Inspirado no Chile, manual orientou ocupação de escolas por alunos em SP

Revista ihu on-line

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Mais Lidos

  • “A Terra é um presente para descobrir que somos amados. É preciso pedir perdão à Terra”, escreve o Papa Francisco

    LER MAIS
  • “O que acumulamos e desperdiçamos é o pão dos pobres”, afirma o papa Francisco em carta à FAO

    LER MAIS
  • Desigualdade entre ricos e pobres é a mais alta registrada no Brasil

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

26 Novembro 2015

"1. Plano de Ação - O objetivo deste texto é explicar o plano de ação escolhido para a luta dos estudantes secundaristas da cidade. Nossa estratégia deve permitir vencer a luta por uma educação pública e de qualidade. As ocupações massivas de colégios são uma das ferramentas dentro dessa estratégia."

A reportagem é de Leandro Machado, publicada por Folha de S. Paulo, 25-11-2015.

Assim começa o manual "Como ocupar um colégio?", documento que orientou (e ainda orienta) estudantes paulistas a tomar, até esta terça-feira (24), ao menos 151 escolas da rede estadual. 

Foi no final de outubro que a cartilha começou a circular em grupos de WhatsApp compostos por estudantes que protestavam contra a reorganização dos ciclos de ensino anunciada pela gestão Geraldo Alckmin (PSDB).

O governo quer dividir parte das unidades por ciclos únicos (anos iniciais e finais do fundamental e o médio). Para isso, pretende transferir 300 mil alunos e fechar 92 colégios que ficariam sem estudantes com a mudança.

Esse manual é uma compilação de dicas de estudantes chilenos e argentinos sobre como entrar em um colégio público e nele permanecer, em forma de protesto.

O documento foi inspirado, principalmente, em movimento de secundaristas chilenos que ocuparam mais de 700 escolas em 2011, em protesto por passe livre e melhorias na educação pública. As ações ocorreram cinco anos após a chamada "revolta dos pinguins", referência ao uniforme das escolas do país.

Primeiro, diz o manual, os alunos devem fazer uma assembleia geral para organizar a entrada. "A assembleia é o órgão mais importante de uma ocupação", orienta a cartilha. Todas as decisões importantes devem ser tomadas em conjunto.

Depois, "o mais recomendável é que se nomeie comissões para cada tema e tarefa, como comida, segurança, imprensa, limpeza", diz o manual, na primeira parte.

Esses preceitos foram rigidamente seguidos nos dois primeiros colégios a serem tomados, a escola estadual Diadema (Grande SP) e a Fernão Dias Paes, em Pinheiros, zona oeste paulistana.

Alunos caminham pelas escolas usando plaquinhas penduradas no pescoço. Em uma delas, está escrito "porta-voz" –o responsável por falar com jornalistas.

A comissão da segurança, segundo o manual, é uma das mais importantes das ocupações escolares. Quem faz parte dela usa uma placa com a palavra "milico", uma ironia aos policiais militares.

"Durante todo o dia, deve haver três companheiros na entrada principal, que anotem em uma lista quem entra e sai e o horário. Depois, essa lista deve ser destruída."

Nas unidades de Diadema e de Pinheiros, a regra é seguida à risca -os alunos da portaria se comunicam por rádio com quem está dentro.

Outro preceito da cartilha é a publicidade. Faixas de protesto devem ser colocadas na frente do colégio. Também deve-se evitar o consumo de álcool e drogas

Organização

Até o fim de outubro, os protestos contra a medida de Alckmin estavam restritos a passeatas de rua, com carro de som e faixas. Eram organizados por pais, alunos e membros da Apeoesp, o sindicato dos professores.

Os manifestantes reclamavam da "falta de diálogo" com a secretaria, que não revogava a ação. O governo, por sua vez, sempre afirmou "estar aberto à discussão".

"A gente viu que os protestos não estavam dando certo. Resolvemos radicalizar", contou outra estudante do Fernão, em Pinheiros.

Alunos de escolas diferentes –e que se conheceram nas passeatas– criaram grupos de Whatsapp para discutir maneiras de tentar barrar a reorganização dos ciclos.

"Foi aí que surgiu esse manual num dos grupos", conta Fernanda Freitas, 17, aluna do 2º ano da escola estadual Diadema.

A adolescente chamou uma reunião com amigos para decidir se ocupariam ou não. "Era uma ideia louca? Sim. Era ilegal? Era. Era perigoso? Era. Mesmo assim, decidimos que sim", conta.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Inspirado no Chile, manual orientou ocupação de escolas por alunos em SP - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV