Ceticismo sobre Brasil antecede cúpula climática

Revista ihu on-line

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Mais Lidos

  • Viagem ao inferno do trabalho em plataformas

    LER MAIS
  • A implementação do Concílio no governo do Papa Bergoglio. Artigo de Daniele Menozzi

    LER MAIS
  • Metaverso? Uma solução em busca de um problema. Entrevista com Luciano Floridi

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


22 Abril 2021

 

O governo que coleciona recordes negativos em proteção ambiental quer, em reunião organizada por Biden, convencer o mundo de que fará o contrário a partir de agora. A desconfiança é grande.

 

Bolsonaro e seu ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles: pressão por mais ação contra o desmatamento. Foto: Marcos Corrêa/PR. 

A reportagem é Nádia Pontes, publicada por Deutsche Welle, 21-04-2021.

Depois de quatro anos de inanição na era Donald Trump, o governo dos Estados Unidos busca um retorno marcante às negociações internacionais para conter a crise mundial do clima. A conferência organizada pelo presidente Joe Biden, que começa nesta quinta-feira (22/04), traz anúncios de peso: além do anfitrião, países convidados devem apresentar metas mais ousadas de corte de emissões de gases de efeito estufa, que têm acelerado as mudanças climáticas num ritmo sem precedentes.

Do Brasil, por outro lado, não se espera muito. Sob Jair Bolsonaro, um dos 40 líderes que participam do encontro virtual, desmatamento, queimadas e crimes ambientais na Amazônia chegaram a índices alarmantes. O cenário não gera expectativas positivas, apesar dos sinais vindos do Planalto de que o Brasil se venderá ao mundo e a Biden como comprometido com o meio ambiente .

"É verdade que as últimas declarações não são muito animadoras”, comenta Frank Loyd, diplomata americano do governo Bill Clinton, sobre a postura do governo brasileiro e sua credibilidade em discussões na área ambiental.

Ainda assim, Biden estaria ansioso para envolver o Brasil - e o maior número possível de países - numa ação construtiva. "Mas vai depender se Bolsonaro fala sério sobre manter uma relação com os EUA, o que envolve obrigações”, adiciona Loyd em entrevista à DW.

Parte do mundo parece duvidar que isso aconteça. "Sob a perspectiva ambiental, Bolsonaro não tem qualquer credibilidade. Ele também cuidou para que fosse assim. Ele provocou essa falta de confiança em fóruns internacionais, como nas negociações do clima da ONU”, comenta Susanne Dröge, pesquisadora da SWP (Fundação de Ciência e Política, na tradução em português), com sede em Berlim, Alemanha.

Na última conferência do clima da ONU, realizada em Madri, Bolsonaro foi acusado de ter enviado agentes secretos para monitorar organizações não governamentais, o que chocou negociadores de outros países.

"Bolsonaro não quer só dinheiro"

Indícios de que o governo americano estaria negociando secretamente um acordo com Bolsonaro às vésperas da conferência de Biden provocaram reações em diversos meios. Uma carta assinada por artistas, incluindo Alec Baldwin, Leonardo Di Caprio, Mark Ruffalo, Kety Perry, Caetano Veloso entre outros, pediu ao presidente dos EUA que não se comprometa com o colega de cargo brasileiro.

Eles seguiram o apelo de um grupo de 199 organizações brasileiras da sociedade civil que havia se manifestado dias antes. "Não é sensato esperar que qualquer solução para a Amazônia resulte de reuniões a portas fechadas com seu pior inimigo”, diz o texto encaminhado a Biden.

Acordos do tipo devem ser construídos a partir do diálogo, defende o grupo. "Com a sociedade civil, governos subnacionais, academia e, principalmente, com as comunidades locais que sabem proteger a floresta e os bens e serviços que ela abriga”, diz sobre as demais partes que deveriam ser consideradas.

Antes de ser eleito, Biden havia mencionado que poderia destinar até 20 bilhões de dólares para salvar a Amazônia. Embora o candidato que derrotou Trump pareça bastante generoso para financiar projetos internacionais relacionados à proteção climática, o governo Bolsonaro não deve ter grandes oportunidades, avalia Susanne Dröge. "Está claro que Bolsonaro quer apenas o dinheiro”, opina.

Desconfiança dentro e fora do país

Anders Haug Larsen, da Fundação Florestal da Noruega, é cauteloso ao falar sobre a busca de Bolsonaro por financiamento internacional para combater o desmatamento, intenção que o presidente demonstrou numa carta enviada a Biden antes da conferência.

"Com a experiência que temos da Noruega, com a colaboração que temos tido com o Fundo Amazônia, é crucial que o Brasil apresente resultados, como redução desmatamento e melhora da politica ambiental para ganhar qualquer apoio”, opina Larsen.

Criado em 2008 para apoiar projetos que combatem a destruição da floresta, o fundo era mantido com doações principalmente da Noruega e Alemanha. Desde que Bolsonaro chegou à presidência e Ricardo Salles assumiu o ministério do Meio Ambiente, a iniciativa foi paralisada devido a tentativa de mudanças nas regras por parte do Brasil.

"O Fundo Amazônia é importante para ajudar ou facilitar que o Brasil atinja suas politicas próprias e objetivos. Foi criado pelo Brasil, com políticas feitas pelo o país. Não é uma intervenção estrangeira”, pontua Larsen.

Em paralelo, o desmatamento do bioma atingiu seu maior patamar nos últimos 12 anos: em 2020, foram 11.088 km² de devastação. Em março, a taxa registrada pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais, Inpe, foi a maior dos últimos dez anos.

"O governo alemão não quer mais trabalhar em cooperação com Bolsonaro. Não vejo chances de doações para o Fundo Amazônia voltarem a acontecer nesse governo”, afirma Susanne Dröge com base no desempenho da política ambiental do atual comando.

"Probabilidade zero”

Além da desconfiança internacional, as ações de Bolsonaro na área ambiental rendem pedidos de investigação dentro do país. No Tribunal de Conta de União, o requerimento mais recente pede que a corte adote medidas contra "indícios de omissão e de descaso do atual governo diante dos aumentos na taxa anual de desmatamento da Amazônia”.

Há pelo menos dez representações do tipo encaminhadas pelo subprocurador-geral do Ministério Público Lucas Rocha Furtado. Dentre as medidas solicitadas, está o afastamento de Ricardo Salles.

Para as organizações mais atuantes na área ambiental, as chances de que Bolsonaro convença o mundo de que está interessado em proteger a Amazônia são mínimas. Numa carta a Biden, o presidente brasileiro chegou até a mencionar que estaria disposto a dialogar com entidades do terceiro setor, indígenas e comunidades tradicionais.

"A probabilidade de isso acontecer é aproximadamente zero”, diz Claudio Angelo, do Observatório do Clima. "O presidente já chamou as ONGs de câncer, não perde uma oportunidade de ser racista contra indígenas e quilombolas. Ele vê a sociedade civil como um inimigo a ser eliminado”, acrescenta o porta-voz da entidade, que analisou detalhadamente o conteúdo do documento assinado por Bolsonaro e apontou imprecisões e dados falsos.

A DW Brasil estou em contato por email e telefone com a assessoria de imprensa do gabinete do presidente e o Itamaraty, mas não obteve um posicionamento até o fechamento da reportagem.

 

Leia mais

 

 

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Ceticismo sobre Brasil antecede cúpula climática - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV