Francisco: no presépio, a imagem dos migrantes

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • As duras palavras de Francisco à Igreja: as murmurações abafam a profecia

    LER MAIS
  • Uma espiritualidade do viver

    LER MAIS
  • Crise alimentar mundial: “Estamos à beira de uma pandemia de fome”

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


13 Dezembro 2016

O presépio que este ano foi montado na Praça São Pedro, com a típica embarcação maltesa, o “luzzu”, faz alusão “à triste realidade dos migrantes nas barcas que se dirigem à Itália”. A revelação foi feita pelo Papa no discurso que fez às delegações de Malta e do Trentino que este ano doaram o presépio e a árvore de Natal que se encontram na Praça São Pedro. O Papa destacou que “na dolorosa experiência destes irmãos e irmãs, voltamos a ver aquela do Menino Jesus, que, no momento de seu nascimento, não encontrou abrigo e nasceu na gruta de Belém”.

A reportagem é de Iacopo Scaramuzzi e publicada por Vatican Insider, 09-12-2016. A tradução é de André Langer.

“O presépio montado na Praça São Pedro, obra do artista de Gozo, Manwel Grech, reproduz a paisagem maltesa, e o completam a tradicional cruz de Malta e o “luzzu” – disse o Papa –, típica embarcação maltesa que faz alusão à triste e trágica realidade dos migrantes nas barcas que se dirigem à Itália. Na dolorosa experiência destes irmãos e irmãs, voltamos a ver aquela do Menino Jesus, que, no momento de seu nascimento, não encontrou abrigo e nasceu na gruta de Belém, sendo depois levado ao Egito para fugir da ameaça de Herodes”.

“Todos aqueles que visitarem este presépio estão convidados a redescobrir seu valor simbólico, que é uma mensagem de fraternidade, de partilha, de acolhida e de solidariedade. Também os presépios que se encontram nas igrejas, nas casas e em muitos lugares públicos são um convite para prepararmos um lugar em nossa vida e na sociedade para Deus, oculto no rosto de tantas pessoas que passam por dificuldades, pobreza e tribulação”, acrescentou o Papa.

A árvore de Natal, que se encontra ao lado do presépio, “veio das florestas de Scurelle, ao pé da cadeia montanhosa do Lagorai – prosseguiu o Papa – cercada pela natureza encantadora, com flores, plantas e córregos cristalinos que enfeitam os caminhos. A beleza destes panoramas é um convite para contemplar o Criador e respeitar a natureza, obra de suas mãos. Somos todos chamados a nos aproximar da Criação com estupor contemplativo”.

O presépio e a árvore, pois, “formam uma mensagem de esperança e amor e ajudam a criar o clima natalício favorável para viver com fé o Nascimento do Redentor, vindo à terra com simplicidade e mansidão. Deixemo-nos atrair com alma de crianças ao presépio porque ali se compreende a bondade de Deus e se contempla a sua misericórdia, que se fez carne humana para comover o nosso olhar”.

Em sua saudação, o Papa agradeceu particularmente aos bispos e ao governo de Malta, à Associação Florestas do Lagonai, aos representantes da Arquidiocese e da Província de Trento (Itália) e às autoridades da Baixa Valsugana. Dedicou também um “pensamento especial” a todas as crianças que decoram a árvore, com “o apoio da Fundação Lene Thun, que mantém os laboratórios de cerâmica terapêutica em alguns hospitais. As bolas coloridas que fizeram representam os valores da vida, do amor e da paz que o Natal de Cristo vem para nos propor cada ano”.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Francisco: no presépio, a imagem dos migrantes - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV