Igreja que prometeu cura contra o coronavírus pode ser enquadrada em charlatanismo e estelionato

Revista ihu on-line

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Clarice Lispector. Uma literatura encravada na mística

Edição: 547

Leia mais

Mais Lidos

  • Santa Teresa de Jesus: inquieta, andarilha, desobediente e muito mais...

    LER MAIS
  • Diocese Anglicana no Paraná sagrará bispa coadjutora em Curitiba

    LER MAIS
  • COP26. Kerry reduz as expectativas sobre a cúpula de Glasgow: “Rumo a compromissos ainda insuficientes para alcançar…”

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


03 Março 2020

O Poder de Deus contra o Coronavírus.” O culto realizado no último domingo (1) pela Igreja Catedral Global do Espírito Santo, em Porto Alegre, despertou a atenção do Ministério Público do Estado do Rio Grande do Sul (MP-RS). Transmitido pela internet e conduzido pelo autoproclamado profeta Sílvio Ribeiro, a cerimônia prometeu “imunizar” os fiéis contra “qualquer tipo de epidemia, vírus ou doença”, apenas por meio de uma “unção com óleo consagrado no jejum”.

A informação é publicada por Sul21, 02-03-2020.

Segundo a coordenadora do Centro de Apoio Operacional dos Direitos Humanos do MP-RS, Angela Rotunno, o culto pode ter incorrido nos crimes de charlatanismo, curandeirismo e estelionato.

(Foto: Reprodução/Facebook)

“O Ministério Público do Estado do Rio Grande do Sul (MP-RS), ao tomar conhecimento de que pessoas estão oferecendo cultos com o objetivo de curar ou trazer algum tipo de proteção à qualquer tipo de vírus, inclusive o coronavírus, adotou todas as providências cabíveis”, declarou Angela Rotunno, nesta segunda-feira (2).

Além de ser enquadrado, na área criminal, como charlatanismo, curandeirismo e estelionato, se tiver ocorrido qualquer tipo de pagamento, o culto pode ainda ter implicações na área civil, com o ressarcimento por danos físico ou moral que possam ter acontecido. Na área administrativa, o Ministério Público ainda solicitou explicações da federação a qual pertence a igreja que promoveu o ato.

“Compreendemos que, diante de uma situação de fragilidade emocional que esse tipo de doença provoca, as pessoas se sintam com necessidade de buscar algum tipo de apoio em outras áreas”, ponderou a coordenadora do Centro de Apoio Operacional dos Direitos Humanos do MP-RS. Todavia, ela destaca que são os órgãos de saúde do município, do Estado e do governo federal que devem ser procurados.

“Quem souber da existência desse tipo de culto, pode denunciar para todas as autoridades da segurança, inclusive o Ministério Público, para que possamos então adotar as providências cabíveis”, afirmou Angela Rotunno.

 

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Igreja que prometeu cura contra o coronavírus pode ser enquadrada em charlatanismo e estelionato - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV