Uma análise preliminar dos protestos

Revista ihu on-line

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Mais Lidos

  • Opositores do papa: continuem assim

    LER MAIS
  • Papa Francisco condena perseguição antigay e está preocupado com “cura gay”

    LER MAIS
  • Católicos e anglicanos - Trabalhar juntos para bem da humanidade, diz secretário do Vaticano

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

14 Março 2016

Se não houver alguma sinalização em direção aos “não mobilizados”, tende a ser mantida a passividade, exatamente, no seio da base social que apoiou Lula e Dilma na última década. E aí, o que prevalecerá é a mobilização da Avenida Paulista.

O comentário é de Vinicius Wu, ex-Secretário-Geral de Governo do Estado do Rio Grande do Sul, publicado por Portal Fórum, 14-03-2016.

Eis o texto.

Uma análise preliminar dos protestos:

1. Os protestos são expressivos, obviamente, e não devem ser minimizados de forma precipitada. Porem, não houve mudança no perfil social dos manifestantes. A base social do impeachment segue a mesma;

2. Tirando os trogloditas e os irracionais, a direita organizada tem consciência da necessidade de ampliar o espectro de apoio ao impeachment;

3. Os estrategistas da direita sabem que interromper a normalidade institucional apenas com base na mobilização da classe média é um risco.

4. Eles podem consumar o golpe mesmo assim? Podem! Mas ninguém garante estabilidade ao próximo governo nesses termos. Essa é a questão chave em relação aos protestos.

5. Todos sabemos que o impeachment não será decidido, somente, nas ruas. As ruas falam sobre sua legitimidade. E o perfil segue o mesmo de antes: é a classe média tradicional quem está indo às ruas. Diversas pesquisas foram realizadas a respeito do perfil dos manifestantes. Não é necessário reproduzi-las aqui.

6. Portanto, a grande questão não é saber se os protestos foram maiores ou menores hoje. A questão é se ampliaram socialmente. E isso não ocorreu;

7. O povo pobre segue assistindo pela TV. O problema é que não vamos mobiliza-los com a atual orientação de governo.

8. Lembremos da Venezuela. Chávez foi deposto e as favelas desceram em peso exigindo sua volta. Aqui não vai ocorrer isso… Por que o governo não deu motivos. Pelo menos, por enquanto.

9. Se não houver alguma sinalização em direção aos “não mobilizados”, tende a ser mantida a passividade, exatamente, no seio da base social que apoiou Lula e Dilma na última década. E aí, o que prevalecerá é a mobilização da Avenida Paulista. Mas, claro, nem tudo se resolve com base no humor e cores das rua.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Uma análise preliminar dos protestos - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV