

O dirigente comenta ainda que acordos como o reajuste do vale-alimentação não foram cumpridos. A categoria, cuja data-base é em maio, cobra o reajuste de 20% dos salários, o aumento do vale-alimentação para R$ 510 e o pagamento de 100% de todas as horas extras. Atualmente, o valor equivale a 70% nos dias normais e 100% em domingos e feriados.

No canteiro da usina de Santo Antônio, o clima ficou pesado com a pressão da Camargo Correa e da Odebrecht para que a Força Nacional assuma o canteiro. O mesmo pedido foi reiterado pelo governo de Rondônia, com um agravante: o governo do Estado pediu a presença do Exército.

As empreiteiras e o governo do Estado temem o fantasma da Rebelião de Jirau.

A retomada das greves nos grandes canteiros é uma derrota do governo após o acordo denominado de Compromisso Nacional para o Aperfeiçoamento das Condições de Trabalho na Indústria da Construção. O acordo foi apresentado pela presidente Dilma Rousseff no começo do mês de março como um “novo paradigma” nas relações entre trabalhadores, empresários e governo, porém não provocou até agora mudanças significativas no setor.

Além da presença permanente de representantes sindicais para a “resolução imediata de questões envolvendo patrões e empregados, favorecendo a produtividade e o bom andamento das obras”, conforme comunicado da Secretaria-Geral da Presidência da República, o acordo prevê a criação de uma Mesa Nacional Tripartite Permanente para a Melhoria das Condições de Trabalho, reunindo autoridades, empresários e trabalhadores.

A estratégia não tem, porém, dado os resultados esperados. Em Jirau, a tentativa de ampliar o diálogo fracassou e os próprios representantes dos sindicatos que tentaram intermediar as negociações acabaram vaiados pelos trabalhadores. Na realidade, o acordo é visto com reservas mesmo pelos sindicalistas que participaram da negociação.

Um dos principais articuladores do acordo é José Lopez Feijóo, ex-dirigente do Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, e agora assessor da secretaria geral da Presidência da República, da qual é ministro Gilberto Carvalho. Segundo ele, foram os seguidos problemas nas obras das hidrelétricas do Rio Madeira nos últimos anos que fizeram o governo se preocupar em articular um acordo voltado para as grandes obras. "Há enormes investimentos em obras de energia e infraestrutura, e mesmo em infraestrutura social, como o [programa] Minha Casa, Minha Vida.  O que aconteceu em Santo Antônio e Jirau nos chamou a atenção para a necessidade de um acordo”, diz, referindo-se à revolta de trabalhadores em março de 2011.

De acordo com ele, o compromisso tem, conforme a presidente Dilma anunciou, potencial para gerar mudanças significativas. “Serão cumpridos direitos constitucionais que hoje praticamente ninguém exerce. No acordo fica claro, por exemplo, que o trabalhador não pode ser demitido se recusar a exercer algo que coloca em risco saúde. Na medida em que adere a um acordo, a empresa assume um compromisso público que vai ter que cumprir. E o sindicato passa a contar com mais um instrumento que não tinha anteriormente”.

O fato é que até o momento o acordo não chegou efetivamente nas grandes obras. Mesmo com o acordo, greves e violações persistem nos megaprojetos. O cenário para o governo é preocupante, considerando-se ainda o andamento das obras da Copa do Mundo.

Frases do dia

Por cima


"Eu não disse que não havia crise nenhuma, que era artificial?" – Dilma Rousseff, presidente da República, comemorando na Índia a aprovação da Lei Geral da Copa e do Funpresp – Folha de S. Paulo, 30-03-2012.

Prova cabal

“O acordo firmado na ausência de Dilma para a votação da Lei da Copa esclarece a dúvida: a crise realmente viajou” – Dora Kramer, jornalista – O Estado de S. Paulo, 29-03-2012.

Coragem

"Ninguém acreditava que ela (Dilma Rousseff) tivesse coragem de fazer isso" – um ministro comentando a decisão da presidente de substituir os líderes do governo na Câmara e no Senado depois do veto à recondução de Bernardo Figueiredo, próximo a ela, para a direção da Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) – O Estado de S. Paulo, 25-03-2012.

Leque

"A tese de que qualquer candidato do PT tem assegurados 30% do eleitorado não é totalmente verdadeira. O desafio principal do momento é o de convencimento e costura do mais amplo leque de forças, que seja capaz de derrotar o PSDB em São Paulo" – Marta Suplicy, senadora – PT-SP – O Estado de S. Paulo, 29-03-2012.

Costas largas

"O Lula é um ator muito importante eleitoralmente, mas não dá para jogar nas costas dele toda a nossa campanha em todo lugar do Brasil" – Gilberto Carvalho, ministro da Secretaria Geral da Presidência – O Estado de S. Paulo, 29-03-2012.

Bem prá caramba!

"O cara está bem pra caramba, graças a Deus. Muito animado" – Gilberto Carvalho, ministro da Secretaria Geral da Presidência – O Estado de S. Paulo, 29-03-2012.

Anita, de volta

"Anita Prestes, filha de Luís Carlos Prestes, é, digamos, osso duro de roer. Ela atirou ontem no PCdoB que, na véspera, no programa de TV, associou a imagem de seu pai ao partido" – Ancelmo Góis, jornalista – O Globo, 31-03-2012.

Segue...

"Anita diz que o PCdoB foi criado em 1962 após cisão com o PCB e com Luís Carlos Prestes. Para ela é inaceitável ligar a imagem do pai “a um partido que apoia o novo Código Florestal e que é absolutamente acrítico às medidas neoliberais dos governos Lula/Dilma, imerso em denúncias de corrupção”. É. Pode ser” – Ancelmo Góis, jornalista – O Globo, 31-03-2012.

Tudo pode ser exibido

“Respeitada a gradação da faixa horária protetiva das 6h às 23h, tudo pode ser exibido” – José Eduardo Cardozo, ministro da Justiça e Paulo Abrão, secretário nacional de Justiça – Folha de S. Paulo, 30-03-2012.

Hiroshima

“A gente não sabe o que é pior, se a quimioterapia ou a radioterapia. Uns dizem que é a químio, outros que é a rádio. Para mim, os dois são um desastre. Um é uma bomba de Hiroshima e, o outro, eu nem sei que bomba é. Os dois são arrasadores” – Lula, ex-presidente da República – Folha de S. Paulo, 30-03-2012.

Medo

“Eu tinha mais preocupação de perder a voz do que de morrer. Se eu perdesse a voz, estaria morto. Tem gente que fala que não tem medo de morrer, mas eu tenho. Se eu souber que a morte está na China, eu vou para a Bolívia” – Lula, ex-presidente da República – Folha de S. Paulo, 30-03-2012.

Rua da amargura

"O partido está num impasse, porque uma parte dele transformou-se em políticos profissionais, o que no inicio do PT seria visto com horror. Muita gente dentro do PT é obrigada a ganhar eleições ou está na rua da amargura" – Paul Singer, economista, secretário de Economia Solidária do Ministério do Trabalho – Valor, 27-03-2012.

Sem critério

"Isso é o normal na política brasileira: a pessoa acaba se profissionalizando na política e a partir daí o seu interesse individual o leva a fazer concessões. Os grandes ideais passam a ser secundários. É por isso que o PT acabou fazendo alianças sem nenhum critério" – Paul Singer, economista, secretário de Economia Solidária do Ministério do Trabalho – Valor, 27-03-2012.

Cachoeira

“O próprio nome do Cachoeira já diz tudo: podemos esperar que muitas águas vão rolar nesse caso e, junto com elas, muitas outras reputações ilibadas” – Miro Teixeira, deputado federal – PDT-RJ, sobre o senador Demóstenes Torres (GO) ter renunciado à liderança do DEM na Casa por conta da investigação de sua ligação com o empresário de jogos preso na Operação Monte Carlo – Folha de S. Paulo, 28-03-2012.

Solidariedade

“Na sessão do Senado em que foi organizado desagravo coletivo a Torres, quatro colegas do PT fizeram apartes solidários. À ocasião, houve 44 intervenções de apoio ao "demo" – Vera Magalhães, jornalista – Folha de S. Paulo, 26-03-2012.

Bravura

“Nosso senador Pedro Simon, por exemplo, lançou-lhe lisonjas e, naquele palavreado solene e inócuo em que os políticos escamoteiam a verdade, disse textualmente: “Vossa Excelência, senador Demóstenes, é uma das pessoas mais competentes e que atuaram com bravura em toda a sua vida” – Flávio Tavares, jornalista – Zero Hora, 01-04-2012.

Cabeça

“Todo ano, o Departamento Intersindical de Assessoria Parlamentar, órgão dos sindicatos que acompanha o trabalho dos parlamentares federais, tem escolhido Demóstenes como um dos "Cabeças do Congresso" – Catia Seabra, jornalista – Folha de S. Paulo, 01-04-2012.

Proposta de cópia

“Para mostrar a seriedade de seus propósitos, (Mario) Monti (primeiro-ministro da Itália), um católico fervoroso, que vai à missa todo fim de semana acompanhado de sua mulher, acaba de propor a eliminação da isenção de impostos sobre a igreja em seus empreendimentos comerciais. Isso renderá € 600 milhões, só 0,02% do pacote de economia de € 30 bilhões, mas tem imensa simbologia! Bem que poderíamos copiá-lo...” – Antonio Delfim Netto, economista – Folha de S. Paulo, 28-03-2012.

Relatividade

“A greve geral na Espanha só paralisou pra valer pouco mais de 75% da mão de obra do país: 23% da força de trabalho já estava desempregada mesmo” – Tutty Vasques, humorista – O Estado de S. Paulo, 30-03-2012.

Firma reconhecida

“Qual é o sentido do reconhecimento de firma? Ela expõe a cultura de que, até provarem o contrário, o cidadão é culpado. Nos EUA, não há reconhecimento de firma. Lá um cidadão é honesto até provarem o contrário” – Paulo Lustosa, foi ministro do extinto Ministério da Desburocratização – Zero Hora, 26-03-2012.

Aprendiz de padre

“Eu não tenho nenhum rancor em relação à minha formação católica. Pelo contrário. Ali, eu aprendi música, teatro, cinema, tudo. Tinha 14 anos quando comecei a interpretar. Cantei Vivaldi, Mozart, Handel. Participava de procissões, cantava com as multidões. A tradição católica tem uma enorme riqueza cultural. E um imenso poder de castração. Talvez o teatro tenha me libertado um pouco disso aí” – José Mayer, ator – Folha de S. Paulo, 25-03-2012.

Fidel quer ser papa

“Depois de perguntar a Bento XVI “o que faz um papa?”, tomara que Fidel Castro tenha se dado por satisfeito com a resposta e não siga o exemplo do Tiririca, que para saber o que faz um deputado cismou de virar um deles” – Tutty Vasques, humorista – O Estado de S. Paulo, 30-03-2012.

Pós-Demóstenes

“Tem pichação nova nos muros vizinhos da sede do DEM em Brasília: “Resta-nos o Agripino!” E olhe lá!” – Tutty Vasques, humorista – O Estado de S. Paulo, 29-03-2012.

Pelado

“O chargista Amarildo revela que, se o Demóstenes sair do DEM, passa a se chamar Óstenes! Sobrou o Óstenes! É como ficar pelado!” – José Simão, humorista – Folha de S. Paulo, 30-03-2012.

Secos e molhados

"Imprensa é oposição, o resto é armazém de secos e molhados" - Milôr Fernandes - Folha de S. Paulo, 29-03-2012.

Tuitadas da semana

ruy sposati ‏ @ruysposati
Bomba: TODOS os canteiros de #BeloMonte em greve por aumento salarial, contra cortes de pagamento, agua e comida podres

Sonia Mariza ‏ @PersonalEscrito
Dourados tem 500 índios fora da escola por falta de salas de aula http://www.douradosagora.com.br/dourados/dourados-tem-500-indios-fora-da-escola Caminho p/ alcoolismo e crack

Cristovam Buarque ‏ @Sen_Cristovam
Crise de paradigma é qdo não adianta mudar o partido no governo, como está acontecendo na Espanha, Grécia..

Leonardo Davino ‏ @leonardodavino
Vem cá, mas este Demóstenes não é o exemplo da lisura que Globo usava para apontar os erros dos outros? É a ética do mercado. Mesmo!

Matheus Rodrigues ‏ @matheusrg
Enteada de Gilmar Mendes (amigão do D. Dantas) é assessora do Demóstenes (amigão do Cachoeira). Tudo em "famiglia"... http://www1.folha.uol.com.br/poder/1066830-enteada-de-ministro-do-stf-e-assessora-de-senador-do-dem.shtml

Milton Temer ‏ @miltontemer
O que chama a atenção no programa do PCdoB, na TV, é a ausência das palavras Comunismo e Socialismo. Mas Sarney, presidente, estava lá

Cândido Cunha ‏ @candinho1979
A Manuela Dávila defende o direito das mulheres e o Netinho de Paula bate nas mulheres. Isto é o #PCdoBosta

Eduardo Pavão ‏ @EduPavao
Prévias no PSDB de Sampa e plebiscito no PT de BH. Em ambos, o show da democracia interna a serviço da imposição do conchavado na cúpula.

Hélio Sassen Paz ‏ @heliopaz
De um amigo que prezo muito, experiente em política partidária: "Só se dá bem quem engole muitos sapos."

Montezuma Cruz ‏ @MontezumaCruz
#Haitianos vestiam apenas roupa do corpo, rumo Caxias do Sul (RS). Viajei com eles até Viracopos. Em MS eles já trabalham #Fraternidade

André Trigueiro ‏ @andretrig
Reduzir IPI e exigir manutenção do emprego como única contrapartida é pouco. Deve-se reduzir + imposto de quem for + inovador e ecoeficiente

Juremir Machado ‏ @juremirm
Jornalista venezuelano diz que Papa abençoou Hugo Chávez. Jornalista cubano garante que Fidel abençoou o Papa.

E Viveiros de Castro ‏ @nemoid321
Os CV do Lattes são um documento precioso para o estudo da demência acadêmica.

Raphael Tsavkko ‏ @Tsavkko
Ontem: Veja é nojenta, não é jornalismo, tem que fechar, "Ai, um PIG!" Hj: "Olha a dilma poderosa na Veja, gente"! http://is.gd/2NNOlg

Renato Rovai ‏ @renato_rovai
Dilma está tão bonita na capa da Veja. Vocês não ficaram orgulhosos da presidenta?

Wilson Gomes ‏ @willgomes
Agora @jeanwyllys_real está certo quando à capa. A escolha da pose e luz e a pós-produção da capa de Veja são uma declaração de amor.

Pedro A. Sanches ‏ @pdralex
Aí a pessoa enfia seu disco da Madonna (Universal) no computador (Apple). O Apple cospe a Madonna fora. E num querem que a gente pirateie.

Icaro Vidal Junior ‏ @IkroVidal
passo um tempão da minha vida lendo a newsletter do @_ihu - que trabalho bem feito!!!

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar

Cadastre-se

Quero receber:


Refresh Captcha Repita o código acima:
 

Novos Comentários

"No Brasil, é mais saudável beber um refrigerante do que um suco de abacaxi... aquele abacaxi branc..." Em resposta a: Estudos epidemiológicos apontam relação entre consumo de agrotóxicos e câncer. Entrevista especial com Karen Friedrich
"-QUE POLITICOS ESTÃO ENVOLVIDOS,NESTA NEGOCIATA INFAME?SAI A CORÔA PORTUGUESA E ENTRAM OS CANADENS..." Em resposta a: Projeto bilionário de grupo canadense quer extrair ouro no Xingu

Conecte-se com o IHU no Facebook

Siga-nos no Twitter

Escreva para o IHU

Adicione o IHU ao seus Favoritos e volte mais vezes

Conheça a página do ObservaSinos

Acompanhe o IHU no Medium