FARC e governo colombiano concordam em estender prazo para finalizar acordo de paz

Revista ihu on-line

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Mais Lidos

  • Os bispos do Sínodo farão um novo “Pacto das Catacumbas” para a Amazônia

    LER MAIS
  • A ideologização da Sociologia (além de uma simples distração). Artigo de Carlos Gadea

    LER MAIS
  • Críticos não percebem a importância global do Sínodo da Amazônia, afirma Peter Hünermann

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

14 Março 2016

O negociador de paz das FARC (Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia), Joaquín Gómez, anunciou nesta quinta-feira (10/03) que o grupo deseja acertar um novo prazo com o governo colombiano para além da data-limite previamente estabelecida em 23 de março para firmar o acordo de paz que se encontra em negociação. Também o presidente do país, Juan Manuel Santos, havia declarado ontem que não firmaria “um mau acordo” apenas para cumprir o prazo.

A reportagem foi publicada por OperaMundi, 10-03-2016.

“Acreditamos que o presidente Santos agiu com objetividade e estamos de acordo com o que foi dito por ele, e pensamos que sim, depois do dia 23 [de março] pode haver um acordo”, disse Gómez em pronunciamento à imprensa. “Estamos de acordo que acertemos de modo consensual outro prazo”.

A declaração de Gómez foi feita em Havana, capital cubana, sede das negociações desde 2015. Segundo ele, “não há condições” de se finalizar o acordo em março. A data-limite, 23 de março, havia sido estabelecida em setembro do ano passado.

“Depois de tanto esforço, depois de tanto tempo, se não chegarmos a um bom acordo no dia 23, digo à outra parte ‘estipulemos outro prazo’, porque não vou cumprir uma data com um mau acordo”, declarou Santos na quarta-feira.

Há seis meses, o governo colombiano anunciou a ida de Santos a Cuba, onde se reuniu com o presidente de Cuba, Raúl Castro, e o líder das FARC, Timoleón Jiménez, conhecido como Timochenko. Desde então, representantes das duas partes negociam um acordo de paz para pôr fim ao conflito armado que já dura pelo menos três décadas na Colômbia.

Violência permanece

Segundo um relatório da organização humanitária CICV (Comitê Internacional da Cruz Vermelha) divulgado nesta quinta-feira (10/03), os níveis da violência na Colômbia permaneceram os mesmos em 2015, apesar das negociações de paz entre as FARC, principal grupo guerrilheiro do país, e o governo.

Segundo o Comitê, ameaças de morte, desaparecimentos e violência sexual foram as principais denúncias registradas entre as 812 possíveis violações de direitos humanos em 2015 na Colômbia. Cerca de 19 mil pessoas teriam sido vítimas dessas violações. O CICV ainda declarou que muitos colombianos não visualizam os avanços dos diálogos entre a FARC e o governo e que, mesmo com o acordo, haverá “muito a se fazer para aliviar o sofrimento das vítimas” do conflito, incluindo buscas por 79 mil pessoas que atualmente são consideradas como desaparecidas.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

FARC e governo colombiano concordam em estender prazo para finalizar acordo de paz - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV