Uma passagem para três: o rabino, o imã e o Papa

Revista ihu on-line

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Mais Lidos

  • O Papa doa aos pobres um prédio de luxo a poucos passos de São Pedro

    LER MAIS
  • Arautos do Evangelho. Vaticano retoma a intervenção

    LER MAIS
  • Diálogo de surdos: Esquerda e direita falam só para bolhas de convertidos

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

Por: André | 26 Maio 2014

Um judeu e um muçulmano no séquito oficial de Francisco na Terra Santa. Mas, nem tudo vai bem nas relações com o judaísmo e o islamismo. A estratégia de Bergoglio: “acariciar os conflitos”.

 
Fonte: http://bit.ly/1gpYoek  

A reportagem é de Sandro Magister e publicada no sítio italiano Chiesa, 23-05-2014. A tradução e de André Langer.

Os imprevistos não são algo novo para Jorge Mario Bergoglio quando aterrissa na Terra Santa, pois a primeira e única vez em que esteve ali, em outubro de 1973, encontrou-se com a guerra do Kippur e pouco ou quase nada pôde visitar.

Agora retorna como Papa em uma viagem relâmpago de apenas três dias, de sábado, 24, até segunda-feira, 26 de maio, mas o programa é bem apertado e inclui uma grande novidade já antes da partida: Francisco quis que fizessem parte do seu séquito oficial um judeu e um muçulmano, Abraham Skorka e Omar Abboud, dois amigos seus argentinos.

O rabino Skorka lançou a notícia de que em Jerusalém, no muro do Templo, ele e o Papa farão um gesto que entrará para a história. Se abraçarão e rezarão juntos, com a seguinte profecia de Isaías como inspiração: “Bendito seja meu povo Egito, a obra das minhas mãos Asur, e minha herança Israel”. Uma música de paz para essa martirizada região e para os dois povos do Antigo Testamento e do Novo Testamento.

A forte amizade entre um Papa e um judeu não é uma novidade. Até mesmo o intransigente Pio X tinha como amigo o judeu Moisé Jacur, proprietário de terrenos na zona do baixo Vêneto. O rabino chefe de Roma, Israel Zoller, admirava muitíssimo o discutido Pio XII, até o ponto que ao final se converteu e tomou o nome de batismo do Papa, Eugênio.

Mas, há muitos judeus e nem todos sentem pelo atual Papa o mesmo entusiasmo que o rabino Skorka.

Muitos judeus, por exemplo, não gostaram do fato de que Bergoglio os tenha chamado novamente de “irmãos maiores”, como fez primeiramente o Papa Karol Wojtyla.

Bento XVI, também ele amigo de um grande estudioso judeu, o estadunidense Jacob Neusner, havia indicado onde estava o perigo: na tradição hebraica, o “irmão maior”, isto é, Esaú, é aquele que é degradado e suplantado pelo irmão menor, Jacó, em cujo lugar se colocaria hoje a Igreja.

O Papa Bento preferia chamar os hebreus de “nossos pais na fé”.

* * *

Também com o islamismo Francisco tem uma relação feita de luzes e sombras.

A primeira etapa da viagem será a Jordânia, cuja casa real deu impulso há sete anos à carta assinada por 138 sábios muçulmanos em resposta ao memorável discurso de Bento XVI em Regensburg que marca, ainda hoje, o ponto mais alto no diálogo entre cristãos e muçulmanos.

Mas, não longe de Amã e do rio Jordão, no qual foi batizado Jesus, estão a Síria, o Egito e o Iraque, essa mítica “fértil meia lua” que hoje é palco de um choque fratricida entre o islã xiita e sunita, entre o Irã e os reinos do Golfo, com os cristãos vítimas de uns e outros e obrigados a um êxodo desesperado dessas terras que, nos primeiros séculos da Igreja, eram todas rigorosamente cristãs.

Mais longe está a África, onde também ali os cristãos são objeto de ataques sistemáticos não apenas por parte de grupos fanáticos muçulmanos como o Boko Haram na Nigéria, mas também de Estados como o Sudão, que dão força de lei aos preceitos mais violentos do próprio Corão.

Quem esperava que o Papa Francisco levantasse a voz imediata e vigorosamente contra o sequestro de centenas de jovens por parte do Boko Haram e contra a condenação da morte no Sudão de uma jovem mãe de nome Meriam, grávida de oito meses, culpada apenas de ser cristã – dois fatos que levantaram enormes protestos em todo o mundo –, ficou decepcionado.

Bergoglio é muito cauto na hora de se pronunciar sobre este terreno explosivo. Não apenas por uma prudência cujo objetivo é não agravar ainda mais a situação de comunidades cristãs que já estão em perigo extremo, mas precisamente por sua visão de diálogo entre o islã e o cristianismo como busca do que une em vez de juízo sobre o que divide. O rabino Skorka disse que o teria ouvido dizer que “temos que acariciar os conflitos”.

 Na Evangelii Gaudium, o manifesto programático de seu Pontificado, Francisco reclamou para os países muçulmanos essa liberdade de culto de que gozam os crentes no islamismo nos países ocidentais.

Mas, o jesuíta egípcio Samir Khalil Samir – islamólogo que durante o pontificado de Bento XVI era um dos mais ouvidos pelas autoridades vaticanas e pelo próprio Papa – objetou o fato de que tenha permanecido calado sobre essa privação da liberdade de converter-se de uma religião a outra, verdadeiro ponto dolorido do mundo muçulmano.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Uma passagem para três: o rabino, o imã e o Papa - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV