Litros de água por um smartphone

Revista ihu on-line

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Clarice Lispector. Uma literatura encravada na mística

Edição: 547

Leia mais

Mais Lidos

  • Biden e o Papa – a lista negra da Igreja nos Estados Unidos e o futuro do catolicismo. Artigo de Massimo Faggioli

    LER MAIS
  • O declínio da Teologia da Libertação: uma releitura de 'O novo rosto do clero' de Agenor Brighenti

    LER MAIS
  • Liturgia e sinodalidade. Questões-chave

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


22 Mai 2015

Os smartphones proporcionaram mudanças significativas na vida das pessoas, mas poucos percebem o impacto de sua produção no meio ambiente. A extração de materiais da terra e o processo de fabricação de um smartphone resultam em uma significativa pegada ecológica, revelou uma pesquisa da Trucost, feita a pedido da Friends of the Earth, aliança internacional de organizações em prol do meio ambiente.

A reportagem foi publicada por Akatu e reproduzida por Envolverde, 20-05-2015.

Um único smartphone genérico consome em sua produção 12.760 litros de água e 18 metros quadrados de solo, segundo o relatório Mind your Step, que calcula a pegada ecológica de produtos como botas de couro, café, camisetas e chocolate. O levantamento da Trucost levou em conta os smartphones dos 10 maiores fabricantes mundiais.

A fase final de fabricação e montagem do smartphone é responsável por 40% dos gastos de água do processo. A obtenção de materiais brutos consome outros 40% de água utilizada na produção de um smartphone, enquanto 14% são consumidos na fabricação de componentes eletrônicos que serão utilizados no smartphone.

A demanda por terra na cadeia produtiva de um smartphone vem principalmente da produção de materiais para embalagem (55% do uso da terra), enquanto a extração de material bruto demanda 39% do uso de terra e a mineração consome 5% do uso da terra na fabricação de smartphones.

Além de água e terra, a fabricação de um smartphone exige a extração dos chamados elementos de terras raras, usados para produzir bateriais, lâmpadas LED, placas de circuito eletrônico e telas de vidro. A China domina o mercado desses elementos, que no processo de extração têm um forte impacto no meio ambiente. A mineração dos elementos de terra rara gera resíduos como arsênio, bário, cádmio, chumbo, fluoretos e sulfatos, o que resulta em 75 mil litros de água ácida e gases tóxicos.

A produção de smartphones também tem impacto na vida trabalhadores. Uma investigação do Friends of the Earth revelou que muitos trabalhadores morrem ou são feridos nas minas da Ilha de Bangka, na Indonésia, de onde vem um terço do estanho no mundo. O estanho é uma componente chave na fabricação de smartphones. A mineração de estanho está devastando as florestas locais, contaminando a água e o solo, além de danificar os recifes de corais.

Acesse aqui o relatório Mind your Step, que mostra a pegada ecológica de smartphones e outros produtos.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Litros de água por um smartphone - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV