Em Roma, o império imobiliário da Propaganda Fidei é de 2 bilhões de euros

Revista ihu on-line

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Mais Lidos

  • Padres despedaçados. Artigo de Pietro Parolin

    LER MAIS
  • Na igreja do Papa Francisco, os movimentos estão parando

    LER MAIS
  • Abusos, sínodo e a falsa prudência

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


14 Novembro 2013

Você precisa de um box de garagem no centro de Roma? A Propaganda Fide resolve. O box não é suficiente para você, mas você também quer um apartamento, sempre entre a Piazza di Spagna, a Piazza Navona ou a Via Margutta? Mesma história: a Propaganda Fide resolve. Período de crise, você quer mudar de vida e ter à disposição uma metragem importante para alugar para oferecer suítes de luxo? A resposta não muda.

A reportagem é de Alessandro Ferrucci e Carlo Tecce, publicada no jornal Il Fatto Quotidiano, 13-11-2013. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

Basta caminhar pelas ruas da capital italiana, olhar para os interfones, talvez levantar o olhar para o número civil, depois elevar o olhar ainda mais para apreciar o edifício, quase sempre antigo, de prestígio. É fácil descobrir um terraço ou um mezanino de posse da Sagrada Congregação que utiliza 50 nomenclaturas sociais e um único código fiscal (embora não pague o imposto sobre imóveis): somente em Roma, a Propaganda Fide possui nada menos do que 725 imóveis. Isso significa 62 palácios inteiros, do porão ao sótão, representando um valor comercial de 2 bilhões de euros.

E depois há terrenos agrícolas ou de construção ao redor do RaccordoAnulare, de Pomezia a Castel Gandolfo, e ainda mais ao sul a Nápoles ou Trapani, e no centro, em Perugia. Como isso funciona? "Uma boa forma para ter nas mãos uma fatia de poder romano", conta-nos um infiltrado do grupo, rigorosamente anônimo, assim como assustado ao tratar de certos assuntos. "Dentro deles, habitam personagens famosos, da política, do espetáculo, administradores de primeiro nível, ou estrelas da televisão. Mas também pessoas desconhecidas, aparentemente, mas que faz parte de um círculo de interesses".

Nesses anos, alguns nomes vieram à tona: de Bruno Vespa ao estilista Valentino; do showroom da L'Oreal à associação próxima de Irene Pivetti e Santo Versace. Também foram indicados Augusto Minzolini, Vito Riggio (presidente da Entidade Nacional para a Aviação Civil italiana), Giancarlo Innocenzi, ex-membro da Agcom e o ex-contador-geral do Estado, Andrea Monorchio.

Obviamente, os imóveis não foram atribuídos gratuitamente; há um preço de aluguel, tratado ad personam, "mas mesmo assim facilitado – continua o infiltrado –, seguramente inferior aos preços de mercado para imóveis que se encontram em lugares de prestígio".

Até 2010, muitas das celebridades do momento se confiavam a Angelo Balducci, gentil-homem do papa e principalmente consultor leigo para a Congregação para a Evangelização dos Povos; depois, preso na investigação sobre os Grandes Eventos, como o G8 de L'Aquila: justamente a Balducci o cardeal Sepe tinha dado o encargo de gerir parte do vasto império imobiliário.

E não falamos apenas da Piazza Navona: também da Via dei Coronari, Via Liberiana, Via Paolina, Via della Volpe, todas locações onde, geralmente, as agências imobiliárias colocam o cartaz de "negociação privada" quando têm a sorte de gerir uma estrutura desse tipo. "Aqui, os preços começam em 10 mil euros por metro quadrado, dependendo do andar, se o imóvel foi reformado e se tem um terraço", explica Antonio, proprietário de uma agência. "Feliz daquele que põe a mão em um deles! Imagine quanto vale tudo...".

A resposta existe, dentro e fora dos muros de São Pedro, incluindo os terrenos: o patrimônio estimado é de 9 bilhões de euros, recolhidos em anos, décadas, graças a palácios muitas vezes deixados de herança por fiéis mais ou menos ricos e que deviam ser distribuídos aos pobres. Porque a Propaganda Fide, agora dirigida pelo cardeal Filoni, deveria desenvolver uma atividade missionária: dirigir e coordenar a obra de evangelização dos povos.

Ao contrário, todos os dias descobrem-se novos imóveis, novas salas atribuídas a pessoas privadas ou a sociedades envolvidas na organização de hotéis de luxo, com suítes a um preço hipercompetitivo. Justamente nessa terça-feira, o jornal Il Fatto Quotidiano contou sobre a Via Zanardelli 23, atrás da Piazza Navona, com o terceiro e o quarto andares geridos pela Burcardo, onde estuques, sofás de couro falso, baldaquinos e um terraço com vista para os telhados de Roma oferecem o luxo aos turistas a um preço competitivo.

Mas, em breve, está prevista a inauguração de uma nova atividade comercial, na Via Liberiana, entre a Basílica de Santa Maria Maior e a Via Cavour. Recém-eleito pontífice, Francisco foi rezar na basílica papal, para agradecer a Nossa Senhora, para mudar o Vaticano.

O papa nunca perde uma oportunidade para protestar contra a corrupção pública e os cristãos ou padres de vida dupla: no entanto, enquanto ele pede para sermos mais justos, a Propaganda Fide inaugura um novo hotel de alto padrão.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Em Roma, o império imobiliário da Propaganda Fidei é de 2 bilhões de euros - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV