Bispo alemão espera por desenvolvimento do ensinamento da Igreja sobre sexualidade. Mas o caminho sinodal é esta fonte?

Revista ihu on-line

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Mais Lidos

  • "É hora de reaprender a arte de sonhar com os xamãs nativos"

    LER MAIS
  • Uma visão do suicídio no Brasil em resposta à outra visão apresentada

    LER MAIS
  • “É triste ver cristãos acomodados na poltrona”. O alerta do papa Francisco contra a acídia

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


22 Setembro 2020

Na última semana, o blog Bondings 2.0 noticiou sobre um documento de trabalho sobre sexualidade e relacionamentos no Caminho Sinodal da Igreja da Alemanha, o qual tem potencial para avançar o status dos relacionamentos lésbicos e gays na igreja. Apresento duas reações ao documento, assim como uma outra história vinda da Alemanha.

A reportagem é de Robert Shine, em artigo publicado por New Ways Ministry, 21-09-2020. A tradução é de Wagner Fernandes de Azevedo.

De acordo com o meio de comunicação dos bispos alemães Katholisch.de, o bispo Helmut Dieser, de Aachen, pediu o desenvolvimento do ensino da Igreja sobre sexualidade porque disse: “O ponto crucial da questão é que muitas pessoas percebem que a ideia católica de sexualidade é discriminatória em muitos pontos”. Dieser espera que esse processo de desenvolvimento possa incluir informações das ciências humanas lidas à luz da fé.

O bispo dirige o grupo de trabalho do Caminho Sinodal sobre moralidade sexual, que divulgou o documento de trabalho. O Caminho Sinodal é um processo dialógico empreendido por católicos alemães, que inclui bispos, clérigos e leigos, para olhar para questões contemporâneas que precisam ser discutidas, como a sexualidade e o papel das mulheres na Igreja. O portal relatou as esperanças de Dieser:

“O documento de discussão do Caminho Sinodal inclui várias sugestões para um total de onze votos, e declara, entre outras coisas: ‘Agradecemos as diferentes orientações sexuais e identidades de gênero das pessoas, bem como o longo prazo, lealdade e exclusividade de relacionamentos dessas pessoas’”.

“[Dieser] enfatizou que existe uma variedade maior de identidades e orientações sexuais que não são intercambiáveis e que as pessoas não escolhem. Ele esperava que o documento encontrasse uma maioria de dois terços dos bispos no decorrer do processo de reforma. ‘Então teríamos pelo menos um resultado do Caminho Sinodal conduzindo ao fato de que há uma intenção clara de seguir em frente’. Este é um sinal importante também com vista à Igreja universal”.

Em junho, a emissora DomRadio relatou que Dieser disse que a questão das bênçãos da Igreja para casais do mesmo sexo era improvável que resultasse do Caminho Sinodal:

“’Se empurrássemos as bênçãos para o final da discussão, acho que isso levaria a divisões’, disse ele na noite de quarta-feira durante um evento de discussão online organizado pela Federação da Juventude Católica Alemã (BDKJ) de Düsseldorf. ‘Mas eu também não excluo o tema’. Ele ficaria contente se relacionamentos que não resultam em casamento fossem reconhecidos como uma tentativa de viver no amor com alguém, e não um pecado”.

“O bispo desejava que a sexualidade pudesse ser discutida mais abertamente dentro da igreja, por exemplo, em sermões. Se os pastores não abordarem o assunto por temerem a resistência e um conflito interno de lealdade, isso é um sinal de perturbação”.

Steffen Zimmermann, editor da Katholisch, ofereceu uma avaliação menos positiva do envolvimento do Caminho Sinodal com a sexualidade. Depois das cinco reuniões regionais realizadas no início de setembro que incluíram discussões sobre o documento de trabalho mencionado acima, Zimmermann escreveu que ainda estava determinando se haviam avançado a reforma da igreja ou não. Ele escreveu para Katholisch:

“Ao menos em Berlim, onde estive, o debate entre cerca de 50 participantes foi caracterizado pelo respeito mútuo e um alto grau de seriedade. Se a atmosfera é um valor em si, as conferências regionais foram um sucesso”.

“Mas claro que o Caminho Sinodal não pode ser sobre essa atmosfera – a necessidade de reformas na igreja é muito maior que isso. Em termos de conteúdo, embora as conferências tenham adiantado um árduo processo, revelaram claramente suas fragilidades. Isso ficou particularmente evidente na discussão dos textos de trabalho dos fóruns sinodais ‘Mulheres em serviços e escritórios na Igreja’ e ‘Vivendo em relacionamentos de sucesso - vivendo o amor na sexualidade e na parceria’. Em ambos os textos, os participantes foram envolvidos em um debate detalhado e laborioso sobre passagens individuais do texto que ninguém fora da sala de conferências teria entendido. É claro que agora se pode objetar que um sínodo (ou uma forma sinodal) funciona da mesma maneira. É preciso ter dúvidas se esse tipo de debate, diante da grande pressão da expectativa e da reforma, pode se estender por mais um ano e meio e, finalmente, produzir um bom resultado”.

Zimmermann disse que era possível “ver literalmente a torre de marfim em frente à qual os textos foram aparentemente formulados”. Ele também citou o sociólogo e filósofo Hans Joas que comentou que, depois de ler um trecho do documento sobre sexualidade com a sua esposa, nenhum dos dois entendeu o significado. Zimmermann concluiu:

“Se uma mudança clara não puder ser alcançada aqui, os textos (e, portanto, também as resoluções baseadas neles) do Caminho Sinodal provavelmente nem serão capazes de desenvolver relevância dentro da Igreja - porque dificilmente alguém os compreenderá em termos de conteúdo e linguística”.

Também nas notícias da igreja alemã, a Associação de Médicos Católicos (BKÄ) está enfrentando uma queixa criminal da parlamentar Ulle Schauws do Partido Verde, que é homossexual, sobre o suposto apoio da associação médica à terapia de conversão para lésbicas e gays. BKÄ divulgou comunicado se distanciando das terapias porque prejudicam as pessoas e causam discriminação, mas ainda afirmou que apoia práticas para aqueles que “expressam desejo por um futuro estilo de vida heterossexual”.

Alguns materiais sobre “opções de terapia homeopática para doenças e tendências homossexuais” foram removidos do site do grupo, relatou Katholisch.de. No passado, BKÄ classificou a homossexualidade como um “transtorno mental”, e não tem tido permissão para participar do Dia Católico da Alemanha (um encontro nacional anual) desde 2014 e não teve reconhecimento oficial por outros grupos de saúde católicos alemães.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Bispo alemão espera por desenvolvimento do ensinamento da Igreja sobre sexualidade. Mas o caminho sinodal é esta fonte? - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV