Papa: 'Fé não é se refugiar nos legalismos e clericalismos'

Revista ihu on-line

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Mais Lidos

  • “Os pecados da carne não são os mais graves. Os mais graves são aqueles que têm mais 'angelicalidade': a soberba, o ódio”. Entrevista do Papa Francisco

    LER MAIS
  • Digital, serial, algorítmica, a cultura do século XXI chegou

    LER MAIS
  • Ômicron, natureza e arrogância humana: uma guerra entre patógenos e humanos. Artigo de Alexandre A. Martins

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


29 Março 2021


Diante de Deus, a atitude deve ser de "surpresa" (no original, 'stupore'), não de "admiração". “Se a fé perde o assombro, torna-se surda” e não lhe resta outro caminho senão “refugiar-se nos legalismos e clericalismos, e tudo o mais que Jesus condena”.
O Papa Francisco disse isso na homilia da Missa do Domingo de Ramos.

A íntegra da homilia pode ser lida, em português, aqui.


“Também hoje há muitos que admiram Jesus: falou bem, amou e perdoou, o seu exemplo mudou a história ... Admiram-No, mas a vida deles não muda. Porque não basta admirar. É preciso segui-lo no seu caminho, deixar-se interpelar por ele: passar da admiração à surpresa”. “A admiração pode ser mundana, porque busca os próprios gostos e anseios; a surpresa, ao contrário, permanece aberta ao outro, à sua novidade”, acrescentou o Papa. “Peçamos a graça do assombro. A vida cristã, sem surpresa, torna-se cinzenta". Se não há assombro, talvez “a nossa fé foi corroída pelo hábito”, concluiu o Papa.


Com a celebração do Domingo de Ramos, “entramos na Semana Santa. Pela segunda vez a vivemos no contexto da pandemia. No ano passado estávamos mais chocados, este ano estamos mais provados. E a crise econômica tornou-se pesada”, disse o Papa no Angelus, acrescentando: “Nesta situação histórica e social, o que faz Deus? Toma a cruz", "assume para si o mal" especialmente aquele "espiritual, porque o Maligno aproveita as crises para semear desconfiança, desespero e discórdia. E nós? O que devemos fazer?".

Como Maria, devemos assumir "a nossa parte de sofrimento, de trevas, de desorientação". “E, ao longo da Via Crucis cotidiana - acrescentou o Papa no Angelus, recitado no final da Missa junto à basílica do Vaticano -, encontramos os rostos de tantos irmãos e irmãs em dificuldade: não vamos passar adiante, deixemos que o coração se mova por compaixão e aproximemo-nos. Neste momento, como o cireneu, podemos pensar: 'Por que justamente eu?'. Mas depois descobriremos o dom que, sem nosso mérito, nos coube".

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Papa: 'Fé não é se refugiar nos legalismos e clericalismos' - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV