CUT quer contrapartidas sociais em obras da Copa com verbas públicas

Revista ihu on-line

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Mais Lidos

  • Cardeal Luis Antonio Tagle: a melhor nomeação do papa

    LER MAIS
  • Argentina: empossado o presidente Fernández, “superar o ódio, o Papa Francisco é uma referência”

    LER MAIS
  • Novo bispo austríaco se opõe ao celibato sacerdotal obrigatório

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

26 Agosto 2011

Investimentos de bancos e fundos públicos em obras para a Copa do Mundo podem ter exigências de contrapartidas. A reivindicação da obrigatoriedade de contrapartidas sociais foi feita pelo presidente da CUT à presidenta Dilma Rousseff.

A reportagem é do portal da CUT, 26-08-2011.

Em reunião realizada nesta quinta-feira (25), no Palácio do Planalto, para discutir o andamento das obras para a Copa do Mundo e dos Jogos Olímpicos, o ministro do Esporte, Orlando Silva, se comprometeu a criar um fórum ou uma comissão para discutir com as centrais sindicais a questão das contrapartidas sociais, ambientais e trabalhistas.

O presidente da CUT, Artur Henrique, e a secretária-geral da Confederação Sindical Internacional (CSI), Sharan Burrow, reivindicaram a presidenta Dilma Rousseff, em audiência realizada na semana passada, a inclusão de contrapartidas em todos os contratos firmados com bancos e fundos públicos, que vão financiar as obras de preparação para os eventos esportivos que serão realizados no Brasil, em 2014 (Copa) e 2016 (Jogos Olímpicos).

O secretário de Organização da CUT, Jacy Afonso, um dos representantes da central no Conselho Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (CNDES), que organizou a reunião, reivindicou que as centrais indiquem  representantes para os nove Grupos de Trabalho (GT) temáticos de acompanhamento da Copa, já criados pelo ministério do Esporte.

Para Jacy, além do fórum, os trabalhadores também têm de participar dos nove  GT’s já criados pelo ministério. Isso, disse o dirigente, ampliaria a capacidade dos trabalhadores de garantir a efetividade das contrapartidas sociais, ambientais e trabalhistas pela quais a CUT vem lutando.

Contrapartidas

Toda empresa privada beneficiada com empréstimo de banco ou fundo público, cujas taxas de juros são muitos menores do que a do mercado, deve ser obrigada a aumentar o número de emprego formal, não precário; acabar com a alta rotatividade como forma de diminuir custos, demitindo trabalhadores sem justa causa para  e contratando outros trabalhadores com salários menores; fortalecer a negociação coletiva e respeitar as entidades sindicais representativas,ou seja, não dá para emprestar dinheiro barato as empresas ou diminuir seus custos, e continuar assistindo a demissão de dirigentes sindicais, a falta de diálogo e de negociação coletiva, a utilização da justiça do trabalho como forma de resolver os conflitos trabalhistas, usando de instrumentos como o interdito proibitório, multas, judicialização das greves etc.

Também deve ser exigida como contrapartida a implementação das comissões sindicais a partir do local de trabalho para diminuir os quase três milhões de novos processos trabalhistas que a cada ano se avolumam na Justiça do Trabalho.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

CUT quer contrapartidas sociais em obras da Copa com verbas públicas - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV