Novo texto de Código Florestal permite pecuária extensiva em encostas

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • Desmonte do SUS: decreto anuncia privatização da atenção básica em retrocesso histórico

    LER MAIS
  • CNBB convida brasileiros a plantarem uma árvore no Dia de Finados em memória dos que se foram

    LER MAIS
  • O Papa, os Gays e o Ídolo da Doutrina Imutável

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


03 Mai 2011

O relator da proposta de mudança do Código Florestal, deputado Aldo Rebelo (PCdoB-SP), divulgou ontem (2) o texto do relatório, após as negociações na Câmara com o governo e ambientalistas.

A notícia é de Amazonia.org.br, 03-05-2011.

O texto volta atrás no tamanho das Áreas de Preservação Permantente (APP), mantendo os 30 metros em leitos de rios pequenos, uma das demandas dos ambientalistas, mas cria um dispositivo que flexibiliza a recomposição para apenas 15 metros.

"No caso de áreas rurais consolidadas localizadas em Áreas de Preservação Permanente nas margens de cursos d`água de até dez metros de largura, será admitida a manutenção das atividades agrossilvopastoris desenvolvidas, desde que, seja recuperada uma faixa de 15m contados da calha do leito regular", diz o texto.

A novidade é que o relatório introduz, no 10º artigo, a possibilidade de pastoreio extensivo em áreas de encostas acima de 25º, que pela legislação vigente deveriam ser protegidas.

Quanto à reserva legal, o texto muda a linguagem, mas não recua no conteúdo, mantendo a isenção de recomposição para propriedades de até quatro módulos fiscais.  O relator continua permitindo a recomposição de 50% da reserva legal com espécies exóticas e também isenta quatro módulos rurais de reserva legal das grandes propriedades.

Na Amazônia, a área de reserva legal pode cair de 80% para 50%, caso isso seja definido nos zoneamentos ecológico-econômico estaduais.

Anistia

Outro ponto polêmico, o relator manteve a suspensão de multas e sanções decorrentes de infrações cometidas até julho de 2008, relativa ao desmatamento de APPs e reserva legal.

Para demonstrar que o produtor desmatou antes de 2008, ou de acordo com a legislação da época - por exemplo, 50% da propriedade na Amazônia antes da legislação mudar para 80% - o projeto admite apenas a apresentação de documentos declaratórios e genéricos, como "descrição de fatos históricos de ocupação da região, registros de comercialização, dados agropecuários da atividade".

Votação

O texto está agendado para ser votado na Câmara dos Deputados nesta quarta-feira (4).  Hoje (3), o governo deve se reunir para avaliar se as reivindicações feitas pelo Partido dos Trabalhadores (PT) foram incorporadas no relatório.  A bancada ambientalista defende o adiamento da votação.

Leia a proposta na íntegra.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Novo texto de Código Florestal permite pecuária extensiva em encostas - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV