106º edição - A eclesialidade das Novas Comunidades. As Novas Comunidades como uma forma de autorealização da Igreja

Revista ihu on-line

Gênero e violência - Um debate sobre a vulnerabilidade de mulheres e LGBTs

Edição: 507

Leia mais

Os coletivos criminais e o aparato policial. A vida na periferia sob cerco

Edição: 506

Leia mais

Giorgio Agamben e a impossibilidade de salvação da modernidade e da política moderna

Edição: 505

Leia mais

Mais Lidos

  • O Papa deixou claro que não pensa em renunciar

    LER MAIS
  • Não se vence a crise com a economia. Artigo de Edgar Morin

    LER MAIS
  • A tropa de Temer

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU

close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

04 Março 2016

Palavras-chave: Novas Comunidades; Carisma; Eclesiologia; Comunhão; Concílio Vaticano II.

Cadernos Teologia Pública, em sua 106ª edição, traz o artigo A eclesialidade das Novas Comunidades. As Novas Comunidades como uma forma de autorealização da Igreja de Rejane Maria Dias de Castro Bins, mestra em teologia pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS).


Este trabalho parte da dissertação de mestrado que buscou aferir o papel das associações de fiéis conhecidas por Novas Comunidades na eclesiologia da Igreja Católica. Estuda o contexto eclesial relativo ao laicato, cujo apostolado é fortemente impulsionado pelo Concílio Vaticano II, ao adotar a eclesiologia de comunhão, gerando a necessidade de lugares de experiência de vida verdadeira, amenizando o individualismo.

Reconhece a presença dos movimentos eclesiais desde os primeiros séculos da era cristã, marcados pelo carisma infundido no fundador pelo Espírito Santo. Examina as novas comunidades como uma experiência autêntica de Igreja, moldada pelos carismas do Espírito, dando eficácia ao testemunho dos seus membros em uma unidade multiforme; enfatiza a origem carismática das Novas Comunidades, a partilha e a consagração de vida de fiéis de diferentes estados, a ênfase dada ao processo integral de formação cristã.

Prioriza os sinais de eclesialidade, conforme critérios da Exortação Apostólica Christifideles Laici, e o dinamismo para a comunhão e a missão; avalia como essas novas realidades são instrumentos eficazes de encontro pessoal com Jesus Cristo e analisa as possibilidades de relacionamento com as paróquias. A metodologia é bibliográfica, percorrem-se doutrinadores italianos, porque muito férteis a respeito, e documentos da Igreja universal desde o Concílio Vaticano II.

Conclui-se pelo reconhecimento das Novas Comunidades como um dos protagonistas atuais da eclesiologia de comunhão, buscando realizar a missão evangelizadora primordial da Igreja, em comunhão com as demais realidades eclesiais, com diferentes possíveis formas de inserção nas Igrejas locais. 

Para acessar este artigo em PDFclique aqui.

Informações pelo telefone (51) 3590 8467 ou pelo e-mail Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo..

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Instituto Humanitas Unisinos - IHU - 106º edição - A eclesialidade das Novas Comunidades. As Novas Comunidades como uma forma de autorealização da Igreja