“O celibato não é uma exigência da própria natureza do sacerdócio”. Entrevista com Antônio José de Almeida

Revista ihu on-line

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Mais Lidos

  • Uma visão do suicídio no Brasil em resposta à outra visão apresentada

    LER MAIS
  • "É hora de reaprender a arte de sonhar com os xamãs nativos"

    LER MAIS
  • O Evangelho de Lucas, “ano C”

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


29 Setembro 2020

Nesta entrevista, o padre e teólogo brasileiro Antônio José de Almeida aborda a questão do celibato. Alheio a todo rebuliço midiático que essa questão sempre desperta, Almeida aborda o assunto sem atalhos.

A entrevista é de Óscar Elizalde Prada, publicada por Vida Nueva Digital, 28-09-2020. A tradução é de Wagner Fernandes de Azevedo.

Eis a entrevista.

Por que este debate sempre suscita tensões na Igreja?

Com a sexualidade toca-se em uma pulsão humana radical, mais poderosa que o ter e menos controlável que o poder. O celibato encarcera a sexualidade, porém não a elimina. Apesar de suas motivações teológicas, pastorais e institucionais, se vê em dificuldades frente às solicitações da carne, se perdendo, muitas vezes, diante de escapadas ocasionais ou inclusive do concubinato. Se em certos ambientes o sexo é um tabu, em alguns eclesiásticos se está diante de um prato servido em bandeja de prata para a psicanálise.

Estás contra a lei do celibato?

Não seria necessária, o celibato autêntico não necessita de lei. Isso sim, tampouco é ilegítima. A Igreja pode estabelecer, com peso de lei, os requisitos que considera necessários ou convenientes para o acesso e a permanência nos ministérios, particularmente os ordenados. E considerar que o celibato é conveniente ao ministério, porém não necessário.

Para alguns é sim...

O cardeal Sarah afirma que existe um vínculo ontológico-sacramental entre o sacerdócio e o celibato, e que qualquer enfraquecimento desse vínculo poria em causa o magistério do Concílio e de Paulo VI, João Paulo II e Bento XVI. Essas afirmações fazem parte do repertório tradicionalista – ou fundamentalista – de defesa do celibato e de sua lei. Para bispos, padres e diáconos, não havia outra lei na Igreja antiga senão a da monogamia, o que obviamente implicava fidelidade. Nos primeiros três séculos, a maioria dos ministros ordenados eram casados.

Os argumentos a favor da obrigação de se abster da atividade sexual são interpretações tendenciosas de uma concepção helenística totalmente alheia à religião bíblica, a Jesus e a Paulo. Mas, progressivamente, normas específicas foram impostas, como a lei da continência, até que, no século XII, se chegou à proibição de ordenar homens casados e de que padres casassem. A lei do celibato foi aprovada pelo Segundo Concílio de Latrão (1139) e confirmada pelo IV (1213).

Em que ponto estamos hoje?

Se o celibato fosse tão necessário, não teríamos na Igreja Católica presbíteros casados de rito oriental. Nem mesmo a constituição apostólica ‘Anglicanarum coetibus’, de Bento XVI, teria admitido padres casados que desejassem continuar exercendo o ministério, algo já previsto na encíclica ‘Sacerdotalis coelibatus’, de Paulo VI. O decreto ‘Presbyterorum ordinis’, do Vaticano II, deixa claro que o celibato não é uma exigência da própria natureza do sacerdócio. Quando Sarah fala de “celibato indispensável”, ele está em conflito com a doutrina da Igreja. Heresia ou delírio?

 

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

“O celibato não é uma exigência da própria natureza do sacerdócio”. Entrevista com Antônio José de Almeida - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV