Dom Cláudio Hummes apela para "combater a indiferença, protestar, rezar e ajudar" face à crise sanitária em Manaus

Revista ihu on-line

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Clarice Lispector. Uma literatura encravada na mística

Edição: 547

Leia mais

Mais Lidos

  • Só um radical ecossocialismo democrático pode mudar o horizonte

    LER MAIS
  • Seu bispo necessita dos seus conselhos: o que dirá a ele?

    LER MAIS
  • Dinâmica religiosa nos Estados Unidos. Artigo de José Eustáquio Diniz Alves

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


25 Janeiro 2021

Superar a indiferença, essa é a primeira coisa que deve ser feita, nas palavras do Cardeal Cláudio Hummes, ao analisar a situação que está ocorrendo nos últimos dias em Manaus, onde a falta de oxigênio e de leitos hospitalares está causando uma grande tragédia, muito maior do que aquilo que os números oficiais mostram.

A reportagem é de Luis Miguel Modino

Nas suas palavras, o presidente da Conferência Eclesial da Amazónia - CEAMA, organismo que faz parte do Conselho Episcopal Latino-americano - CELAM, recorda a primeira visita do Papa Francisco fora do Vaticano, a Lampedusa, onde denunciou "a indiferença do mundo por aquele povo que estava morrendo lá, no mar, tentando procurar uma vida melhor".

Na sua entrevista à "Rede Vida", insistiu na necessidade de "combater e superar a indiferença", algo que tem de ser assumido por nós mesmos, porque a gente pensa nos outros, mas somos nós mesmos que em primer lugar devemos nos perguntar: "Eu não estou sendo indiferente demais?”. Face à grande quantidade de informações e coisas que nos são colocadas, o Arcebispo Emérito de São Paulo afirma que "a tendência é ser indiferente, mas eu não tenho nada a ver com isso, eu não posso fazer nada". Perante isto, o cardeal insiste na necessidade de se envolver, de compreender que “eu tenho que fazer alguma coisa, eu não posso ficar indiferente, são irmãos meus que estão ali morrendo".

O presidente da Comissão Episcopal Especial para a Amazônia da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil - CNBB, coloca a parábola do Bom Samaritano como uma grande referência para nos mostrar como devemos agir, deixando de lado a atitude do sacerdote e do levita e assumindo a atitude do samaritano, que deixa de lado tudo o que tinha de fazer para cuidar daquele que foi ferido na berma da estrada.

Juntamente com a superação da indiferença, o Cardeal Hummes assinala que é preciso "protestar contra a irresponsabilidade das autoridades públicas", insistindo que "não se pode aceitar isto". Segundo o presidente do CEAMA, "tem-se a impressão de que as autoridades públicas, neste caso na Amazônia, onde existem autoridades tanto federais como locais, alguém disse que parece que para eles o cheiro da morte não tem nada a ver". "Nós não podemos aceitar isso", segundo o cardeal, que diz que "há muitas formas de protestar, certamente não violentas, mas conscientes, e que sejam de fato práticas também, protestos reais, que a gente tem que fazer".

Uma terceira necessidade é rezar, "a oração tem uma força muito grande, temos que rezar por todas as pessoas que estão sofrendo, por todas as pessoas infectadas, os que estão morrendo, mas também pelos que estão se dedicando de corpo e alma para salvar o máximo possível de pessoas". Nas suas palavras, refletindo sobre a importância das vacinas, uma das grandes controvérsias dos últimos dias no Brasil, o Cardeal Hummes pede também a oração "pelos cientistas, para que as nossas vacinas sejam de fato ao alcance do povo simples". Neste sentido, ele pergunta: "Quando é que essas vacinas vão chegar ao nosso povo simples, de todos os lados, das periferias?”. A oração é necessária, adverte o cardeal, "para que haja um pouco mais de sensibilidade, um pouco mais de organização também, e também que os cientistas sejam, de fato, iluminados nos seus trabalhos".

Finalmente, todos se devem perguntar: "Como eu posso ajudar? Como o meu grupo, a minha comunidade podemos ajuda-los?", segundo o Cardeal Hummes, que pede formas de organizar a ajuda material, de enviar materiais, pedindo às comunidades locais que se organizem para que não faltem coisas básicas, especialmente oxigênio, algo de que, nas palavras do presidente da CEAMA, o governo já tinha sido avisado. Isto deixa-nos "revoltado por dentro, de como tudo isso vai sendo levado", enfatiza o cardeal, para quem estamos perante uma “tragédia enorme que a gente fica sem palavras".

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Dom Cláudio Hummes apela para "combater a indiferença, protestar, rezar e ajudar" face à crise sanitária em Manaus - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV