“Nossa sociedade teme a diferença”, afirma o frei dominicano Timothy Radcliffe, sobre a sinodalidade

Revista ihu on-line

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Mais Lidos

  • “Francisco quase desculpa a vida dupla, mas ainda não aceita padres casados”

    LER MAIS
  • Carta a um jovem padre. Artigo de Domenico Marrone

    LER MAIS
  • A espiritualidade cristã no mundo secular

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


22 Setembro 2021

 

Falando sobre o tema da sinodalidade como testemunha do Secretariado Geral do Sínodo dos Bispos, o frei Timothy Radcliffe, que foi Mestre-Geral emérito da Ordem dos Pregadores, pediu por maior respeito entre as diferenças políticas na comunidade eclesial.

A reportagem é de Scarlett Scheriff, publicada por The Tablet, 21-09-2021. A tradução é de Wagner Fernandes de Azevedo.

 

 

“O Sínodo depende tanto da confiança em falar quanto da humildade para escutar. Escutar é nos abrirmos para as pessoas que tem visões diferentes das nossas, visões com as quais você pode discordar fortemente”, disse ele em um vídeo postado pelo Secretariado Geral para o Sínodo dos Bispos no fim de agosto.

“Nossa sociedade teme a diferença, o Google e o Facebook tem algoritmos que nos orientam para o que nossa mente gosta, então nós somos tentados a viver em bolhas de pessoas que pensam a mesma coisa”, acrescentou, pedindo por maior aceitação entre as fronteiras políticas.

Dirigindo-se diretamente à divisão na Igreja, Timothy disse: “A própria Igreja foi tocada por essas guerras culturais estéreis de esquerda e direita, e elas são infrutíferas”.

“Agora, para transcender esse medo da diferença, temos que imaginar por que alguém tem pontos de vista diferentes dos meus. Em vez de tentar primeiro provar como eles estão errados, devemos imaginar como têm sido suas vidas, suas experiências, seus medos, que os fazem pensar assim”.

Ele citou o teólogo escocês, escritor e padre dominicano Fergus Kerr, que falou em um capítulo anterior da província dominicana, sugerindo que devemos esperar uma série de pontos de vista dentro da Igreja:

“Se você me pede para dizer o que eu prezo mais e mais quanto mais tempo estou na ordem, então eu tenho que dizer que é uma forma de pensar, de esperar que as pessoas tenham pontos de vista com os quais possamos discordar, esperando também entender por que eles acreditem no que fazem”.

O frei Radcliffe é patrono da organização Católicos pelo Apoio e a Prevenção à AIDS, e do Conselho sobre Abordagens Cristãs para a Defesa e o Desarmamento. Seu livro "Por que ser cristão?" (Ed. Paulinas, 2011) ganhou o prêmio Michael Ramsey de redação teológica.

Em fevereiro de 2021, o Papa Francisco nomeou a irmã Nathalie Becquart como a primeira subsecretária do Sínodo Geral dos Bispos. O Papa pediu uma maior sinodalidade e que as dioceses consultem os leigos católicos como parte do diálogo permanente da Igreja.

 

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

“Nossa sociedade teme a diferença”, afirma o frei dominicano Timothy Radcliffe, sobre a sinodalidade - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV