Medicina personalizada pode mudar o Brasil

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • Propor vacinação só em março e alcançar no máximo 1/3 da população em 2021 é um crime

    LER MAIS
  • Papa Francisco desafia a esquerda católica

    LER MAIS
  • O cálculo político de Ciro Gomes

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


25 Abril 2013

"No Brasil, uma agenda para implementar a medicina personalizada no SUS poderá ser uma alavanca de transformação e a oportunidade de o País participar ativamente da inovação e geração de riquezas nessa área estratégica global", escreve José Eduardo Krieger, professor de genética e medicina molecular do Incor da Faculdade de Medicina da USP e presidente da Academia de Ciências do Estado de São Paulo, em artigo publicado no jornal O Estado de S. Paulo, 25-04-2013.

Eis o artigo.

O sucesso da pesquisa biomédica é quase sempre associado à soma dos esforços de milhares de pesquisadores que trabalham individualmente ou em pequenos grupos. Mas isso mudou desde a descoberta da estrutura do material genético, o DNA, em meados dos anos 1950. Novos desafios foram concebidos e, no fim dos anos 1980, o aparentemente impossível foi proposto: desvendar a estrutura física do código genético humano, composto por 3 bilhões de bases armazenadas em 23 pares de cromossomos em cada uma de nossas células. Feito.

O veredicto sobre a era pós-genômica não é consensual. A medicina personalizada vem se desenvolvendo e sua importância está na viabilização do tratamento certo para o paciente certo, na hora certa e no fato de se tornar a alavanca de transformação do sistema de saúde.

A expectativa é de que a prática médica nessa era se caracterize por maior eficiência e precisão, com a identificação de indivíduos suscetíveis na população e o estabelecimento de plataformas não medicamentosas e ações que visem à promoção da saúde. Mas há desafios. Antecipar ou prever doenças sem sintomas requer treinamento dos profissionais e novas diretrizes de conduta médica.

A tecnologia de informação em saúde contribuiu para melhorar a eficiência do processo e reduzir erros médicos e custos. Na medicina personalizada, essa tecnologia será essencial para que os sistemas compartilhem e analisem dados genéticos e resultados clínicos de maneira integrada e em tempo hábil. Mas os dados demandam infraestrutura de tecnologia que hoje não existe ou é insuficiente.

No Brasil, uma agenda para implementar a medicina personalizada no SUS poderá ser uma alavanca de transformação e a oportunidade de o País participar ativamente da inovação e geração de riquezas nessa área estratégica global.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Medicina personalizada pode mudar o Brasil - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV