Eleitor de Dilma foi indiferente à corrupção

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • Francisco protagoniza uma impactante oração pelo fim da pandemia em uma vazia e chuvosa praça São Pedro

    LER MAIS
  • IHU para a quarentena. O Indivíduo e a Sociedade em introspecção

    LER MAIS
  • Vaticano, um segundo infectado em Santa Marta. Papa: “Não vou me mudar”

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


28 Outubro 2011

A tão falada "nova classe média", que ascendeu socialmente durante os dois mandatos de governo do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, de fato recompensou o PT nas eleições do ano passado pelas políticas públicas feitas em seu benefício, mas ser intolerante em relação à corrupção em nada influenciou o voto na presidente Dilma Rousseff.

Um estudo realizado pelos cientistas políticos Vitor Peixoto, da Universidade Estadual do Norte Fluminense (Uenf), e Lucio Rennó, da Universidade de Brasília (UnB), mostra como o voto na então candidata Dilma teve a ver com o reconhecimento de um ganho de bem-estar.

O trabalho teve como base o Estudo Eleitoral Brasileiro (Eseb), pesquisa coordenada pela professora Rachel Meneguello, da Universidade de Campinas, que sondou as razões de voto de 2 mil eleitores, logo após a disputa presidencial, como já havia sido feito em 2002 e 2006.

Dos entrevistados, 53,6% disseram ter percebido que ascenderam socialmente, em relação à vida que tinham oito anos antes; 33,6% não perceberam mudança e 7,3% acreditam que descenderam. Aqueles que afirmaram ter mudado de classe tiveram 78% de chance a mais de votar em Dilma do que os que não perceberam mudança. Nos outros dois grupos, a chance não se alterou.

"Para efeito da decisão do voto, ser imóvel ou cair é a mesma coisa e não muda o comportamento do eleitor. Mas crescer faz diferença", disse Vitor Peixoto, durante o encontro anual da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Ciências Sociais (Anpocs), em Caxambu.

A reportagem é de Cristian Klein e publicada pelo jornal Valor, 28-10-2011.

No trabalho, intitulado "Mobilidade Social Ascendente e Voto: As Eleições Presidenciais de 2010 no Brasil", os pesquisadores descobriram outros dados interessantes. As pessoas que avaliaram o governo Lula como "muito bom" tiveram 1.170% a mais de chance de ter votado em Dilma do que em qualquer outro candidato. Para os que o consideraram "bom" o crescimento das chances foi de 380%, um pouco acima dos 360% dos que disseram gostar do PT.

"O que moveu mais o voto não foi o lulismo, mas a avaliação de governo", afirma Peixoto.

Ser evangélico reduziu em torno de 50% as chances de se votar em Dilma. Ser católico não alterou a probabilidade.

O artigo será publicado em livro que reunirá o trabalho de outros sete pesquisadores que também foram escolhidos para produzir estudos a partir da base do Eseb.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Eleitor de Dilma foi indiferente à corrupção - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV