O encontro de Francisco com Al Sistani. “Reunião estratosférica. O diálogo passa por fora dos Estados”. Entrevista com Olivier Roy

Revista ihu on-line

Clarice Lispector. Uma literatura encravada na mística

Edição: 547

Leia mais

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Mais Lidos

  • “Podemos dizer que esta crise foi um notável êxito científico e um enorme fracasso político”. Entrevista com Yuval Noah Harari

    LER MAIS
  • Necropolítica: a política da morte em tempos de pandemia. Artigo de Eduardo Gudynas

    LER MAIS
  • Pode a Igreja Católica concordar em mudar alguma coisa?

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


08 Março 2021

O Papa Francisco visa o diálogo entre as religiões de forma autônoma dos Estados, contra as manipulações políticas da religião que tantos desastres e massacres causaram no Oriente Médio. Nesse sentido, a etapa em Najaf é fundamental para “reequilibrar os canais abertos primeiro com os sunitas, nas visitas pastorais ao Cairo e Abu Dhabi, a fim de abrir as portas também ao mundo xiita e ampliar as garantias em defesa dos cristãos do Oriente".

Para Olivier Roy, professor do Instituto Universitário Europeu de Florença, a oração comum em Ur, local de nascimento de Abraão e, portanto, das três religiões abraâmicas monoteístas, tem um impacto poderoso, capaz de neutralizar muitas derivas negativas. Até mesmo a República Islâmica do Irã, que se coloca como única representante do xiismo, "deve aceitar essa autonomia, porque diante de uma figura prestigiosa e inatacável como o Grande Aiatolá Ali Sistani há pouco a dizer: eles não estão contentes, mas não vão fazer nada para sabotar o Pontífice”.

A entrevista com Olivier Roy é editada por Giordano Stabile, publicada por La Stampa, 07-03-2021. A tradução é de Luisa Rabolini.

 

Eis a entrevista.

 

Qual é a principal novidade da primeira viagem de um Papa ao Iraque?

É a primeira visita de um pontífice a um país de maioria xiita e isso explica a insistência de Francisco. Certamente não é uma viagem desprovida de perigos, como aquelas no Egito ou nos Emirados Árabes Unidos.

Existem riscos ligados à segurança aqui. No entanto, não vêm da frente xiita. O Irã, que tem enorme influência em termos políticos e militares no país, nada fará para sabotar esta visita.

O Papa está determinado a ampliar o diálogo com o Islã aos xiitas, com os mesmos princípios aplicados aos sunitas. Estabelece canais com figuras não vinculadas ao estado. Isso é ainda mais verdadeiro para Sistani do que para o Grande Mufti da Universidade de Al-Azhar, Ahmed al-Tayeb, a maior figura do sunismo. Sistani é um "marjah", o degrau mais alto na hierarquia xiita. Um título que, por exemplo, o Guia Supremo iraniano Ali Khamenei não pode exibir. Aquele de ontem foi, portanto, uma cúpula de nível estratosférico.

E que consequências isso terá?

Há uma primeira consequência para os cristãos do Oriente, que sofreram muito no Iraque, até quase desaparecerem. Sistani é uma garantia em sua defesa. Deve-se dizer que há muito menos controvérsia entre o cristianismo e o xiismo do que com o sunismo.

A perseguição aos cristãos pelos xiitas foi limitada, mesmo no passado. O Império Persa Safávida acolheu cristãos armênios em fuga desde o século XVI. A sociedade iraquiana é agora chamada a respeitar o compromisso assumido pelos dois líderes em Najaf. Chega de violência em nome da religião. É uma mensagem poderosa nesse contexto. Os iraquianos estão fartos de pagar o preço das manipulações e das guerras por procuração entre o Irã, as potências sunitas e os Estados Unidos. O desejo de convivência é sincero, real e sai fortalecido.

E as consequências políticas?

Elas vão chegar em cascata. Sistani é contrário à teoria khomeinista do velayati-e-faqih, o controle da política pelos religiosos. Ele sempre defendeu a autonomia das forças políticas. Ele interveio apenas em momentos de crise dramática. O principal, em junho de 2014, quando o ISIS ameaçava Bagdá e o aiatolá ordenou a mobilização de voluntários xiitas - aberta, deve-se dizer, a pequenos componentes cristãos, curdos e até sunitas - para detê-lo. Duzentos mil jovens atenderam à chamada. Mas depois ele pressionou pela integração das milícias nos aparatos de segurança do Estado, algo que o Irã não quer para poder usá-las conforme sua vontade. Agora, o primeiro-ministro Mustapha al-Kadhimi tem uma carta a mais para pressionar por um maior controle governamental sobre essas forças de “mobilização popular”, a fim de se libertar do cabo de guerra EUA-Irã.

No entanto, faltaram os judeus na oração inter-religiosa de Ur. É um ponto fraco na estratégia de Francisco?

O problema é que infelizmente os judeus do Iraque desapareceram. Mas, além do fato contingente, também deve ser dito que na região Israel permanece como a única voz dos judeus. O diálogo inter-religioso como Francisco o concebe, isto é, autonomamente dos estados, é paradoxalmente mais fácil nos EUA, onde os rabinos são independentes, do que no estado judeu, onde são basicamente altos funcionários do estado.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

O encontro de Francisco com Al Sistani. “Reunião estratosférica. O diálogo passa por fora dos Estados”. Entrevista com Olivier Roy - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV