“A comunhão aos divorciados deve ser enfrentada com um novo enfoque”. Entrevista com Lorenzo Baldisseri

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • A barbárie com rosto humano. Artigo de Slavoj Zizek

    LER MAIS
  • A vida após a emergência do vírus não será a mesma de antes: como mudarão as lojas, escolas, viagens, restaurantes

    LER MAIS
  • ‘Após o coronavírus, o mundo não voltará a ser o que era’

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Por: André | 02 Dezembro 2013

“A questão dos sacramentos aos divorciados recasados deve ser enfrentada com um novo enfoque”. O arcebispo Lorenzo Baldisseri (na foto) é o secretário-geral do Sínodo dos Bispos. Toscano, de 1940, foi durante quase quatro décadas diplomata do Vaticano e desde o final de setembro ocupa-se em rejuvenescer o instituto do Sínodo, que discutirá (em dois encontros: 2014 e 2015) o tema da família, depois da difusão capilar de um questionário a este respeito.

 
Fonte: http://bit.ly/1cbUgcW  

A entrevista é de Andrea Tornielli e publicada no sítio Vatican Insider, 29-11-2013. A tradução é de André Langer.

Eis a entrevista.

Francisco, na Evangelii Gaudium não cita explicitamente o tema dos sacramentos aos divorciados recasados. Mas escreve que a eucaristia “não é um prêmio para os perfeitos, mas um generoso remédio e um alimento para os fracos”. Como se deve interpretar estas palavras?

É preciso destacar também a frase seguinte: “Estas convicções têm também consequências pastorais, que somos chamados a considerar com prudência e audácia”. O Papa relaciona estes dois elementos. Significa que quer que estes problemas sejam estudados com prudência e, portanto, com atenção à doutrina. Mas também com audácia, o que para mim equivale a dizer “sem medo”, tomando em consideração as situações concretas das pessoas.

Então, as coisas irão mudar?

O magistério não está engessado; é a doutrina acompanhando o povo. Há um constante aprofundamento e há aplicações para casos diferentes. A Igreja deve saber encontrar a aplicação da doutrina no caso concreto das pessoas. Este enfoque ao deve fazer supor imediatamente conclusões gerais, normas para todos. Devemos partir dos casos concretos. E dali se pode inclusive desenvolver uma nova maneira de considerar a doutrina. No fundo, nem sequer com as declarações de nulidade matrimonial interviemos caso a caso. A pastoral é isto, não é um esquema.

É correto deduzir que o tema dos sacramentos aos divorciados recasados permanece aberto?

Se foi incluído na lista do Questionário, quer dizer que se pretende enfrentá-lo. A abertura, e se quer falar a respeito sem tabus, do contrário não teria sido citado. Isto me parece evidente.

Na entrevista durante o voo de volta do Rio de Janeiro, Bergoglio, a respeito, recordou – sem tomar nenhuma posição – a via ortodoxa, que prevê em certos casos a bênção de uma segunda união.

A experiência da Igreja ortodoxa pode ser de ajuda para nós, não apenas no tocante à sinodalidade e à colegialidade, mas também no caso do que estamos falando, para iluminar o caminho. Mas agora não é o momento de discutir qual é a melhor solução; são temas que serão enfrentados no Sínodo. Estamos começando a falar disso, de uma forma nova em relação ao passado, pedindo informações e reflexões às bases, às dioceses e às paróquias, e isto nos ajudará muito, além da experiência de outras Igrejas, como as orientais. Como você recordou, inclusive o Papa referiu-se a essa prática ortodoxa.

O questionário enviado é uma pesquisa?

Não, não é e é preciso insistir nisso. Não é uma pesquisa, como se concebe a pesquisa atualmente, e muito menos um referendo. É a vontade de conhecer diretamente qual é a experiência das pessoas, não apenas de maneira individual, mas também em grupo, para reunir dados estatísticos, reflexões, elaborações. Assim, os bispos do Sínodo saberão qual é a situação sem ter que recorrer a livros ou estudos sociológicos. Nosso questionário é muito mais que um estudo sociológico. É uma reflexão eclesial e espiritual. E as perguntas são abertas.

Poderia explicar quais são as novidades deste Sínodo em duas etapas, com duas reuniões sobre o mesmo tema?

É uma novidade que responde à nova dinâmica indicada pelo Papa e que, em certo sentido, inspira-se na dinâmica conciliar. Francisco quer um Sínodo dinâmico e permanente, não como organismo estruturado, mas como ação, como osmose entre o centro e a periferia. E o quer aberto a todos os temas, para acolher as sugestões que vierem das Igrejas locais. O conselho de secretaria, composto atualmente por 15 pessoas, será muito mais importante, e isto também quer dizer que o Papa terá a possibilidade de consultar um conselho permanente para o seu governo.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

“A comunhão aos divorciados deve ser enfrentada com um novo enfoque”. Entrevista com Lorenzo Baldisseri - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV