Amazônia: um lamento dos sem-árvore

Revista ihu on-line

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Do ethos ao business em tempos de “Future-se”

Edição: 539

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Do ethos ao business em tempos de “Future-se”

Edição: 539

Leia mais

Do ethos ao business em tempos de “Future-se”

Edição: 539

Leia mais

Do ethos ao business em tempos de “Future-se”

Edição: 539

Leia mais

Do ethos ao business em tempos de “Future-se”

Edição: 539

Leia mais

Do ethos ao business em tempos de “Future-se”

Edição: 539

Leia mais

Do ethos ao business em tempos de “Future-se”

Edição: 539

Leia mais

Do ethos ao business em tempos de “Future-se”

Edição: 539

Leia mais

Do ethos ao business em tempos de “Future-se”

Edição: 539

Leia mais

Do ethos ao business em tempos de “Future-se”

Edição: 539

Leia mais

Do ethos ao business em tempos de “Future-se”

Edição: 539

Leia mais

Do ethos ao business em tempos de “Future-se”

Edição: 539

Leia mais

Do ethos ao business em tempos de “Future-se”

Edição: 539

Leia mais

Do ethos ao business em tempos de “Future-se”

Edição: 539

Leia mais

Do ethos ao business em tempos de “Future-se”

Edição: 539

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Do ethos ao business em tempos de “Future-se”

Edição: 539

Leia mais

Do ethos ao business em tempos de “Future-se”

Edição: 539

Leia mais

Do ethos ao business em tempos de “Future-se”

Edição: 539

Leia mais

Do ethos ao business em tempos de “Future-se”

Edição: 539

Leia mais

Do ethos ao business em tempos de “Future-se”

Edição: 539

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Do ethos ao business em tempos de “Future-se”

Edição: 539

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Do ethos ao business em tempos de “Future-se”

Edição: 539

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Do ethos ao business em tempos de “Future-se”

Edição: 539

Leia mais

Do ethos ao business em tempos de “Future-se”

Edição: 539

Leia mais

Do ethos ao business em tempos de “Future-se”

Edição: 539

Leia mais

Do ethos ao business em tempos de “Future-se”

Edição: 539

Leia mais

Mais Lidos

  • Líder indígena diz que “o Irmão Francisco” está arriscando sua vida pela Amazônia

    LER MAIS
  • O agrotóxico que matou 50 milhões de abelhas em Santa Catarina em um só mês

    LER MAIS
  • “Estamos diante de uma crise do modelo de civilização”. Entrevista com Donna Haraway

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

05 Outubro 2015

"A existência de um período proibitivo de queimadas e incêndios na Amazônia, nesta fase de seca e estiagem, que se estende desde julho, não é suficiente para coibir atos criminosos ou, no mínimo, negligentes como estes. Um estado também de impunidade, em muitos casos, gera um lamento dos sem-árvore, que na verdade somos todos nós, em vários pontos do bioma. Ao mesmo tempo, a retaguarda de proteção e combate a essas queimadas é pequena, com poucos recursos humanos e materiais, com uma externalidade importante: dificuldade logística em vários trechos", escreve Sucena Shkrada Resk, jornalista, em artigo publicado por EcoDebate, 02-10-2015.

Eis o artigo.

Onde estão os anus-pretos, que faziam as travessias aéreas sobre as estradas de terras e a vegetação? E os casais de araras-vermelhas que passeavam sob o céu azul, seguindo a caminho da floresta com suas árvores e copas densas? Agora, nem flagrar um tatu está sendo mais possível, que sorrateiro passava sob as folhagens. O que dirá das onças-pintadas que fazem parte da fauna já ameaçada da região? A fumaça toma conta do céu. O cinza e o preto do carvão se encravam em extensas áreas de pastagem, que já estavam desprotegidas, e de floresta amazônica.

Exemplares queimados ou transformados em pequenos tocos revelam um descaso com a manutenção dos serviços ecossistêmicos, que funcionam como uma engrenagem perfeita da vida. Essas imagens ficam gravadas na retina e na memória.

A existência de um período proibitivo de queimadas e incêndios na Amazônia, nesta fase de seca e estiagem, que se estende desde julho, não é suficiente para coibir atos criminosos ou, no mínimo, negligentes como estes. Um estado também de impunidade, em muitos casos, gera um lamento dos sem-árvore, que na verdade somos todos nós, em vários pontos do bioma. Ao mesmo tempo, a retaguarda de proteção e combate a essas queimadas é pequena, com poucos recursos humanos e materiais, com uma externalidade importante: dificuldade logística em vários trechos.

Florestas ricas em babaçus, cacau, castanheiras, cupuaçus, ipês, jatobás, paineiras e as mais diferentes espécies sucumbem sob o desmatamento predominantemente intencional. Esses exemplares levaram décadas e até centenas de anos para chegarem à fase atual e em poucas horas são dizimados. Quando observamos árvores de até 50 metros se transformarem em carvão, a sensação de tristeza se apodera da gente. Os polinizadores consequentemente desaparecem e o tempo de recuperação se torna mais lento. De um dia para o outro, tudo vai ao chão. Os corpos d`água do entorno se transformam praticamente em frágeis fios d´água. O desequilíbrio da temperatura vai ocorrendo gradativamente.

Pequenas lavouras de subsistência também sucumbem sob as chamas sem fronteiras. Famílias convivem com este medo e perigo constantemente. O cenário que se desenha lembra um contexto de guerra em que o que resta nos morros e planícies são escombros. O viço da vida se perde neste emaranhado dantesco. Tudo isso não é fruto da imaginação ou de roteiro ficcional, é algo real!

Quando vimos estas situações mais de perto, no meu caso, atualmente no noroeste mato-grossense, percebemos que as estatísticas e as imagens de satélites só dão o indício de algo muito mais complexo e que não pode ser banalizado. A devastação começa bem antes, com pastagens enormes em que os cupinzeiros tentam recuperar a qualidade do solo já empobrecido pela derrubada da cobertura florestal. Nem os topos de morros são poupados, nesta visão equivocada de desenvolvimento econômico. Apesar de a natureza ter uma capacidade de resiliência inacreditável, as perdas de vidas de fauna e flora e o comprometimento da saúde humana, inclusive, de segurança alimentar, são enormes. Tudo leva tempo para se recuperar e será que temos tempo a perder?

No Dia da Árvore, lembrar desta realidade é necessário. Afinal, esse estado de coisas tem um único autor, vítima e responsável pela recuperação: o ser humano. Aí está a grande carga sobre todos nós direta ou indiretamente, na figura da sociedade, da gestão pública, do empresariado, do terceiro setor, ou seja, na engrenagem da cadeia florestal.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Amazônia: um lamento dos sem-árvore - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV