Os trabalhos de Hans Küng serão lidos por muito tempo

Revista ihu on-line

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Mais Lidos

  • Padres despedaçados. Artigo de Pietro Parolin

    LER MAIS
  • Na igreja do Papa Francisco, os movimentos estão parando

    LER MAIS
  • Abusos, sínodo e a falsa prudência

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


09 Abril 2021

 

“Sim, houve controvérsias pessoais, mais notavelmente envolvendo João Paulo II, o papado, a Cúria Romana e seus críticos de pensamento ‘medieval’. Essas ficarão no passado, mas as questões críticas que ele levantou permanecerão para o futuro”, escreve Jean-Louis Schlegel, teólogo que traduziu os escritos de Hans Küng para o francês, em artigo publicado por La Croix, 08-04-2021. A tradução é de Wagner Fernandes de Azevedo.

Eis o artigo.

 

Hans Küng foi muito conhecido pelos seus livros e controvérsias.

Há uma ligação entre estes, claro, mas os “livros polêmicos” não deveriam obscurecer toda a sua ‘obra’, como ele orgulhosamente chamava seus trabalhos.

Ele deixou uma longa e impressionante bibliografia, a qual acredito que será lida por muito tempo no futuro.

Eu estou pensando particularmente em “Deus Existe?” (1980) e “Cristianismo” (1995).

Esses são dois grandes panoramas que estimulam e alertam. Eles combinam a história das ideias com a história eclesial e a história do Cristianismo.

Sim, houve controvérsias pessoais, mais notavelmente envolvendo João Paulo II, o papado, a Cúria Romana e seus críticos de pensamento “medieval”. Essas ficarão no passado, mas as questões críticas que ele levantou permanecerão para o futuro.

Não muito depois que se encerrou o Concílio Vaticano II, ele – como um católico! – questionou um dogma central, a infalibilidade papal, no livro “Infalível? Uma pergunta” (1971).

O dogma da infalibilidade permanece, mas com uma latente suspeição desde que o livro foi publicado.

Sua posição sobre a questão e outras críticas levaram a Congregação para a Doutrina da Fé a emitir uma “declaração” em 1979, dizendo que ele poderia “não ser mais considerado um teólogo católico ou continuar ensinando essa teologia”.

Com a constante determinação ele se opôs à interpretação do Concílio Vaticano II posta em voga por João Paulo II e Bento XVI.

Ele se opôs especialmente à insistência de Bento XVI de que o Vaticano II deveria ser visto como continuidade com o concílio que o precedeu.

Hans Küng nunca deixou de deplorar a ausência de todos os tipos de reformas pretendidas pelo Concílio Vaticano II.

Ele foi um defensor ferrenho da reforma da Igreja, uma atitude sem dúvida ligada às suas origens suíças e ao compromisso com o ecumenismo que assumiu desde cedo.

Ele estava interessado principalmente na questão da verdade e da liberdade na Igreja. Ele levantou a questão de autoridade e poder, e como ele é compartilhado e exercido dentro da instituição.

Essa é uma questão que continua sendo eminentemente atual.

Em “Podemos Salvar a Igreja Católica?” (2013), ele metaforicamente adota o papel de médico, propondo remédios para curar uma Igreja “gravemente enferma” que está “sofrendo sob o sistema romano de governo” - um sistema nascido da Reforma Gregoriana (século XI), a Contrarreforma (séculos XVI-XVII) e o Concílio Vaticano I (1870).

Ele detalha seus remédios no livro. Eles incluem acabar com o celibato sacerdotal obrigatório, abrir ministérios para mulheres, restabelecer o papel do clero e dos leigos na escolha de bispos, sair de uma doutrina bioética estreita...

Todas essas teses são bem conhecidas, mas Küng desenvolve toda uma estrutura para promovê-las.

O que ele propõe é sempre bem argumentado, histórica e teologicamente. É isso que torna a leitura de suas obras tão estimulante.

Tendo-o encontrado várias vezes, posso dizer que estava cheio de uma preocupação sincera pela Igreja.

Ele expressou isso com qualidades positivas (sua formação cultural impressionante e seu notável dom de síntese e expressão) e seus defeitos (uma aparente arrogância e necessidade de ser provocador).

Mas, no conjunto, temos um homem que fez da Igreja a sua obra de vida, ao mesmo tempo que confronta a sociedade contemporânea com os seus movimentos, reflexos e convulsões.

Esse foi o caso mesmo com seu último livro sobre a morte e o morrer.

Mas “Glücklich sterben?, que foi publicado no original alemão em 2014, parece nunca ter sido traduzido.

 

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Os trabalhos de Hans Küng serão lidos por muito tempo - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV