Papa Francisco proíbe a Missa “antiga”

Revista ihu on-line

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Clarice Lispector. Uma literatura encravada na mística

Edição: 547

Leia mais

Mais Lidos

  • Rico ri à toa

    LER MAIS
  • Charles Chaput, arcebispo emérito da Filadélfia, chama o Papa Francisco de mentiroso

    LER MAIS
  • Papa Francisco e o Fiat 500

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


24 Julho 2021

 

"O Papa Francisco alterou um documento publicado pelo papa anterior não para mostrar quem manda mais, não para satisfazer um gosto pessoal, mas para cumprir plenamente o seu ofício de guardião da unidade, como cantamos na Marcha Pontifícia: 'Tu es unitatis custos'" , escreve Renan Mascarenhas, diácono na Diocese de Santos, licenciado em Filosofia pela Universidade Católica de Santos e bacharel em Teologia pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo

 

Eis o artigo. 

 

Era o que os progressistas queriam ter lido. Foi o que muitos tradicionalistas entenderam. A verdade é que não foi nada disso. Vemos que o Espírito Santo concede à Igreja a graça de termos um Supremo Pastor que está atento às necessidades dos fiéis a ele confiado, e assim, por termos sido alcançados pela graça salvífica, não somos mais essa multidão que caminha como “ovelhas sem pastor”, mas, pelo contrário, um pastor que se esforça para evitar a dispersão do rebanho (Mc 6,34; Jr 23,1).

O Papa Francisco alterou um documento publicado pelo papa anterior não para mostrar quem manda mais, não para satisfazer um gosto pessoal, mas para cumprir plenamente o seu ofício de guardião da unidade, como cantamos na Marcha Pontifícia: “Tu es unitatis custos”.

Em 1988, o Papa João Paulo II exortou os bispos a atenderem aos apelos dos fiéis que buscavam celebrar o Rito Romano no “modo antigo”, procurando, desse modo, curar uma ferida no corpo eclesial provocada por “católicos” que romperam a comunhão com o Sucessor de Pedro. Por meio da Ecclesia Dei, o Papa precisou esclarecer um conceito-base da Igreja: a Tradição.

É sobretudo contraditória uma noção de Tradição que se opõe ao Magistério universal da Igreja, do qual é detentor o Bispo de Roma e o Colégio dos Bispos. Não se pode permanecer fiel à Tradição rompendo o vínculo eclesial com aquele a quem o próprio Cristo, na pessoa do Apóstolo Pedro, confiou o ministério da unidade na sua Igreja (nº 2).

Em 2007, foi a vez de Bento XVI retomar a questão com a Summorum Pontificum ao perceber que, não apenas a geração mais idosa – anterior ao Concílio –, senão também muitos jovens nutriam uma atração por este modo “antigo” de celebrar, e buscavam nele uma autêntica espiritualidade eucarística. Por esta razão, foi dada grande visibilidade à forma extraordinária do rito romano, certo de que tal decisão não seria objeto de divisão na Igreja. Dirigindo-se aos bispos, Bento XVI comentou que, ao assinar este documento, trazia no seu coração o desejo de chegar “a uma reconciliação interna no seio da Igreja”.

Em 2021, a pauta sobre o uso do Missal de pré-conciliar retornou. “Os oprimidos se tornaram opressores”. Nem todos acompanharam o movimento do Espírito. Traíram o coração do Papa Bento e, consequentemente, traíram a Igreja, aqueles que viram no rito extraordinário a “missa autêntica”, “a missa de sempre”, incorrendo em graves erros históricos e teológicos. Traíram o Espírito Santo aqueles batizados que repudiavam a missa LITURGICAMENTE CELEBRADA de Paulo VI. Da mesma forma, é verdade, traíram o Concílio - e ainda traem - aqueles que banalizaram a Sagrada Liturgia com “criatividades”. Vale recordar o que nos ensina a Sacrosanctum Concilium (SC), documento do Concílio Vaticano II sobre a Sagrada Liturgia:

Por isso, ninguém mais [além da Santa Sé, das Conferências Episcopais e Bispos], mesmo que seja sacerdote, ouse, por sua iniciativa, acrescentar, suprimir ou mudar seja o que for em matéria litúrgica” (nº 22, § 3).

Assim sendo, o Papa Francisco, a quem compete hoje a tutela da unidade da Igreja (Pastor aeternus, 3), como outrora João Paulo II e Bento XVI, precisou agir em favor da reconciliação e da unidade intraeclesial.

Com este novo documento, o Papa não proíbe a “Missa Antiga”, apenas deseja que ela não seja motivo de divisão na Igreja. Para isso, imbuído pelo espírito do Vaticano II, ele contará com o cuidado e a inspiração dos bispos, moderadores da vida litúrgica nas dioceses (SC 22, §1). Além disso, também exortou para que os seminaristas e novos sacerdotes aprendam a fidelidade às rubricas do Missal pós-conciliar.

Enfim, fique claro: o Papa não é contra esse modo de celebrar, é contra a segregação e a instrumentalização dessa missa. Jesus, também a seu tempo, precisou tomar algumas posturas contra aqueles que usaram ritos e "leis" para gerar rivalidades e exclusão.

Exaltamos firmemente que a Igreja é Una. Então vivamos essa verdade de fé!

 

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Papa Francisco proíbe a Missa “antiga” - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV