Papa Francisco tem criticado tanto os políticos de direita quanto de esquerda. A comunidade organizada oferece uma terceira via

Foto: Paul Haring | Catholic News Service

12 Fevereiro 2021

“Em 'Vamos Sonhar Juntos', Francisco exorta a igreja a ser mais receptiva a essas alianças populares – acompanhando-as prática e espiritualmente, sem procurar dominar. Ele identifica trabalho e moradia como duas das questões-chave para a ação popular. Se as paróquias e dioceses atenderem ao chamado do Papa para se engajar com novo vigor neste trabalho, isso pode desempenhar um papel significativo na renovação cívica que é tão urgentemente necessária”, escrevem Angus Ritchie e Vincent Rougeau, em artigo publicado por America, 10-02-2021. A tradução é de Wagner Fernandes de Azevedo.

 

Eis o artigo.

 

Em um ensaio para o The New York Times no último novembro, o Papa Francisco nos exortou para “ousar para criar algo novo”. Com a pandemia de coronavírus novos fardos, ele nos desafiou a rejeitar uma tensão do egoísmo alimentado por ideologias distorcidas da liberdade pessoal.

O coronavírus desmascarou a verdadeira natureza, como se isso já não fosse óbvio, do populismo associado à extrema-direita. Como Francisco observa em seu novo livro “Vamos Sonhar Juntos”, “vários tipos de populismos” não atuam no interesse dos cidadãos, nem desenvolvem suas agências; mais que isso, essa tensão do populismo abraça uma visão de mundo que “reduz as pessoas a uma massa sem rosto e diz representá-la”. Esse é um populismo fake, para o poder permanecer com membros plutocráticos da elite que essa ideologia diz desprezar.

Francisco alerta que nós devemos não apenas defender o status quo. Uma falta de alma, o liberalismo tecnocrático criou o solo no qual o populismo destrutivo germinou. Essas concepções do liberalismo, de liberdade e igualdade, tornaram-se desconectadas da fraternidade e uma visão verdadeira de bem comum. Especialmente depois da covid-19, nem o liberalismo desalmado, nem populismo fake encontrará nossas necessitadas. Como notou Francisco, “somente uma política enraizada no povo, aberta para a organização própria do povo, permitirá mudar nosso futuro”.

A quebra na fraternidade e a falta de preocupação com o bem comum recentemente trouxeram os EUA para um cataclismo político, culminando em uma tempestade sem precedentes no Capitólio por insurgentes armados. Pela primeira vez na história moderna, um presidente estadunidense que perdeu a reeleição provocou seus apoiadores para rejeitar o resultado, apesar do voto ser certificado como livre e justo pelos membros do seu próprio partido político e administração. Essa crise foi resolvida, em grande parte, pela extraordinária coragem e compromisso com os valores democráticos de desconhecidos Republicanos a nível local. Como Francisco nos recorda, “nossas vidas estão tecidas juntas e sustentadas por pessoas comuns – frequentemente pessoas esquecidas”, que “sem qualquer dúvida estão nestes dias escrevendo os eventos decisivos do nosso tempo”.

Nossa decadência em aumentar a hostil divisão política ensinou-nos que nem o Estado nem o mercado podem gerar a fraternidade que nós precisamos. De fato, como Francisco explica, tanto a “abordagem centrada no mercado do laissez-faire” e o “welfarismo” erodiu os limites da sociedade civil. Tecê-las requer mudança de comportamento pelos políticos, mas esse é um processo que precisa começar desde a raiz. Francisco pede nada menos que uma Revolução Copernicana em nosso entendimento e na prática política, na qual as pessoas comuns não são uma “periferia” difícil de alcançar, mas o centro em torno do qual gira o resto do firmamento.

Por essa razão, o público principal de “Vamos Sonhar Juntos” inclui cidadãos comuns e as instituições nas quais eles se organizam. O livro foi escrito em colaboração com Austen Ivereigh, que trabalhou anteriormente com a Citizens UK – que é uma organização irmã da Industrial Areas Foundation (IAF), a maior e mais antiga coalizão de organização de comunidades nos Estados Unidos. O “populismo inclusivo” da organização comunitária é uma personificação prática da visão do Papa Francisco.

A organização comunitária tem duas características cruciais que garantem que os cidadãos mais pobres tenham agência. Primeiro, é baseado na instituição. Ao longo de quase um século de organização comunitária, tanto os organizadores religiosos quanto os seculares descobriram que as congregações religiosas são as instituições mais resistentes e poderosas para construir o que o veterano organizador Ernesto Cortés Jr. chama de “uma escola de pós-graduação para ensinar as pessoas a participar da política e moldar o futuro de suas comunidades”.

Como Cortés explicou em uma entrevista ao reverendo Ritchie: “Os cidadãos são formados por meio do processo de organização. Requer instituições que possam incubar esse processo, transmitindo hábitos, práticas e normas necessárias para que seres humanos com opiniões e temperamentos diferentes floresçam juntos: comprometer, falar e não apenas sobre o outro, agir à luz de um, vendo as necessidades de outra pessoa e não apenas unilateralmente ou egoisticamente”.

Em segundo lugar, a organização da comunidade é inclusiva. Ao criar alianças, as instituições devem estar dispostas a trabalhar com pessoas de culturas e convicções diferentes. Em “Vamos Sonhar Juntos”, Francisco condena a “horrenda” morte de George Floyd e elogia os protestos que gerou. Mas ele também adverte que tais “despertares da consciência” correm o risco de serem “manipulados e comercializados”.

É uma leitura perceptiva dos sinais dos tempos. “Wokeness” (tomada de consciência social) não deve ser um termo de abuso, usado para banalizar o genuíno despertar da raiva contra a injustiça sistêmica. Mas os acontecimentos dos últimos meses mostram que as vozes e perspectivas dos mais pobres correm o risco de serem abafadas por outros que buscam promover suas próprias agendas. A direita política está sendo examinada, mas observe que a esquerda tem seu próprio “populismo fake”, que afirma agir no interesse das pessoas comuns, mas na realidade desdenha de suas instituições e atitudes – particularmente religiosas – como atrasadas e ultrapassadas. Em ambos os lados do Atlântico, os partidos políticos de esquerda foram dominados por eleitores mais ricos e com maior mobilidade geográfica, enquanto o apoio dos cidadãos mais pobres está gradualmente se esvaindo.

Em vez de refletir sobre se as reformas que eles propõem são soluções que as pessoas pobres e da classe trabalhadora realmente desejam e precisam, a esquerda muitas vezes ataca esses eleitores por não compreenderem e votarem em seus “próprios interesses”, que muitas vezes são percebidos em termos estritamente econômicos, sem levar em conta as dimensões sociais e espirituais do florescimento humano. O desprezo e a condescendência que esses cidadãos percebem de muitos na esquerda, mesmo que não intencionais, se tornaram uma força poderosa para reunir novos eleitores em torno de figuras populistas carismáticas da direita.

A experiência de organização comunitária corta tanto o populismo falso da direita quanto a condescendência desdenhosa da esquerda. Ensina que a solidariedade é mais contagiosa do que o preconceito. Isso nos lembra que atitudes extremas têm mais probabilidade de se espalhar quando relacionamentos significativos estão ausentes. É por isso que o populismo fake tende a se espalhar pela mídia, ao invés de encontros cara a cara; em contraste, quando as pessoas trabalham juntas em questões de interesse comum, o respeito mútuo e a solidariedade têm mais probabilidade de florescer.

Em “Vamos Sonhar Juntos”, Francisco exorta a igreja a ser mais receptiva a essas alianças populares – acompanhando-as prática e espiritualmente, sem procurar dominar. Ele identifica “trabalho” e “moradia” como duas das questões-chave para a ação popular. O sucesso das campanhas do IAF’s Living Wage (movimento por salários justos aos trabalhadores) e sua renovação de bairros inteiros em Nova York e Baltimore por meio do programa Nehemiah Housing, demonstra o poder da organização institucionalizada. Se as paróquias e dioceses atenderem ao chamado do Papa para se engajar com novo vigor neste trabalho, isso pode desempenhar um papel significativo na renovação cívica que é tão urgentemente necessária.

Isso foi apropriado quando o novo livro do papa foi lançado no início de um muito diferente Advento, durante o qual cristãos esperaram por um Deus que se tornava carne, não no centro de um mundo poderoso, mas na sua periferia. A visão de política de Francisco é moldada por essa realidade.

Em suas palavras e ações, Francisco está nos convidando a um tipo diferente de política, que requer políticos eleitos para adotar uma postura mais humilde e responsiva. Mas isso requer que cada cidadão reconheça que nós compartilharmos a responsabilidade para alcançá-la. A construção da fraternidade é uma tarefa para nós todos.

Leia mais

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV