Relatório do IPCC: mudanças profundas estão em andamento nos oceanos e no gelo da Terra

Foto: Pexels

11 Agosto 2021

 

Os humanos estão inequivocamente aquecendo o planeta, o que está provocando mudanças rápidas na atmosfera, nos oceanos e nas regiões polares, e aumentando o clima extremo em todo o mundo, alerta o Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC) em um novo relatório.

 

O IPCC divulgou a primeira parte de seu muito antecipado Sexto Relatório de Avaliação em 9 de agosto de 2021. Nele, 234 cientistas de todo o mundo resumiram a pesquisa climática atual sobre como a Terra está mudando com o aumento das temperaturas e o que essas mudanças significarão para o futuro.

 

Perguntamos ao cientista climático Robert Kopp, principal autor do capítulo sobre os oceanos da Terra, o aumento do gelo e do nível do mar, sobre as profundas mudanças em andamento. Robert Kopp é professor no Department of Earth & Planetary Sciences e diretor do Rutgers Institute of Earth, Ocean, and Atmospheric Sciences da Rutgers University


A entrevista é publicada em inglês no site The Conversation e reproduzida por EcoDebate, 09-08-2021. A tradução e a edição são de Henrique Cortez.

 


Eis a entrevista.

 

Na sua opinião, quais são as mensagens gerais mais importantes do relatório do IPCC?

 

No nível mais básico, os fatos sobre a mudança climática são claros há muito tempo, e as evidências continuam crescendo. Como resultado das atividades humanas, o planeta está mudando a uma taxa sem precedentes por pelo menos milhares de anos. Essas mudanças estão afetando todas as áreas do planeta.

 

Os humanos produzem grandes quantidades de emissões de gases de efeito estufa, principalmente por meio da queima de combustíveis fósseis, agricultura, desmatamento e decomposição de resíduos. (Foto: Sexto relatório de avaliação do IPCC)

 

Embora algumas das mudanças sejam irreversíveis por milênios, algumas podem ser retardadas e outras revertidas por meio de reduções fortes, rápidas e sustentadas nas emissões de gases de efeito estufa.

 

Mas o tempo está se esgotando para cumprir a meta ambiciosa estabelecida no Acordo internacional de Paris de 2015 de limitar o aquecimento a bem abaixo de 2 graus Celsius acima dos níveis pré-industriais (2 C é igual a 3,6 graus Fahrenheit). Para fazer isso, é necessário obter as emissões globais de dióxido de carbono em um curso descendente que alcance o zero líquido por volta de ou antes de 2050.

 

Com o que os cientistas estão mais preocupados agora, quando se trata dos oceanos e das regiões polares?

 

O nível global do mar tem subido a uma taxa acelerada desde cerca de 1970 e, no último século, aumentou mais do que em qualquer século em pelo menos 3.000 anos.

 

Nos anos desde o Quinto Relatório de Avaliação do IPCC em 2013 e o Relatório Especial sobre o Oceano e a Criosfera em um Clima em Mudança em 2018, as evidências para a perda acelerada da camada de gelo tornaram-se mais claras.

 

Na última década, o nível médio do mar global aumentou a uma taxa de cerca de 4 milímetros por ano (1,5 polegadas por década). Esse aumento se deve a dois fatores principais: o derretimento do gelo nas geleiras das montanhas e nos polos e a expansão da água no oceano à medida que absorve o calor.

 

Os mantos de gelo, em particular, são os principais responsáveis ​​pelo aumento da taxa de elevação do nível do mar desde a década de 1990. Há evidências claras que ligam o derretimento das geleiras e da camada de gelo da Groenlândia, bem como o aquecimento do oceano, à influência humana. O aumento do nível do mar está causando impactos substanciais nas comunidades costeiras, incluindo quase o dobro da frequência de inundações costeiras desde a década de 1960 em muitos locais ao redor do mundo.

 

Diferença entre a temperatura média anual e a temperatura média do século 20 em graus Celsius, até 2020 (Foto: The Conversation/CC-BY-ND, com informações de National Oceanic and Atmospheric Administration - NOAA)

 

Desde os relatórios anteriores, os cientistas fizeram avanços substanciais na modelagem do comportamento das camadas de gelo. Ao mesmo tempo, temos aprendido mais sobre a física das camadas de gelo, incluindo o reconhecimento das possíveis formas pelas quais as camadas de gelo podem se desestabilizar. Não entendemos bem a velocidade potencial dessas mudanças, mas elas têm o potencial de levar a uma perda muito mais rápida da camada de gelo se as emissões de gases de efeito estufa crescerem sem controle.

 

Esses avanços confirmam que o nível do mar continuará subindo por muitos séculos, criando uma ameaça crescente para as comunidades costeiras.

 

A mudança do nível do mar até 2050 está em grande parte bloqueada: independentemente da rapidez com que as nações consigam reduzir as emissões, o mundo provavelmente terá cerca de 15 a 30 centímetros (6 a 12 polegadas) de aumento médio global do nível do mar até meados do século.

 

Mas depois de 2050, as projeções do nível do mar se tornam cada vez mais sensíveis às escolhas de emissões do mundo. Se os países continuarem em seus caminhos atuais, com as emissões de gases de efeito estufa susceptíveis de trazer 3-4ºC de aquecimento (5,4-7,2 F) até 2100, o planeta estará olhando para um aumento do nível do mar mais provável de cerca de 0,7 metros (um pouco mais 2 pés). Um mundo 2 C (3,6 F) mais quente, consistente com o Acordo de Paris, veria um aumento do nível do mar mais baixo, provavelmente cerca de meio metro (cerca de 1,6 pés) em 2100.

 

As projeções do IPCC para o aumento médio global do nível do mar em metros com caminhos de maior impacto e o nível de emissões de gases de efeito estufa. (Foto: Sexto relatório de avaliação do IPCC)

 

Além do mais, quanto mais o mundo limita suas emissões de gases de efeito estufa, menor a chance de desencadear instabilidades nas camadas de gelo polares que são difíceis de modelar, mas podem aumentar substancialmente o aumento do nível do mar.

 

No cenário de emissões mais extremas que consideramos, não poderíamos descartar a rápida perda do manto de gelo que levaria ao aumento do nível do mar de aproximadamente 2 metros (7 pés) até o final deste século.

 

Felizmente, se o mundo limita o aquecimento a bem abaixo de 2°C, levará muitos séculos para que o aumento do nível do mar ultrapasse 2 metros – uma situação muito mais administrável.

 

Os oceanos ou o gelo estão se aproximando de algum ponto crítico?

 

Ponto de inflexão” é um termo vago usado de muitas maneiras diferentes por pessoas diferentes. O IPCC define os pontos de inflexão como “limites críticos além dos quais um sistema se reorganiza, de uma forma que é muito rápida ou irreversível” – por exemplo, um aumento de temperatura além do qual a dinâmica climática compromete uma camada de gelo a uma perda massiva.

 

Como o termo é tão vago, o IPCC geralmente se concentra nas características das mudanças em um sistema – por exemplo, se um sistema pode mudar abruptamente ou irreversivelmente – ao invés de se ele se encaixa na definição dinâmica estrita de um “ponto de inflexão”.

 

Um exemplo de sistema que pode sofrer mudanças abruptas é o padrão de circulação oceânica em grande escala conhecido como Atlantic Meridional Overturning Circulation, ou AMOC, do qual a Corrente do Golfo faz parte. A evidência paleoclimática nos diz que a AMOC mudou rapidamente no passado, e esperamos que a AMOC enfraqueça ao longo deste século. Se a AMOC entrar em colapso, isso faria a Europa aquecer mais lentamente, aumentaria a elevação do nível do mar ao longo da costa atlântica dos Estados Unidos e mudaria os rastros das tempestades e das monções. No entanto, a maioria das evidências indica que tal colapso não acontecerá neste século.

 

A Corrente do Golfo faz parte da Circulação de Virada Meridional do Atlântico. Uma desaceleração afetaria a temperatura na Europa e o aumento do nível do mar ao longo da costa leste dos Estados Unidos. (Foto: Sexto relatório de avaliação do IPCC)

 

Há evidências mistas de mudanças abruptas nas camadas de gelo polares, mas evidências claras de que as mudanças nas camadas de gelo podem ser travadas por séculos e milênios.

 

Se o mundo conseguir limitar o aquecimento a 1,5ºC (2,7 F), esperamos ver cerca de 2-3 metros (7-10 pés) de aumento do nível do mar nos próximos 2.000 anos; se o planeta continuar a aquecer e atingir um aumento de 5ºC (9 F), esperamos ver cerca de 20 metros (70 pés) nos próximos 2.000 anos.

 

Algumas pessoas também discutem o gelo do mar Ártico no verão – que sofreu quedas substanciais nos últimos 40 anos e agora é menor do que em qualquer momento no último milênio – como um sistema com um “ponto de inflexão”. No entanto, a ciência deixa claro que não existe um limite crítico neste sistema. Em vez disso, a área de gelo do mar Ártico no verão diminui aproximadamente em proporção ao aumento da temperatura global, e se a temperatura fosse estabilizada, esperaríamos que a área de gelo do mar também se estabilizasse.

 

O que os cientistas sabem agora sobre furacões que eles não perceberam quando o último relatório foi escrito?

 

Desde o último relatório de avaliação do IPCC em 2013, há evidências crescentes de que os furacões têm se tornado mais intensos e intensificados mais rapidamente do que há 40 anos. Também há evidências de que os furacões nos EUA estão se movendo mais lentamente, levando ao aumento das chuvas.

 

No entanto, não está claro se isso se deve aos efeitos dos gases de efeito estufa – as reduções na poluição por partículas também tiveram efeitos importantes.

 

O efeito mais claro do aquecimento global é que uma atmosfera mais quente retém mais água, levando a chuvas mais extremas, como a observada durante o furacão Harvey em 2017. Olhando para o futuro, esperamos ver ventos e chuvas de furacão continuarem a aumentar. Ainda não está claro como o número geral de furacões mudará.

 

O relatório envolveu 234 cientistas e, em seguida, 195 governos tiveram que concordar com o resumo para os formuladores de políticas. Essa ampla gama de pontos de vista afeta o resultado?

 

Quando você está escrevendo um relatório como este, um objetivo principal para os cientistas é capturar com precisão os pontos de concordância e discordância científica.

 

Por exemplo, no que diz respeito às mudanças do manto de gelo, existem certos processos sobre os quais há amplo consenso e outros processos em que a ciência ainda está emergindo e há pontos de vista fortes e discordantes. No entanto, saber sobre esses processos pode ser crucialmente importante para os tomadores de decisão que tentam gerenciar o risco.

 

É por isso que, por exemplo, falamos não apenas sobre os resultados mais prováveis, mas também sobre os resultados em que a probabilidade é baixa ou ainda desconhecida, mas os impactos potenciais são grandes.

 

O IPCC usa um processo transparente para produzir seu relatório – os autores tiveram que responder a mais de 50.000 comentários de revisão ao longo dos três anos que passamos escrevendo. Os governos também opinam, tendo que aprovar cada linha de um Resumo conciso para formuladores de políticas que reflita com precisão a avaliação subjacente – muitas vezes tornando-a mais clara no processo.

 

Estou muito satisfeito porque, como em relatórios anteriores, todos os governos participantes assinaram um resumo que relata com precisão o estado atual da ciência do clima.

 

 

 

Leia mais

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV