Questão de manutenção em Mariana

Revista ihu on-line

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Clarice Lispector. Uma literatura encravada na mística

Edição: 547

Leia mais

Mais Lidos

  • Pornô e sedução em contexto de vida religiosa

    LER MAIS
  • Padres da Caminhada & Padres contra o Fascismo emitem nota de solidariedade à Via Campesina, MST, Dom Orlando Brandes, CNBB e Papa Francisco

    LER MAIS
  • “Devemos conceber o catolicismo de outra maneira”. Entrevista com Anne-Marie Pelletier

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


23 Novembro 2015

O inacreditável crime ambiental, com perdas humanas e de patrimônio público e privado, resultado da ruptura da barragem de resíduos de Mariana, aconteceu apesar de existir legislação para garantir a segurança da população. Fruto da luta de segmentos da sociedade, inclusive o Clube de Engenharia, em 20 de setembro de 2010 foi aprovada a Lei 12.334 estabelecendo a Política Nacional de Segurança de Barragens. Tratava da acumulação de água para quaisquer usos e à disposição final ou temporária de resíduos industriais. Francis Bogossian, ex-presidente do Clube de Engenharia, protagonista neste processo, hoje constata que, apesar da lei, nada mudou e as empresas continuam a não cumprir exigências e obrigações.

A reportagem foi publicada por Portal Clube de Engenharia, 19-11-2015.

Em artigo publicado nesta quinta-feira, 19 de novembro, no jornal O Globo, Francis afirma: “Tais acidentes poderiam ser evitados com correta manutenção. Barragens não são estruturas convencionais como a maioria das obras civis. Exigem atenção permanente do proprietário, em função das mudanças contínuas nas solicitações a que são submetidas durante a vida útil. Este não é assunto para leigos. Só engenheiros especializados são capazes de avaliar as reações e o comportamento delas, de propor medidas preventivas e corretivas, além de acompanhar se tudo está compatível com o projeto”.

E conclui: “O Brasil precisa de uma lei de Responsabilidade Administrativa, com regras claras, para nos anteciparmos aos desastres previsíveis”.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Questão de manutenção em Mariana - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV