Na SAP, estratégia é usar a nuvem para ficar mais simples

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • Francisco denuncia: “Ouvimos mais as empresas multinacionais do que os movimentos sociais. Falando claramente, ouvimos mais os poderosos do que os fracos e este não é o caminho”

    LER MAIS
  • Prefeito da Doutrina da Fé pede para que padre irlandês, defensor da ordenação de mulheres, faça os juramentos de fidelidade aos ensinamentos da Igreja

    LER MAIS
  • Fogo no Pantanal mato-grossense começou em fazendas de pecuaristas que fornecem para gigantes do agronegócio

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


29 Janeiro 2014

Listar as tarefas do presidente de uma grande companhia costuma render uma extensa relação de obrigações, especialmente na área de tecnologia da informação (TI), que guarda muitas peculiaridades e exige conhecimento técnico. No caso de Cristina Palmaka, porém, todos esses tópicos poderiam ser resumidos em um único ponto: simplificar a SAP.

A reportagem é de João Luiz Rosa, publicada pelo jornal Valor, 28-01-2014.

A companhia alemã - maior fornecedora de software da Europa e uma das maiores do mundo em programas de gestão empresarial - encerrou o ano com um crescimento de 33% na receita obtida com novos contratos no Brasil, informou a empresa ao Valor. O resultado, bem superior aos 11% obtidos no mundo no mesmo período, foi tão positivo que transformou o país no terceiro mercado para a SAP em novas vendas de software, atrás apenas dos Estados Unidos e da Alemanha.

O desempenho mais surpreendente foi no segmento de pequenas e médias empresas. Nessa categoria, a receita com novas vendas (para clientes existentes ou recém-conquistados) aumentou quase 70%, informou Cristina.

O salto indica que há muitas oportunidades na área, mas também mostra como se tornou urgente para a SAP acelerar os esforços para simplificar seus programas e, dessa forma, ampliar as chances de obter um pedaço maior do cobiçado mercado de pequenas e médias empresas.

No Brasil, a SAP lidera com folga o segmento de grandes clientes (mais de 600 licenças), com uma participação de 51%, segundo pesquisa da Fundação Getúlio Vargas (FGV/SP). Na área de pequenos negócios (até 160 licenças), no entanto, a fatia é de 8%, bem atrás dos 52% da brasileira Totvs, que lidera a área. No segmento médio (160 a 600 licenças), a SAP tem 21% enquanto a líder Totvs detém 40%.

Para avançar, a SAP precisa desfazer a ideia de que seus produtos são complexos e caros demais para empresas menores, um esforço que ficou mais forte no ano passado, quando a companhia lançou no país uma versão do pacote Business One, destinado a pequenas e médias empresas, sob o modelo da nuvem computacional. Com a nuvem, em vez de comprar uma licença do software e instalar o programa no computador do usuário, o cliente faz o acesso via internet e paga mensalmente pelo serviço, como se fosse uma conta de água ou luz. A instalação fica mais simples, e o custo, bem mais baixo.

"Se antes a instalação do Business One podia demorar de dois a três meses, [com a nuvem] isso ocorre em semanas e até dias", disse Diego Dzodan, que comanda a região Sul da América Latina na SAP, com supervisão sobre sete países, inclusive o Brasil. "No país, tivemos casos de projetos entregues em nove dias e, embora essa não seja a média, houve uma implantação que durou dois dias. Desse jeito, até uma padaria pode adotar o programa", afirmou.

Implantar o projeto no prazo previsto é essencial para as empresas menores, que em geral dispõem de poucos recursos profissionais e financeiros para aplicar na área de tecnologia. "Foi a capacidade de entrega o motor do crescimento de 70% que tivemos no país", disse Cristina.

A possibilidade de atrasar um projeto, porém, não é um risco exclusivo dos pequenos negócios. Ao contrário, quanto maior o cliente, mais crítico é o perigo de ficar com um sistema fora do ar em meio a uma mudança tecnológica. Esse é o pesadelo de qualquer diretor de tecnologia.

Com a nuvem, a expectativa é reduzir as preocupações em projetos de qualquer tamanho. Nos últimos anos, a SAP comprou empresas em áreas consideradas estratégicas, passando a oferecer as tecnologias adquiridas sob a nuvem, independentemente da dimensão do cliente. A SAP adquiriu a SuccessFactors, de software para recursos humanos, e a Ariba, de automatização dos processos de compras.

Em outra área considerada essencial, a de relacionamento com os clientes, investiu em tecnologia própria, levando tudo para a internet na forma de serviço. "Com a nuvem tiramos a complexidade [do negócio]", disse Cristina.

A executiva é a quarta presidente da SAP no Brasil desde meados de 2007. Ela substituiu Dzodan, que assumiu o cargo regional para o Sul da América Latina, criado no ano passado. Cristina ocupou cargos importantes na Hewlett-Packard (HP) e na Microsoft, e chegou a integrar a equipe da SAP.

Entre 2009 e 2010 foi vice-presidente de vendas para pequenas e médias empresas, exatamente um das áreas prioritárias com a migração para a nuvem.

Desde que assumiu o comando da SAP, em outubro do ano passado, Cristina criou uma vice-presidência específica para cuidar da expansão geográfica no Brasil, outra providência para atingir clientes menores em regiões menos maduras. Essa será uma prioridade para 2014. Com a nuvem, a executiva também está dando atenção especial à rede de 230 parceiros de vendas para saber se o modelo não vai exigir novas habilidades dos parceiros atuais ou estabelecer mais alianças.

A nuvem, porém, também representa um desafio. Para fazer com que as informações sejam acessadas sem problemas, é preciso investir fortemente em infraestrutura para garantir o funcionamento das conexões e a segurança dos dados. Além disso, há um impacto no caixa. O pagamento da licença anual desaparece, substituído por quantias mensais menores.

Em meados do mês, ao divulgar seus resultados financeiros globais, a SAP manteve a meta de obter € 2 bilhões em receita com a nuvem em 2015, mas advertiu que a rentabilidade prevista vai demorar mais para ser alcançada por causa dos investimentos necessários pela nuvem. No ano passado, a receita global da SAP com aplicativos na nuvem foi de € 787 milhões, uma parcela dos € 3 bilhões a € 3,5 bilhões previstos para 2017.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Na SAP, estratégia é usar a nuvem para ficar mais simples - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV