O hábito faz a crise

Revista ihu on-line

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Mais Lidos

  • "É hora de reaprender a arte de sonhar com os xamãs nativos"

    LER MAIS
  • Uma visão do suicídio no Brasil em resposta à outra visão apresentada

    LER MAIS
  • “É triste ver cristãos acomodados na poltrona”. O alerta do papa Francisco contra a acídia

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Por: Cesar Sanson | 23 Janeiro 2015

“O consumo de água não para de crescer no Brasil. A média em 2013 foi de 166,3 litros por habitante a cada dia. A recomendação da Organização Mundial de Saúde é 110 litros por habitante/dia”.  O comentário é de Paula Cesarino Costa, jornalista, em artigo publicado no jornal  Folha de S.Paulo, 22-01-2014.

Eis o artigo.

"Cada vez que eu abro a torneira ou uso a descarga, na minha casa ou no trabalho, me vem à mente uma represa com seu nível caindo pouco a pouco."

A crise de consciência acima foi admitida pelo presidente do Bradesco, Luiz Carlos Trabuco, em entrevista ao "Valor". Trabuco rejeitou o convite para ser ministro da Fazenda para não se afogar nos números ruins da economia, mas, vivendo em São Paulo, sofre com o cotidiano da maior crise hídrica de todos os tempos.

O consumo de água não para de crescer no Brasil. A média em 2013 foi de 166,3 litros por habitante a cada dia. A recomendação da Organização Mundial de Saúde é 110 litros por habitante/dia. No Rio, o índice é escandalosamente maior: 253 litros por habitante/dia. Só o calor explica?

Neste verão de recordes, quantos banhos você toma por dia? Desliga a água enquanto escova os dentes ou lava o cabelo? Se o desperdício de cada um é grande, imagine o público.

Quantas ruas estão vertendo água por vazamento na rede? O país perde 37% da água tratada.  Uma crise constrói outra. De 2000 até 2013, o consumo de energia cresceu 51%. Só houve queda em 2001, ano do racionamento, e em 2009, com a crise econômica mundial.

Já buscou saber quanta energia consomem os aparelhos eletrônicos mantidos em stand-by o tempo todo? É preciso deixar o celular carregando por toda a noite ou basta meia hora? Quantas vezes já viu um prédio com luzes acesas e ninguém dentro?

Os governos menosprezam o tema. Não se ouve falar de políticas consistentes de redução desses desperdícios e de conscientização. As críticas estridentes e necessárias vão para falta de planejamento, falta de investimento e falta de gerência.

Mas refletir sobre os hábitos é uma forma de exercer consumo consciente. Toda mudança começa ao redor de quem as deseja. Quase ninguém é monge, mas o hábito faz a crise.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

O hábito faz a crise - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV