Sinodalidade e liderança

Revista ihu on-line

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Clarice Lispector. Uma literatura encravada na mística

Edição: 547

Leia mais

Mais Lidos

  • Müller também se recusa, na 'TV do diabo', a participar do Sínodo

    LER MAIS
  • Aquele que veio para desconstruir e devastar - Frases dia

    LER MAIS
  • Desmatamento na Amazônia já chega a quase 9 mil km² em 2021, mostra Imazon

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


21 Agosto 2021

 

“Entre os católicos australianos, o concílio plenário e as preparações para o Sínodo em Roma sobre a sinodalidade motiva a esperança e mexe com o ceticismo. É evidente que a Igreja diminuiu em número de participantes na sua vida pública e em recursos financeiros, está desencorajada pela extensão dos abusos de crianças por suas autoridades, e precisa encontrar novos caminhos. Mas que os processos do Concílio e do Sínodo acenderão uma energia nova para a mudança ainda não é certo”, escreve Andrew Hamilton, SJ, editor-consultor de Eureka Street, revista eletrônica dos jesuítas da Austrália, em artigo publicado por Eureka Street, 12-08-2021. A tradução é de Wagner Fernandes de Azevedo.

 

Eis o artigo.

 

Dois livros recentes expõem o tamanho do desafio e o tipo de liderança para enfrentá-lo previsto pelo Papa Francisco em seu processo sinodal. Como o título sugere, “Wrestling with the Church Hierarchy” (“Lutando com a Hierarquia da Igreja”, em tradução livre) tem uma visão crítica da liderança da Igreja Católica. Inclui artigos comentados e palestras de John Warhurst, um cientista político e colunista de longa data da Eureka Street. A coleção reúne descrições da Igreja Católica Australiana e sua relação com o Estado, correspondência, defesa e opiniões pessoais.

Ele começa com as conclusões da Comissão Real sobre Abuso Sexual, que ofereceu um estudo de uma organização cujos valores operacionais diferiam agudamente de sua missão professada, tanto na ação de alguns de seus oficiais quanto no encobrimento de seus crimes. Ele liderou um grupo de católicos de Canberra, ao qual Warhurst pertencia, para defender a reforma da Igreja em resposta a este evento e, posteriormente, ao anúncio do Concílio Plenário.

Warhurst traz para este trabalho sua ampla participação e experiência em agências católicas preocupadas com a justiça social. Em seu envolvimento com os líderes católicos sobre o Concílio Plenário e seus processos, ele descobriu que eles geralmente tinham a intenção de evitar o envolvimento. O tom geral de sua escrita não é polêmico, mas explicativo e persuasivo, respeitoso com as pessoas e positivo ao propor a reforma necessária. Ele estava claramente frustrado com a dificuldade de persuadir os líderes da Igreja a se engajarem em métodos que normalmente são reconhecidos como boa governança. Ele vê os defeitos da liderança hierárquica católica como estruturais, levando à falta de transparência, responsabilidade, consulta, inclusão e humildade e um excesso de clericalismo. Nesse sentido, o tom do livro é elegíaco.

O trabalho de Warhurst é útil para ilustrar em grandes detalhes as dificuldades de promover a mudança necessária em face da paralisia estrutural. O pequeno livro de Anne Benjamin e Charles Burford o complementa apresentando uma compreensão atraente e detalhada da liderança na Igreja que pode liberar a energia necessária para a reforma. A liderança em uma Igreja Sinodal é informada com familiaridade com as teorias contemporâneas de liderança. Ela fornece a base para a compreensão do conceito do Papa Francisco de uma Igreja sinodal.

A grande virtude deste livro é seu relato abrangente e sistemático dos elementos e contextos que caracterizam as boas organizações e sua liderança. Enfatiza a importância da missão da Igreja e dos valores que ela incorpora, e de sua incorporação na cultura da Igreja – o ‘é assim que fazemos as coisas aqui’ – e em sua governança e tomada de decisão. Uma boa liderança garante a coerência entre essas facetas da Igreja. É fundamentado na fé.

Benjamin e Burford constroem a discussão da liderança em torno da ênfase do Papa Francisco na Sinodalidade, ela mesma baseada em uma compreensão clara e desafiadora da missão como espalhar o Reino de Deus seguindo o caminho de Jesus. A liderança personificará essa missão, incentivando relacionamentos que incorporem seus valores em todos os níveis de política e administração. Será caracterizada pela transparência, responsabilidade, tomada de decisão compartilhada, respeito consistente em todas as relações e processos internos e externos e energia liberada para a missão. Como na escrita de Warhurst, o oposto deste modelo é ilustrado pela crise de abuso sexual e a maneira pela qual os líderes da Igreja responderam a ela pela primeira vez.

Os escritores ilustram o que a liderança envolve, referindo-se à imagem da Sinodalidade do Papa Francisco. Ele vê nisso uma maneira de quebrar a paralisia inerente às estruturas hierárquicas de gerenciamento, uma casta de liderança autorreferencial e tomadas de decisão arbitrárias e não consultivas. Na sinodalidade, a liderança é exercida em todos os níveis da Igreja, à medida que as percepções obtidas nas congregações locais em seu envolvimento com aqueles nas margens da Igreja são buscadas pelos bispos, por sua vez refletidas, são trazidas à conversação em nível nacional e internacional, e então expresso na vida da Igreja. As relações em todos os níveis são caracterizadas pela escuta e pela incorporação dos valores inerentes à missão da Igreja. A sinodalidade pressupõe nos participantes o autoconhecimento e o empenho no seguimento de Jesus.

A imagem atraente da liderança cristã neste livro e a imagem estimulante de intratabilidade e inércia no relato de Warhurst irão naturalmente levar os leitores a perguntar se o projeto sinodal do Papa Francisco tem uma chance. Muitos católicos têm suas dúvidas. Essas dúvidas são razoáveis. Elas são baseadas em julgamentos sobre a situação difícil da Igreja Católica e das sociedades ocidentais contemporâneas.

Uma grande dificuldade, reconhecida por Warhurst, é que os bispos, que precisarão encorajar e liderar a adesão australiana ao processo sinodal, têm poucos recursos em termos de pessoas, dinheiro e tempo. Eles têm poucos clérigos idosos, congregações em declínio, pouco dinheiro e responsabilidades e limitações crescentes de acordo com a legislação governamental. Eles também carregam o peso da história. Uma vez capazes de agir como senhores feudais de seu próprio domínio sob um rei distante, eles foram então tratados como agentes de um monarca papal que gozava do direito divino dos reis e agora fazem parte de uma grande e frouxa burocracia sem poder, mas com grande responsabilidade. Eles relutam em agir sem a autorização romana, não têm estruturas eficazes para agir como um grupo nacional, suportam a mácula do escândalo de abuso sexual infantil e têm poucos recursos locais.

Além disso, eles têm capacidade limitada para implementar mudanças em suas próprias dioceses. Eles precisam trabalhar por meio de seu clero paroquial. Isso não é sempre fácil. Desafiado por um paroquiano por discordar do infalível Papa, um pároco respondeu com humor, mas com alguma plausibilidade: “Todo pároco é infalível em sua própria paróquia”.

Esses são alguns dos fatores que levam as pessoas a duvidar de que a conversa sinodal gerará energia para a missão. As tendências na vida pública também podem intensificar as dúvidas. A falta de confiança na governança que é vista como ineficaz, deliberadamente opaca, egoísta e distante da vida das pessoas, transborda para outras instituições, incluindo igrejas, e se expressa em apatia e ressentimento.

Uma conversa como a imaginada pelo Papa Francisco requer de todos os seus participantes grande energia, disposição para mudar sua opinião e disposição para ter suas próprias convicções apaixonadas postas de lado em conversas mais amplas. Aqueles que entram nela devem estar abertos para serem persuadidos por pessoas de quem discordam e para exigir mais do que a opinião da maioria para validar as decisões.

O desafio enfrentado pelos líderes que recomendam tal estratégia é fazer as pessoas acreditarem nela, sejam presidentes, primeiros-ministros, bispos, administradores centrais, padres ou pessoas em congregações. Os líderes precisam ser capazes de tocar crenças ou compromissos mais profundos do que os interesses individuais e exigir engajamento em vez de desapego. Somente uma fé operante na comunidade, democracia ou solidariedade pode superar o desligamento.

Na Igreja Católica, tal confiança depende da crença operativa de que o Espírito Santo está ativo na vida da Igreja para tornar o Evangelho vivo e pode fazer uma fogueira de madeira encharcada. O Papa Francisco claramente tem essa confiança no poder do Espírito Santo para superar todos os obstáculos e tornar fértil o solo estéril. Outros podem ser céticos. Mas o que outra coisa senão essa confiança poderia possibilitar a reforma na vida pública ou na Igreja?

 

Leia mais

 

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Sinodalidade e liderança - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV