Francisco está em busca de uma nova compreensão do ensinamento da Igreja sobre a contracepção?

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • Rio Grande do Norte. Seridó ameaçado

    LER MAIS
  • Arcebispo de Ribeirão Preto visita no hospital a Dom Pedro Casaldáliga, “um ícone no Brasil”

    LER MAIS
  • Francisco nomeia seis mulheres para grupo que supervisiona as finanças vaticanas

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


21 Janeiro 2015

Para alguém ser um bom católico, não precisa se reproduzir “como coelhos”, diz o Papa Francisco. Ao conversar com jornalistas a bordo do avião papal retornando das Filipinas, ele também explicou que recentemente repreendeu uma mulher grávida do oitavo filho quando já havia feito sete cesarianas.

O comentário é de Christopher Lamb, jornalista, publicada por The Tablet, 20-01-2015. A tradução é de Isaque Gomes Correa.

Estas são declarações surpreendentes e inéditas vindas de um papa. Elas se parecem também como uma tentativa de suavizar o ensinamento da Igreja sobre a contracepção.

Ao mesmo tempo, porém, o pontífice defendeu a Humanae Vitae – encíclica do Papa Paulo VI que reafirmou a proibição do uso de métodos artificiais de planejamento familiar – como um documento profético.

Paulo VI não foi antiquado, mente fechada. Não, [ele foi] um profeta que, com sua [encíclica] nos disse para termos cuidado com o neomalthusianismo que está chegando”, disse o Papa Francisco.

O ponto principal da encíclica, declarou Francisco, é a importância de as pessoas casadas estarem “abertas à vida” e dispostas a terem filhos. Isto deve ser feito com responsabilidade, acrescentou, dizendo: “Deus nos deu métodos para sermos responsáveis. Algumas pessoas pensam – desculpem a expressão – que para serem bons católicos é preciso reproduzirem-se como coelhos”.

É interessante notar que o papa não especifica quais métodos deveriam ser usados, embora suponha-se que ele esteja falando sobre o planejamento familiar natural.

Isto é importante porque, durante muitos anos, os debates na Igreja se centraram na natureza do ato sexual, ressaltando que o intercurso deve ter um elemento procriativo em si.

O papa parece estar afastando a discussão da obsessão quanto aos propósitos de todo e qualquer ato sexual, movendo-se em direção a princípios mais gerais por detrás da Humanae Vitae. Francisco, no entanto, não está sendo excessivamente prescritivo a respeito de como o número de nascimentos é regulado.

O Cardeal Walter Kasper, muitas vezes chamado de o teólogo do Papa Francisco, assim me disse quando o entrevistei no ano passado: “Promover a ideia de que se ter filhos é uma coisa boa, que este é o principal. Então, como fazer isto e como não fazer, isto é uma questão secundária”, disse acrescentando que os métodos naturais podem também ter “meios artificiais”.

Francisco está numa posição difícil. Ele não pode simplesmente abrogar a Humanae Vitae, mas sabe que métodos artificiais contraceptivos são amplamente usados pelos católicos no mundo ocidental. Uma das frases de Francisco é que a “realidade é mais importante do que as ideias”. A realidade é que, há algum tempo, vem existindo uma lacuna entre o ensinamento oficial da Igreja sobre a contracepção e as experiências vividas dos casais. Esta pode ser a tentativa de Francisco de abrir caminhos.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Francisco está em busca de uma nova compreensão do ensinamento da Igreja sobre a contracepção? - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV