Mary Ward, a visionária perigosa

Revista ihu on-line

Clarice Lispector. Uma literatura encravada na mística

Edição: 547

Leia mais

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Mais Lidos

  • “Podemos dizer que esta crise foi um notável êxito científico e um enorme fracasso político”. Entrevista com Yuval Noah Harari

    LER MAIS
  • Necropolítica: a política da morte em tempos de pandemia. Artigo de Eduardo Gudynas

    LER MAIS
  • Pode a Igreja Católica concordar em mudar alguma coisa?

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


20 Setembro 2011

Um documentário de uma hora feito por uma produtora de TV, a New Decade, com sede em Dublin, Irlanda, sobre uma mulher do século XVII que estabeleceu uma ordem religiosa baseada nos princípios jesuítas, foi disponibilizado em DVD. Ele conta a história de Mary Ward (1585-1645), conhecida em sua época como "aquela mulher incomparável" – através das lentes do século XXI.

A reportagem é do sítio Independent Catholic News, 14-09-2011. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

Mary Ward foi uma defensora divinamente inspirada de uma nova forma de vida religiosa radical para mulheres, baseada no modelo apostólico estabelecido pela primeira vez por Santo Inácio de Loyola no século XVI. Ela ofereceu uma visão audaciosa do que as mulheres poderiam e fariam na vida religiosa e foi pioneira de um sistema de educação que as preparou para um papel no serviço da Igreja e da sociedade que não estava confinado ao claustro ou ao casamento.

Mary Ward: Visionary Dangerous é a história de uma mulher que permaneceu, apesar de todos os seus processos e o miserável tratamento dispensado a ela, como uma fiel serva da Igreja. São muitas as esperanças e as orações para que um dia ela seja finalmente reconhecida como a santa que seus seguidores e amigos sabiam que ela era.

O documentário é dirigido por Ciaran O"Connor, da New Decade, e produzido por Sarah Mac Donald. Ele conta a história da pioneira religiosa mediante as reencenações dos momentos seminais em sua vida e comentários históricos. Ele se concentra em dois projetos em que as Irmãs de Mary Ward estão trabalhando hoje, 400 anos depois que ela fundou o seu primeiro Instituto em 1609, no mesmo ano em que Inácio de Loyola foi beatificado.

Assim como os jesuítas, a disponibilidade era um atributo que Mary Ward via como essencial para os seus membros e assim ela desejava que eles fossem livres de um voto de estabilidade.

Enquanto a educação foi tradicionalmente central na obra de suas Irmãs, ela mesma queria que seus membros para responder às necessidades dos tempos. Seu ministério, escreveu ela, seria "o cuidado da fé e outras obras congruentes com os tempos".

O documentário incorpora imagens visualmente arrebatadoras nos lugares no sul do Sudão e do Canadá, em um formato corajoso que desafia os telespectadores sobre temas como a discriminação educacional e a marginalização dos doentes mentais e dos moradores de rua. As gravações no Convento Bar em York, cidade inglesa que foi muito central para a vida de Mary Ward, são justapostas com aspectos de sua história na obra do século XXI feita pelo seu Instituto.

Para encomendar o DVD dessa produção, acesse: http://www.marywarddocumentary.com ou envie um e-mail para Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo..

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Mary Ward, a visionária perigosa - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV