Competição Geopolítica: A China joga no ataque e os EUA na defesa

Revista ihu on-line

China, nova potência mundial – Contradições e lógicas que vêm transformando o país

Edição: 528

Leia mais

Ore Ywy – A necessidade de construir uma outra relação com a nossa terra

Edição: 527

Leia mais

Sistema público e universal de saúde – Aos 30 anos, o desafio de combater o desmonte do SUS

Edição: 526

Leia mais

China, nova potência mundial – Contradições e lógicas que vêm transformando o país

Edição: 528

Leia mais

Ore Ywy – A necessidade de construir uma outra relação com a nossa terra

Edição: 527

Leia mais

Sistema público e universal de saúde – Aos 30 anos, o desafio de combater o desmonte do SUS

Edição: 526

Leia mais

Mais Lidos

  • "Pela Democracia, pelo Brasil". Manifesto contra candidatura de Jair Bolsonaro

    LER MAIS
  • Teólogos e pastores reagem a apoio evangélico a Bolsonaro

    LER MAIS
  • Apelo de Francisco: ''Que o Senhor nos ajude a reconhecer a tempo as sementes de ideologias totalitárias"

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

23 Agosto 2018

"A tendência futura é a China se envolver em conflitos armados e em disputas internas pelo poder nos diferentes países que recebem altos investimentos chineses. Como a cultura chinesa é profundamente conservadora e as regras do “Consenso de Beijing” são menos liberais e mais repressivas, um possível imperialismo chinês poderá, indubitavelmente, ser uma grande ameaça ao estilo econômico e político do Ocidente", escreve José Eustáquio Diniz Alves, doutor em demografia e professor titular do mestrado e doutorado em População, Território e Estatísticas Públicas da Escola Nacional de Ciências EstatísticasENCE/IBGE. em artigo publicado por EcoDebate, 22-08-2018. 

Eis o artigo.

No jogo pela disputa da hegemonia global, as duas superpotências líderes travam uma disputa acirrada, com a China (que lidera o bloco oriental) jogando no ataque e os EUA (que lideram confusamente o bloco ocidental) jogando na defesa. Na guerra comercial, a China ataca em todas as frentes, buscando interligações multilaterais, enquanto os EUA, de Donald Trump, tenta impor barreiras e proteger o mercado interno. A China aumenta a sua presença no mundo, construindo infraestrutura e pontes, enquanto os EUA se isolam, se retiram dos acordos internacionais e tentam construir muros.

A China vem conquistando o mundo com suas mercadorias e, além de ser o país com maior volume de exportação do mundo (exportou US$ 2,1 trilhões em 2017), é o detentor do maior superávit comercial, que ficou em US$ 421 bilhões, em 2017. O gráfico 1, com dados do Census Bureau dos EUA, mostra que o déficit comercial dos EUA com a China, nos seis primeiros meses do ano, cresceu bastante nos dois períodos da administração Trump (2017 e 2018), em relação ao último ano da administração Obama (2016), passando de U$$160,8 bilhões para US$ 185,7 bilhões. Portanto, até o momento, todas as ameaças feitas pelo governo dos EUA não funcionaram no sentido de reduzir o desequilíbrio da balança comercial do país.

O maior plano expansionista chinês é a iniciativa “Um Cinturão, Uma Rota” (OBOR, na sigla em inglês), um projeto liderado pelo presidente Xi Jinping e que foi lançado em 2013, visando conectar a Eurásia e dois terços da população mundial em 70 países, por meio de uma rede de ligações terrestres (o “cinturão”) e vias marítimas (a “rota”). Calcula-se investimentos de longo prazo, estimados em trilhões de dólares, provenientes de bancos, dos países envolvidos e do governo chinês.

O projeto avança a passos largos. Reportagem do site da BBC, mostra que os sinais da iniciativa OBOR podem ser vistos em território chinês e para além de suas fronteiras, onde uma frota de novas máquinas está construindo ferrovias a um ritmo impressionante. Para construir ferrovias de alta velocidade rapidamente foi construída a máquina de construção de pontes SLJ900/32 – localmente apelidada de Monstro de Ferro. Para a construção de túneis, a China começou a fabricar suas próprias máquinas de perfuração, as chamadas TBM, ou Tunnel Boring Machine, em inglês. O resultado mais evidente é uma TBM de 15,3 metros construída pela China Railway Engineering Equipment Group Company – que se apresenta como a maior empresa especializada no ramo de obras subterrâneas.

O megaplano de infraestrutura (OBOR), porém, gera grandes críticas. Analistas apontam que o custo das obras sobrecarrega os países pobres da Eurásia e da África, com bilhões de dólares em dívidas, além de gerar receios com a teia expansionista da política externa chinesa. Há quem fale inclusive de um novo tipo de dominação, o “Imperialismo chinês”. Por enquanto, o modo como a China vem conquistando espaço no cenário global é diferente do que os Estados Unidos fizeram em sua fase expansionista. Sem intervenções militares, a China está se convertendo em superpotência sem guerras e segundo declaração de seus dirigentes, deverá seguir o caminho da paz. De fato, a China nunca foi uma potência imperialista e sempre sofreu com o avanço das potencias imperialistas, como na “guerra do ópio”.

Porém, a China está se tornando uma potência global, com presença em todos os cantos do mundo. Ela se transformou em uma nação exportadora de mercadorias, serviços e capital, a presença internacional de poderosos monopólios estatais e privados, orientados pelo Estado. Na medida em que os investimento chineses de espalham pelo mundo, há a preocupação na proteção deste patrimônio.

Na competição geopolítica entre China e Estados Unidos na América do Sul, os chineses tem conquistado terreno. Recentemente, a China abocanhou lotes do pré-sal e conseguiu comprar um terço do setor elétrico brasileiro, além de boa parte da produção hidrelétrica nas fronteiras. Na Argentina, a embaixada chinesa em Buenos Aires conseguiu emplacar a construção de uma base de monitoramento de satélites e de segurança cibernética na Patagônia. Para se contrapor ao avanço dos chineses, os EUA enviaram o chefe do Pentágono, James Mattis, a uma visita aos quatro grandes países da região —Brasil, Argentina, Chile e Colômbia. Os EUA não querem perder espaço no “seu quintal”.

Segundo o Instituto Internacional para a Investigação da Paz de Estocolmo (SIPRI), a China possui o segundo maior orçamento global em gastos militares, com US$ 228 bilhões, em 2017. Os gastos da China como parcela das despesas militares mundiais aumentaram de 5,8% em 2008 para 13% em 2017. A China está modificando seu perfil, construindo forças armadas cada vez mais poderosas, com capacidade de intervir em todos os continentes, inclusive com uma frota de porta-aviões e caças de quinta geração.

Desde a Revolução comunista de 1949, a China ocupou o Tibete e, em 1959, após vários conflitos, uma rebelião em Lhasa, capital do Tibete, foi reprimida com violência pelo governo de Pequim, obrigando o Dalai-lama, líder religioso e político tibetano, a se refugiar no exterior. Após a Revolução de 1949, as forças comunistas chinesas também conquistaram e ocuparam a República do Turquestão Oriental e a transformaram na Região Autônoma Uigur de Xinjiang, reprimindo todas as tentativas dos Uigures de pleitear mais liberdade ou autonomia. Recentemente, foi anunciado que a China aprisionou um milhão de muçulmanos da etnia uigur. O nível de repressão é impressionante.

A tendência futura é a China se envolver em conflitos armados e em disputas internas pelo poder nos diferentes países que recebem altos investimentos chineses. Como a cultura chinesa é profundamente conservadora e as regras do “Consenso de Beijing” são menos liberais e mais repressivas, um possível imperialismo chinês poderá, indubitavelmente, ser uma grande ameaça ao estilo econômico e político do Ocidente. A reação defensiva dos EUA pode levar a uma repetição de eventos passados que fazem parte da “Armadilha de Tucídides”.

O melhor é que este jogo dê empate, ou que a governança global consiga disciplinar os interesses hegemônicos. A atual guerra comercial entre os EUA e a China é preocupante, pois já está enfraquecendo a economia chinesa e pode jogar a economia internacional numa grande crise, além de poder iniciar um conflito bélico de grandes proporções e de consequências trágicas para a civilização.

Referência:

Tom Calver. As megamáquinas com as quais a China está ligando o mundo. BBC News, 29/07/2018

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Competição Geopolítica: A China joga no ataque e os EUA na defesa - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV