"A morte entrou na vida cotidiana para que nossos tabus fossem desmantelados". Entrevista com Rino Fisichella

Revista ihu on-line

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Clarice Lispector. Uma literatura encravada na mística

Edição: 547

Leia mais

Mais Lidos

  • Desigualdade. Artigo de Ladislau Dowbor

    LER MAIS
  • “É preciso afastar Bolsonaro já para parar a matança”. Entrevista com Chico Whitaker

    LER MAIS
  • Segredo, confissão e abuso: Cardeal Federigo, o Inominado e Lúcia. Artigo de Andrea Grillo

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


19 Março 2021

 

“Carrego no corpo o fato de ter nascido em Codogno. Em um ano, muitas pessoas caras para mim morreram. Amigos, conhecidos, sacerdotes. A imagem histórica de caminhões carregados de caixões marca o início da consciência de algo que mudaria toda a humanidade, não apenas a Itália ou a Europa. Marca o início de uma nova temporada que a humanidade sozinha não conseguiria enfrentar imediatamente. Depois, há outra imagem, ainda mais poderosa”.

Dom Rino Fisichella, presidente do Pontifício Conselho para a Nova Evangelização e um dos teólogos mais reconhecidos em nível internacional, reflete sobre os doze meses que mudaram a face do planeta.

A entrevista é de Franca Giansoldati, publicada por Il Messaggero, 18-03-2021. A tradução é de Luisa Rabolini.

 

Eis a entrevista.

 

Qual é a outra imagem?

Em 27 de março do ano passado. O Papa sozinho na Basílica de São Pedro. Representa a humanidade desorientada em busca de sentido. As pessoas estavam fechadas em suas casas, sem ter relações interpessoais com as pessoas próximas e queridas e com a consciência das mortes que se avolumavam sem sequer poder dar-lhes uma última despedida. Talvez nunca como naquela época marcada pela Covid a humanidade tenha erguido os olhos ao céu.

 

Foi realizada uma enquete: desde o ano passado até hoje aumentou a percepção da incerteza, do medo, da tristeza ...

Há uma reflexão enorme e macroscópica a fazer. Estamos diante de um fenômeno significativo para a cultura de nosso tempo. Estamos tocando com a nossa mão o início da pós-modernidade. O que está acontecendo nos diz que a época moderna acabou e ainda não sabemos como será o futuro. Diante desses fatos, a ilusão de que tudo é tão lindo quanto nos foi apresentado nas últimas décadas e que o homem sozinho administra a sua vida, nos faz entender que não é assim. No dia 27 de março do ano passado, o Papa falou a São Pedro sobre o barco no meio da tempestade e quase gritou: por que vocês estão com medo, vocês perderam a fé?

 

Ainda há espaço para esperança?

A imagem do barco de Pedro é fundamental. O Papa nos lembrou que o drama não é uma tragédia. Na tragédia nunca há esperança, mas no drama sim.

 

A morte, segundo a mesma enquete, parece que está impressionando menos, como se tivéssemos criado um calo...

A morte entrou efetivamente na nossa vida cotidiana e desmantelou um tabu. As imagens dos caixões que saíam nos caminhões militares de Bérgamo deixaram claro que a morte não era uma ficção e ficaram impressas. O imaginário mudou desde então.

 

Se há necessidade de esperança, por que as igrejas ficam vazias?

O problema de dar voz à esperança está relacionado com a capacidade de falar uma linguagem nova. Talvez ainda estejamos inseridos numa linguagem demasiado tradicional. Talvez devêssemos refletir sobre como melhor utilizar aquelas que são as mensagens da fé, sobre o fato de que a morte, a doença e o sofrimento são vividos e foram vencidos.

 

Como a fé pode andar em paralelo com a ciência?

O homem de fé sempre tem confiança na ciência porque tem confiança na obra criativa, na inteligência do homem: saber falar de esperança significa ir além das mensagens e criar sinais de esperança. Esse é o grande desafio que marca o momento histórico que estamos vivendo.

 

Talvez a Igreja fale muito pouco sobre a vida após a morte?

Temos a tendência de raramente falar sobre isso porque também nós somos vítimas da crise de fé que se vive no Ocidente. Às vezes, há a incapacidade de dar primazia ao mistério da nossa vida. O mistério não é o que não se compreende, mas o ficar em silêncio a contemplar a fim de entrar em profundidade e deixar a mente e o coração abertos para receber também uma iluminação. Esquecemos essa dimensão, trazer de volta o mistério de um Deus que se faz homem e vence a morte.

 

O que dizer para aqueles que perderam amigos e parentes por causa do Covid?

Quem amamos tanto mantém uma forte presença entre nós. A força do amor dura para sempre. O amor autêntico vai além da morte. E Deus que é amor venceu a morte. E quando se fala com uma pessoa que vive o luto, ela bem sabe que tem a presença da pessoa falecida ao seu lado, que se transformou em outra forma.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

"A morte entrou na vida cotidiana para que nossos tabus fossem desmantelados". Entrevista com Rino Fisichella - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV