Eu sou uma freira que acompanhou pessoas transgênero por mais de 20 anos. Essas são algumas das suas corajosas histórias

Revista ihu on-line

Clarice Lispector. Uma literatura encravada na mística

Edição: 547

Leia mais

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Mais Lidos

  • “Podemos dizer que esta crise foi um notável êxito científico e um enorme fracasso político”. Entrevista com Yuval Noah Harari

    LER MAIS
  • Necropolítica: a política da morte em tempos de pandemia. Artigo de Eduardo Gudynas

    LER MAIS
  • Pode a Igreja Católica concordar em mudar alguma coisa?

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


01 Março 2021

 

Pessoas trans não estão delirando ou tentando brincar de Deus. Elas não são vítimas da ideologia de gênero. Elas são quem dizem que são. Por todos esses anos, meu mantra para elas tem sido: 'A verdade sempre nos leva a Deus e nunca para longe de Deus. Mantenha seu coração e sua vida perto de Deus e Deus lhe mostrará a verdade de quem você é e como viver desse lugar de verdade'”, escreve Luisa Derouen, irmã dominicana da paz, trabalhou pastoralmente entre a comunidade transgênero dos EUA por mais de 22 anos, em artigo publicado por America, 25-02-2021. A tradução é de Wagner Fernandes de Azevedo.

 

Eis o artigo.

 

Courtney Sharp é a primeira mulher transgênero que eu encontrei, em 1999, e nós nos tornamos amigas por aqueles anos. Eu recebi um e-mail dela recentemente. Ela tinha acabado de ler o documento de junho de 2020 escrito pelo arcebispo emérito Robert Carlson a respeito das pessoas transgênero. Ela começou seu comentário dizendo: “Tenho pensado sobre como cristãos podem ter uma visão simplista das coisas e rapidamente chegam a conclusões danosas que apoiam conceitos predeterminados”. O que ele escreveu sobre ela e outras pessoas trans não refletia aquilo que ela era. Como ela, eu estava profundamente triste pelo documento.

O que é dito sobre pessoas transgênero é pessoal para mim, desde que elas moldaram profundamente meu ministério e minha própria vida com Deus por mais de 22 anos. Quando eu comecei o ministério pastoral entre elas, pouquíssimas pessoas conheciam a palavra. Nos últimos anos as pessoas trans tornaram-se muito mais visíveis, mas dado o fato que há apenas 1,5 milhão de trans em uma população de 330 milhões nos EUA, a maioria dos estadunidenses não conhece pessoalmente uma pessoa transgênero. Como resultado, há uma enorme confusão sobre o que significa “transgênero” e como católicos cisgênero devem pensar sobre e se relacionar com as pessoas transgênero em seus meios.

O arcebispo Carlson é o mais recente dos diversos bispos a oferecerem diretrizes sobre pessoas transgênero para os fiéis católicos de suas dioceses. Como outros bispos antes, o documento começa declarando o quão importante é respeitar as pessoas transgênero e tratá-las com a compaixão e sensibilidade como filhas de Deus.

Mas então, em pouco tempo, vem a mensagem fundamental de que a própria existência de pessoas trans é impossível porque Deus não faz as pessoas trans. Elas estão sofrendo de um distúrbio psicológico e devemos ajudá-las com gentileza e respeito a entender que elas não são quem dizem ser. Além disso, elas estão arriscando sua salvação eterna ao se colocarem acima de Deus, acreditando que podem mudar seus corpos com base em sentimentos superficiais e desejos egoístas, ou algum tipo de “ideologia de gênero”.

Por mais bem-intencionados que sejam os bispos, não posso dizer com força suficiente que é impossível estender respeito e compaixão pelas pessoas e, ao mesmo tempo, declarar que elas não existem.

Courtney continuou dizendo que algumas pessoas “acreditam que precisam apenas olhar os cromossomos X e Y e Gênesis 1, 27 para saber o que Deus pretende para a vida de alguém. Deus nos criou homem e mulher. Isso é tudo que precisamos saber. É simples assim”. Mas não é tão simples. A vida de nenhum ser humano pode ser reduzida a tais binários absolutos.

Conheço pessoas transexuais há anos antes da transição e anos depois da transição. Passei milhares de horas com eles em sua casa, em minha casa, em sua igreja, em minha igreja, com suas famílias, em aniversários e funerais. Eu chorei com eles e me alegrei com eles. Os transgêneros estão muito mais sintonizados do que a maioria de nós com a realidade de que nós, seres humanos, somos uma criação complexa e misteriosa de corpo-espírito de Deus, e eles querem nada mais do que honrar essa realidade.

Seu processo de transição é um processo de crescimento para a totalidade e santidade. O que eles experimentam é a clássica conversão cristã de vida, de transformação em Deus. O que testemunhei centenas de vezes em suas vidas é o que nós, católicos, chamamos de mistério pascal.

Para a maioria de nós, nosso próprio senso interno de quem somos e como todos os outros nos percebem se alinha. Tomamos essa congruência como certa e não podemos imaginar que poderia ser de outra forma para alguém. Mas, para uma fração da família humana, essa congruência é ilusória por razões que ainda não entendemos totalmente. Para aqueles que não são transgêneros, muitas vezes é difícil entender a profundidade do sofrimento causado por tentar ser uma pessoa que eles sabem que não são. Isso geralmente leva à depressão, ao isolamento e a comportamentos autodestrutivos.

Dawn Wright fez a transição há muitos anos e mora na Flórida. Ela é professora de análise de negócios na Western Governors University. Mas quando a conheci em 1999, ela tinha 54 anos e ainda tentava desesperadamente lutar contra o fato de ser transgênero. Ela havia tentado suicídio várias vezes e estava extremamente frágil. Ela dolorosamente reconheceu muitas vezes: “Eu não pedi por esses sentimentos. Eles simplesmente estavam lá dentro de mim. Por décadas, orei todos os dias para querer ser um homem, mas essas orações não ajudaram”.

Dawn, como milhares de outras pessoas, fez esforços hercúleos para ser a pessoa que todos diziam que ela era. Não funcionou para ela e não funciona para nenhuma pessoa trans.

Depois de anos de tentativas, quando não conseguem mais fingir ser quem não são, entram no segundo movimento do processo de transformação. Elas tomam a decisão profundamente arriscada e corajosa de viver de um lugar de verdade em vez de mentira. Finalmente admitem para si mesmos que não podem mais sustentar a pretensão de tentar ser quem não são. Esse reconhecimento só vem depois de fazer o árduo trabalho de autoconhecimento na terapia e depois de muita oração. Então, gradualmente e com cuidado, elas começam a tomar decisões transformadoras para viver autenticamente como são. Muitas perdem a família, o emprego, os amigos, a comunidade religiosa ou todas essas coisas! Quantos de nós pagamos esse preço para viver com integridade?

Sara Buechner é pianista concertista e ganhadora de vários prêmios internacionais. Eu a conheço há 14 anos. Atualmente é professora mestre na Temple University na Filadélfia. Ela teve uma carreira internacional que desmoronou totalmente quando ela começou a transição. Foram dois anos e meio de perdas inimagináveis. Ela testemunhou: “Mas dentro do meu corpo havia uma calma completa porque a jornada interior era parte integrante de mim, e foi uma jornada feita não sozinha, mas com Deus”.

Gradualmente, ao longo de um período de muitos anos, conforme eles percorrem os dolorosos e complexos estágios de transição pessoal e publicamente que é único para cada pessoa, o ódio de si mesmo é substituído pelo amor próprio. Eles recuperam a confiança em sua própria percepção da realidade. Eles estão finalmente em casa consigo mesmos e com o mundo ao seu redor. E com Deus. Eles fizeram a passagem do que era fatal para o que agora pode ser doador de vida. É viver o mistério pascal.

Scotty Pignatella é um engenheiro de sistemas na indústria aeroespacial e vive em Tucson, Arizona. Sua diversão é a fotografia, e eu o conheci há 14 anos. Ele me dizia muitas vezes que suas melhores fotos não são à luz do dia ou na escuridão da noite, mas na luz matizada e transicional do alvorecer e do crepúsculo. Ele gosta de dizer, “eu sou um crepúsculo. Eu sou de Deus e tenho a beleza nesse mundo que pode ser visto somente por aqueles que escolheram vê-la”.

Esta sagrada jornada de viver em seu verdadeiro eu em Deus não é igual para todos. Não somos pessoas pré-fabricadas. Mas eu testifico para você que as pessoas trans são quem dizem ser. Eu sei disso porque quando qualquer um de nós vive do lugar da honestidade e da verdade, Deus está presente. Eu experimento os dons do Espírito Santo em pessoas trans que afirmam sua verdadeira identidade em Deus. Vejo paz, alegria, compaixão, sabedoria, amor e muito perdão.

Elas são parte do corpo de Cristo e merecem ser tratados como o corpo de Cristo. Elas não são perfeitas. Nenhum de nós está. Após a transição, elas lutam com os problemas da vida da mesma forma que todos nós, mas agora eles navegam nesses desafios com sua integridade intacta.

Pessoas trans não estão delirando ou tentando brincar de Deus. Elas não são vítimas da ideologia de gênero. Elas são quem dizem que são. Por todos esses anos, meu mantra para elas tem sido: “A verdade sempre nos leva a Deus e nunca para longe de Deus. Mantenha seu coração e sua vida perto de Deus e Deus lhe mostrará a verdade de quem você é e como viver desse lugar de verdade”.

Leia mais

 

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Eu sou uma freira que acompanhou pessoas transgênero por mais de 20 anos. Essas são algumas das suas corajosas histórias - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV