Pierre Teilhard de Chardin. Completa-se um século da redação de “A potência espiritual da Matéria”

Revista ihu on-line

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Mais Lidos

  • Discernimentos depois da Primeira Assembleia Eclesial. Artigo de Paulo Suess

    LER MAIS
  • Formação e espiritualidade do Ministro Extraordinário da Eucaristia

    LER MAIS
  • Paris, o Papa aceita a renúncia de Aupetit

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


10 Agosto 2019

Para o científico, místico e poeta visionário, não há cisão ontológica entre matéria e espírito, mas sim que ambas são etapas de um mesmo processo de complexificação.

Terminada a Primeira Guerra Mundial, Teilhard é desmobilizado e passa alguns dias de descanso na casa dos jesuítas de Clermont.

Discutiu sobre o problema do panteísmo spinozista com o padre Auguste Valensin.

Havia iniciado já em sua infância uma sedução geológica que em sua solidez continha oculta – por se revelar – a consciência espiritual.

O artigo é de Leandro Sequeiros, padre jesuíta, doutor em Geologia, colaborador da Cátedra Ciência, Tecnologia e Religião, e vice-presidente da Associação de Amigos de Pierre Teilhard de Chardin, publicado por Religión Digital, 08-08-2019. A tradução é de Wagner Fernandes de Azevedo.

Eis o artigo.

Uma das intuições mais originais e polêmicas de Pierre Teilhard de Chardin (1881-1955) se formulava faz cem anos, em 8 de agosto de 1919. Para o científico, místico e poeta visionário, não há cisão ontológica entre matéria e espírito, mas sim que ambas são etapas de um mesmo processo de complexificação e ascensão da Matéria para o Espírito.

Fechado na ilha britânica de Jersey, em 8 de agosto de 1919, “A potência espiritual da Matéria” é o último dos ensaios escritos por Pierre Teilhard de Chardin (1881-1955) incluídos nos Écrits du temps de la Guerre (1916-1919).

Terminada a Primeira Guerra Mundial, Teilhard é desmobilizado em 10 de março de 1919. Passou uns dias de descanso na casa dos jesuítas de Clermont, e depois marchou à cidade de Lyon para fazer um retiro espiritual. Na primeira metade do mês de abril, esteve em Paris, onde deu aulas e retomou seu contato com o Museum (agora Museu Nacional de História Natural da França), onde estava se formando e trabalhando desde 1912, antes de ser desmobilizado em 1915. Em Paris, em uma das casas da Companhia de Jesus, Pierre escreve na Páscoa de 1919 seu ensaio “Os nomes da Matéria”, que ele mesmo considerava um avanço de “A potência espiritual da Matéria”, concluída em 8 de agosto de 1919.

Por indicação de seus superiores, Teilhard volta à ilha de Jersey, onde estudou filosofia entre 1902 e 1905. Passou em torno de dois meses durante 1919, já licenciado do exército, gozando do trabalho científico, do retiro espiritual e do descanso.

Em sua instância na ilha de Jersey, Teilhard dedicou seu tempo a estudar no rudimentar laboratório do Colégio, algo de biologia marinha. Foi visitado por seu amigo, o padre Pierre Charles, que atendeu expressamente desde Lovaina. Também pode falar extensamente com o padre Auguste Valensin, com quem discutiu sobre o problema do panteísmo spinozista. Valensin, segundo os biógrafos, explicou a Teilhard os pontos de vista de Maurice Blondel sobre a consistência do universo in Christo...

Coloquemos o olhar às consequências desses escritos do tempo da guerra. Anos mais tarde, em junho de 1920, é a doutrina chamada dos “olhos da fé”, título de um célebre artigo de Pierre Rousselot (1878-1915), morto no início da guerra, a que é condenada por uma carta do Superior Geral dos jesuítas, o padre Wladimiro Ledochowski (1886-1942). A condenação afeta indiretamente os teólogos próximos a Teilhard, seus amigos do tempo de formação, como Pierre Charles (1883-1954) que ensinava em Lovaina, Auguste Valensin, que será exiliado à Niza e o exegeta Joseph Huby.

Para Claude Cuénot, não é uma retirada forçada pelos superiores devido a seus escritos pouco ortodoxos durante a guerra. Parece que Teilhard estava preparando seu diploma em Ciências Naturais na Sorbonne. De acordo com Théodore Monod-Lamare (geólogo em Bordeaux e espírito não-conformista e amigo sincero) Teilhard freqüentou as aulas de Hérouard e Robert, e se apresentou para exames especiais para pessoas desmobilizadas.

Em julho de 1919, ele aprovou o certificado de Geologia com a qualificação de "notável". Discípulo (e depois amigo) de Alfred Lacroix, Professor de Mineralogia no Museu, e incentivado por Pierre Termier, Teilhard voltou a entrar em contato com Marcelino Boule no Museu. A partir dessas datas data sua amizade com Paul Rivet, o futuro fundador do Museu do Homem.

Já se passaram alguns meses desde a estadia de Teilhard em Jersey. E agora é quando ele reinicia sua reflexão sobre a Matéria. Como o próprio Pierre Teilhard de Chardin escreve em "O coração da Matéria" (1950), ele reconhece que sente desde a infância um grande fascínio pela Matéria. O padre Teilhard escreve: "Eu certamente não tinha mais de 6 ou 7 anos de idade, quando comecei a me interessar por Matéria, ou mais precisamente, por algo que 'brilhava' no coração da Matéria".

Esse brilho enigmático para Teilhard de Chardin foi manifestado pela primeira vez em metais, na solidez do ferro e na transparência do quartzo e outros minerais. Estes metais que levam sua evolução, da fornalha das estrelas aos mantos da terra, tornam-se "essência concentrada", "sensação de plenitude" e "consistência", a condensação do pó universal, uma pedra que é um microcosmo do planeta, um bloco de ferro que sempre sugere ao filósofo o futuro ouro. Desde sua infância, ele começou uma sedução geológica que continha sua solidez oculta - a ser revelada - consciência espiritual.

"Matéria" geralmente é escrita em letras maiúsculas para destacar sua força quase divina. O ensaio "Os nomes da Matéria" é assinado em Paris, na Páscoa de 1919 e é uma reflexão antes de "O poder espiritual da Matéria".

Comentamos alguns textos mais importantes de "Os nomes da Matéria". Para Teilhard, “não há nada tão próximo e tão distante de nós quanto a Matéria. Nós pensamos que estamos tocando nela; penetra, por assim dizer, até ao nosso espírito; a cada instante, como veremos, nasce nele de algum modo. Mas então, quando queremos agarrá-lo, raciocinamos, entendemos, nos escapa; retroceder indefinidamente para trás (como Deus para frente) sob nossa análise, cada vez mais longe de nossas construções intelectuais e nossa simpatia ”. E ele comenta: "É que, embora fundida com o nosso ser, a Matéria é, ao mesmo tempo, antípoda da nossa alma", porque "A Matéria é, em torno do nosso espírito, a profundidade da qual a nossa substância emerge"; Pretendo colocar aqui uma ordem possível nesses vários nomes contraditórios que séculos deram à matéria. E para conseguir isso, usarei (como uma "chave" sistemática) a visão da "União criadora".

E ele esclarece o que pretende em "A União Criadora": "Este ponto de vista (lembro-me novamente) é admitir que, no nosso Universo, cada grau a mais no ser (isto é, na espiritualidade) coincide com mais um grau. na unificação da multiplicidade original, extremamente dispersa, que é a figura mais baixa do mundo, sua forma mais próxima do nada. "Mais isto é mais, um pluribus, uniri," "Deus cria uniendo".

“Dito isto, e se nos colocamos em uma fase do Universo (a nossa, neste momento) em que a multiplicidade está em redução ou convergência (fase evolutiva, não involuntária), podemos imaginar a formação, complicação e dissolução de os vários círculos da Matéria".

A mente de Teilhard constrói a realidade sempre com um formato helicoidal. Para Teilhard, "o mundo só tem interesse se for para frente e para cima", "tudo que ascende converge". Sua mente não é circular (não é o eterno retorno), mas tudo vai "adiante" com toda a força do passado. Por isso, é definido como "peregrino do futuro". O futuro é o "atrator" que converge hoje do passado para o futuro. Geometricamente esta imagem pode ser ilustrativa:

Ao tentar sistematizar os tipos de Matéria, Teilhard não apresenta uma tipologia em que os sete tipos de Matéria são colocados no mesmo plano topológico e metafísico independentemente uns dos outros. Não se trata de tipos ontológicos, mas de modelos teóricos com referências reais encadeadas submetidas ao processo evolutivo. E, portanto, há uma dimensão processual na qual um tipo se torna outro e essa nova forma apresenta caracteres emergentes que o colocam em outro plano ascensional.

Da Matéria ao Espírito: Matéria Ressuscitada

Da perspectiva de Teilhard, “essa necessidade de se unir não é algo amorfo: cada alma, emergida como algo animador da Matéria trabalhada, elemento de um imenso Universo, possui, em sua unidade espiritual, uma estrutura individual excessivamente complicada, vestígio dos sindicatos que resume e expressão, da única maneira de contato que é capaz de "casar com ela". Almas separadas precisam se unir. Elas são construídos para fazê-lo, de uma maneira muito particular, em que sua história é totalmente refletida. Mas enquanto seus laços com a Matéria não forem quebrados, é impossível para eles se encontrarem: eles não são capazes de união ”.

E conclui: “Sem determinismo, rigidez geométrica e impenetrabilidade, que são atributos secundários e passageiros da pluralidade desorganizada, mas em que o número realmente é completo, comunicativo e imortal - sem qualquer multiplicidade inútil, mas conservando em sua simplicidade o vestígio de tudo múltiplo de todos os tempos - isto é, prolongamento da Matéria universal - a carne, naquele dia, será verdadeiramente ressuscitada. A Matéria terá entrado na sua última fase e não haverá mais do que um nome. Paris, Páscoa de 1919. ”

Algumas chaves para interpretar "O poder espiritual da matéria"

Não é fácil sistematizar o enredo de "O poder espiritual da Matéria". A mente complexa de Teilhard tenta reescrever, escrevendo uma intuição carregada de experiência interior, poética e mística, de difícil expressão escrita. Em um estilo narrativo (como já usado em "Cristo na Matéria. Três histórias à maneira de Benson"), "Homem" se sente levado pela Matéria ardente que o empurra para o mais profundo, profundo e elevado.

O texto começa com um texto em latim retirado do Antigo Testamento, e mais exatamente a partir do Livro dos Reis, que é inspirador para Teilhard: Cumes incederent simul, ecce currus igneus e equi ignei diviserunt utrumque, - e ascendit Elias per turbinem em coelum. É uma citação de memória do texto do segundo Livro dos Reis (2,11): “De repente, uma carruagem de fogo com cavalos de fogo os separava uns dos outros. E Elias subiu ao céu na tempestade.

Do ponto de vista de quem escreve, este texto que está em “O poder espiritual da Matéria” é a chave para interpretar tudo: “Banhe-se na Matéria, filho do homem! Mergulhe nele, onde é mais impetuoso e profundo! Lute em seu fluxo e beba suas ondas! Ela é aquela que uma vez abalou sua inconsciência; ela te levará a Deus!

A Matéria é descrita como um mar revolto. Mas a Humanidade é convidada a "banhar-se" nela, a "submergir" em suas águas impetuosas, a combater a corrente que uma vez nos arrastou. Este ato consciente ao mesmo tempo de deixar-se inundar e lutar contra a corrente é o que - segundo Teilhard - nos levará a Deus.

O processo interno da consciência de Teilhard sobre o poder (capacidade interior, energia oculta, tensão para frente e para cima) da Matéria é desenolvido em muitos de seus escritos. E atinge seu clímax em "O coração da Matéria" (1950), onde existem textos muito significativos.

Da inconsciência à consciência em Deus

Tentamos seguir a trama do texto de Pierre Teilhard de Chardin em "O Poder Espiritual da Matéria" (1919). O ponto de partida é a descrição pessoal ("Homem") que se perde no turbilhão de um mundo disperso, fragmentado e desorientado. Incluímos algumas epígrafes para estruturar o processo de seus sentimentos:

O deserto

Teilhard começa o texto: “O Homem, seguido por seu parceiro, caminhou pelo deserto quando o Coisa estava em cima dele. De longe aparecia, muito pequeno, deslizando na areia, não maior do que a palma de uma criança, uma sombra amarela e evasiva, semelhante ao vôo indeciso da codorna, ao amanhecer sobre o mar azul, ou uma nuvem de mosquitos dançando ao pôr do sol ao sol, a um redemoinho de poeira ao meio-dia sobre a planície".

“O Homem teve a impressão de que ele deixou de ser apenas ele mesmo. Uma irresistível embriaguez o dominou, como se toda a seiva de toda a sua vida, inchando com seu coração excessivamente reduzido, recriava energicamente as fibras enfraquecidas de seu ser e ao mesmo tempo oprimia-o a angústia de um perigo sobre-humano - o sentimento Confuso de que a Força que havia caído sobre ele era ambígua e imprecisa - uma essência combinada de todo Mal com todo o Bem”.

A invasão da tempestade

“O furacão havia entrado nele. E eis que, no fundo do ser que ela havia invadido, a Tempestade da Vida, infinitamente doce e brutal, murmurava no único ponto secreto da alma que não estava completamente abalado: 'Você me chamou: aqui estou eu Lançado pelo Espírito dos caminhos seguidos pela caravana humana, você teve o valor da solidão virgem. Cansado de abstrações, de atenuações, do verbalismo da vida social, você queria se medir com toda a Realidade selvagem'”.

"Você vem?" "Oh divino e poderoso, qual é o seu nome? Fala" "Eu sou o fogo que arde e a água que se derrama; o amor que começa e a verdade que passa. Tudo o que é imposto e o que é renovado, tudo que desencadeia e tudo o que une: Força, Experiência, Progresso. Eu sou a Matéria".

"Oh Matéria, você já vê; Meu coração treme. Visto que é você, digamos, o que você quer que eu faça?” “Arma teu braço, Israel, e lute denotadamente contra mim! O Golpe, insinuando-se como filtro, tornara-se provocador e hostil. Em suas dobras ele abrigava um sabor acre de batalha (...) O Homem, ainda próstata, teve um começo, como se tivesse sentido um estímulo. Ele pulou para cima, enfrentando a tempestade (...) Antes, na doçura do primeiro contato, ele teria instintivamente desejado se perder na respiração quente que o envolvia. Veja, a onda de santidade quase dissolvente, se transformou na vontade bruta de ser mais".

A matéria é o mar

“O mesmo que o mar, algumas noites, se ilumina em torno do nadador, e pisca ainda mais quando os membros fortes mordem mais vigorosamente, assim o poder sombrio que lutava contra o homem irradiava mil fogos ao redor de seu esforço. Em virtude do mútuo despertar de seus poderes opostos, ele exaltou sua força para dominá-la, e ela revelou seus tesouros para entregá-los. 'Absorva a Matéria, filho da terra; banhe-se em suas camadas ardentes, porque ela é a fonte e a juventude de sua vida!'".

"Nunca diga, como alguns fazem: "a Matéria está desgastada, a Matéria está morta!" Até o último momento dos séculos, a Matéria será jovem e exuberante, brilhante e nova para qualquer um. Não repita: 'a matéria está condenada, a matéria está morta!'. Alguém veio dizendo: 'Você vai beber veneno e isso não vai prejudicá-lo'. E também: 'A vida sairá da morte' e, finalmente, pronunciando a palavra definitiva da minha libertação: 'este é o meu Corpo'".

A mais profunda penetração do universo

“Não; a pureza não consiste em separação, mas sim em uma penetração mais profunda do Universo. Consiste no amor da única Essência, incircuncisa, que penetra e age em todas as coisas dentro, além da zona mortal em que as pessoas e os números são agitados. Radica-se em um casto contato com o que é "o mesmo em todos". Quão belo é o Espírito quando se ergue adornado com as riquezas da Terra! Banhe-se na Matéria, filho do homem! Mergulhe nela, onde é mais impetuoso e profundo! Lute em seu fluxo e beba suas ondas! Ela é aquela que uma vez abalou sua inconsciência; ela te levará a Deus!' (…) O Homem viu-se no centro de uma imensa taça, cujas extremidades se fecharam em torno dele”.

Arrastado para o Um

“Então a febre da luta substituiu em seu coração uma paixão irresistível de sofrer e descobrir, num instante sempre presente em torno dele, o Único Necessário (…) Ele contemplou, com clareza impiedosa, a pretensão desprezível dos Homens de consertar o Mundo, por impor seus dogmas, suas medidas e suas convenções. Ele experimentou até a náusea a banalidade de suas alegrias e tristezas, o mesquinho egoísmo de suas preocupações, a insipidez de suas paixões, a diminuição de seu poder de sentir. Ele teve compaixão daqueles que têm medo de um século ou não sabem amar nada fora de um único país ”.


Teilhard de Chardin

Um ponto de apoio

“Finalmente, encontrou-se um ponto de apoio e um recurso fora da sociedade. Um pesado manto caiu de seus ombros e deslizou para trás dele: o peso do que é falso, estreito, tirânico, artificial, humano, na Humanidade. Uma onda de triunfo libertou a sua alma(...). Uma profunda renovação acabara de ser executada, de modo que já não podia mais ser Homem mais que em outro plano. Mesmo se ele voltasse para a Terra comum agora - mesmo que ele estivesse perto do fiel companheiro que foi banido, lá embaixo, na areia deserta - ele já seria um estrangeiro ”.

O encontro com Deus

“Sim, ele estava ciente disso: mesmo para seus irmãos em Deus, melhor do que ele, ele inevitavelmente falava uma linguagem incompreensível; aquele a quem o Senhor decidiu empreender o caminho do fogo. Mesmo para aqueles que ele mais amava, sua afeição seria um fardo, porque eles o veriam inevitavelmente à procura de algo por trás deles (...) resolutamente desviou os olhos do que estava fugindo, abandonou-se, com fé transbordante, à respiração que arrebatou o Universo. E aqui, no seio do redemoinho, uma luz crescente, que tinha a doçura e mobilidade de um olhar... um calor foi difundido, que não era mais a irradiação severa de um lar, mas a rica emanação de uma carne. A imensidão cega e selvagem tornou-se expressiva, pessoal. Suas camadas amorfas se dobraram seguindo as feições de um rosto inefável. Em toda parte, um Ser era atraído, sedutor como uma alma, palpável como um corpo, vasto como o céu; um Ser misturado com as Coisas, mesmo que diferente delas, superior à substância das Coisas, com as quais foi revestido, e ainda adotando uma figura nelas. O Oriente nasceu no coração do mundo. Deus irradiou no limite da Matéria, cujas ondas lhe trouxeram o Espírito”.

Adoração

“O homem caiu de joelhos no carro de fogo que lhe arrebatava e disse: HIMNO A LA MATTERIA. 'Bendita sejas tu, Matéria áspera, gleba estéril, pedra dura; tu que não cedes à violência e nos forçam a trabalhar se quisermos comer. Bendita seja, Matéria perigosa, mar violenta, paixão indomável, tu que nos devoram se não te acorrentarmos. Bendita és tu, a Matéria poderosa, a Evolução Irresistível, a Realidade Sempre Nascente, tu, que explodem as nossas imagens a cada momento e nos forçam a olhar cada vez mais para a Verdade. (...) eu te abençoo, Matéria, e eu te saúdo, não reduzida ou desfigurada, como descrito pelos pontífices da ciência e os pregadores da virtude, uma massa, dizem eles, de forças brutais ou de pouco apetite, mas como você aparece para mim hoje, em sua totalidade e em sua verdade. (…) abaixo, no deserto que voltou a conhecer a calma, alguém chorou: 'Meu pai, meu pai! Um vento selvagem levou-o!' E no chão havia um manto. Jersey, 8 de agosto de 1919"

Conclusão: A transformação interior de Pierre Teilhard de Chardin

Uma guerra parece que, em princípio, é incompatível com a vida intelectual. Mas durante os períodos de descanso, Teilhard - de acordo com seus biógrafos e suas cartas - encheu, com sua letra miúda, rápidos, enérgicos e distintos, cadernos inteiros nos quais ele confere a seu pensamento uma formulação já complexa e rica. Como Cuènot escreve (opus cit., P. 68) Teilhard, como Baudelaire dizia: "Você me deu seu lodo e eu o transformei em ouro". Ele fez ouro do lodo das trincheiras, porque ele possuía o dom sobrenatural de extrair das coisas e seres a seiva através da qual ele cresceu para Deus.

Como ele escreve em "O Coração da Matéria", em seus anos de Teologia em Hasting (1909-1912), a leitura de Bergson levou-o à "consciência de uma Deriva profunda, ontológica e total do Universo". Em Teilhard há um "despertar cósmico" e, como ele escreve em "Vida Cósmica", ele experimenta "o valor beatificante da Sagrada Evolução". Tudo nele "expressa alegremente o sentimento da onipresença de Deus, o total abandono do místico à vontade divina e esse esforço para comungar com o Invisível através do mundo visível, reconciliando assim o Reino de Deus com o amor cósmico".

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Pierre Teilhard de Chardin. Completa-se um século da redação de “A potência espiritual da Matéria” - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV