Francisco escolhe cardeais eleitores

Revista ihu on-line

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Mais Lidos

  • O suicídio no clero do Brasil

    LER MAIS
  • “Agro é fogo”: incêndios no Brasil estão ligados ao agronegócio e ao avanço da fome, diz dossiê

    LER MAIS
  • Polícia de RO invade casa de advogada para apreender material de defesa de camponeses

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


28 Janeiro 2015

O Papa Francisco está envolvido num lento porém determinado processo de reconstrução do Colégio Cardinalício e renovação dos eleitores que irão escolher o seu sucessor. O objetivo é aumentar a universalidade deste grupo afirmando as igrejas das periferias, corrigir os atuais desequilíbrios e garantir que haja uma variedade de candidatos que possam sucedê-lo no próximo conclave.

A reportagem é de Gerard O’Connell (1), publicada pela revista America, 02-02-2015. A tradução é de Isaque Gomes Correa.

Ele está remodelando o Colégio por meio de passos cuidadosamente pensados, mas ele pode precisar aumentar o número total de eleitores papais se quiser alcançar todas as suas metas em cinco anos.

Por um lado, ele está se afastando, lenta mas seguramente, do eurocentrismo que tem sido a principal característica do Colégio Cardinalício durante séculos; aqui os italianos foram sempre o bloco esmagadoramente majoritário.

Ele está fazendo este afastamento de várias maneiras. Na Itália, por exemplo, ele rompeu com o sistema carreirista e da tradição não escrita segundo a qual uma nomeação para uma dada Sé importante automaticamente levava o solidéu junto. Assim, ele não fez cardeais o patriarca de Veneza ou o arcebispo de Turim cardeais, mas deu o “chapéu vermelho” para os bispos das dioceses de Perugia, Ancona e Agrigento.

Além do mais, ele está procurando reduzir o número de solidéus na Europa colocando o Velho Continente (excluindo a Itália) em pé de igualdade com a Ásia e a África; foi o que buscou fazer com os consistórios de 2014 e 2015.

Ele também está procurando corrigir o desequilíbrio no número de cardeais eleitores dos EUA, que se acumulou ao longo dos últimos 50 anos. Esta meta é mais fácil de ser atingida nos próximos três anos. Hoje, os Estados Unidos têm 11 eleitores, enquanto que o Brasil, o México e as Filipinas têm bem menos cardeais, embora contam com muito mais católicos. Francisco poderia diminuir o número de eleitores dos EUA para menos de dez neste período de tempo criando menos cardeais americanos, na medida em que os atuais perdem o direito a voto por motivos de idade.

O Papa Francisco está reduzindo drasticamente o número de cardeais na Cúria Romana. No passado eles tiveram uma enorme influência nos conclaves. Hoje, contam com cerca de 25% dos eleitores. Mas como ele indicou em entrevista, dezembro passado, a Elisabetta Piqué (minha esposa) para o jornal La Nación, com a reforma da Cúria, somente os chefes das congregações serão cardeais. Isto reduziria o número deles significativamente.

Por outro lado, este papa sabe o que significa estar na periferia. Ele está ciente de que muitas igrejas e líderes eclesiais que vivem nas periferias se encontram, geralmente, em grande pobreza ou em situações de conflito. Estas igrejas até o momento não importavam muito quando se tratava de tomar decisões em Roma. Ele quer afirmar a cidadania plena delas na Igreja. Dessa forma, nos consistórios de 2014 e 2014 ele nomeou solidéus a prelados de Burkina Faso, Haiti, Nicarágua, Panamá, Costa do Marfim, Cabo Verde, Tonga e Mianmar.

Acima de tudo, no entanto, Francisco está olhando atenciosamente para o perfil pastoral daquele a quem ele dá o papel de cardeal. Na Itália, por exemplo, nos consistórios de 2014 e 2015 ele escolheu, cuidadosamente, pastores corajosos, mente aberta, homens humildes e de oração com um estilo de vida simples, não carreiristas nem ideólogos, pastores comprometidos com a cultura do encontro, não homens de confronto. A identidade destes e dos futuros cardeais no atual pontificado pode ser encontrada no documento programático do papa argentino: “A Alegria do Evangelho”, e nas falas que ele fez aos núncios (em junho de 2013) e à Congregação para os Bispos (em fevereiro de 2014).

A partir do consistório de 2015 haverá 125 cardeais eleitores, 31 deles criados pelo Papa Francisco, divididos assim: 57 europeus (incluindo 26 italianos), 15 africanos, 14 asiáticos, 15 norte-americanos (Canadá 4, EUA 11), 22 das Américas Central e Sul (incluindo o México), 2 da Oceania (Austrália e Nova Zelândia).

Está dado, entretanto, que mesmo se Francisco seguir a sua atual lógica ele não terá condições de corrigir substancialmente o desequilíbrio europeu e italiano entre os eleitores dentro de cinco anos, a menos que ele aumente o número total de eleitores dos 120 atuais para 140 ou mais e que nomeie cardeais extras a prelados de fora da Europa. Esta possibilidade não pode ser descartada.

Nota:

1.- Gerard O’Connell é o correspondente da revista America em Roma. A cobertura vaticana de America é patrocinada, em parte, pelas comunidades jesuítas dos Estados Unidos.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Francisco escolhe cardeais eleitores - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV