O presidente dos leigos católicos alemães critica o documento do Vaticano sobre a paróquia: “Absurda ausência de senso de realidade”

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • Cardeal Tobin ajudará o Papa Francisco a escolher bispos. O que isso significa para a Igreja dos EUA?

    LER MAIS
  • Taxar os ganhadores da crise. A justiça social e a distribuição dos lucros excedentes deveriam orientar a política tributária

    LER MAIS
  • A viagem do Papa ao Iraque é uma peregrinação, mas também um evento altamente político. Artigo de Marco Politi

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


12 Agosto 2020

O documento do Vaticano sobre as reformas na paróquia e o papel dos laicos é um tema de discussão. O presidente do ZdK (Zentralkomitee der deutschen Katholiken, Comitê Central dos Católicos Alemães) leu e não consegue endossar alguns aspectos.

A entrevista com Thomas Sternberg é editada por Verena Tröster, publicada por Domraio.de, 21-07-2020. A tradução é de Luisa Rabolini.

Eis a entrevista.

Vamos nos concentrar no essencial: o que há, concretamente, nesse documento?

É um longo documento. São 34 páginas. Em onze capítulos e 124 parágrafos há uma longa discussão sobre um tema, em particular também sobre a questão da fusão das paróquias. Mas, junto, também se abordam os serviços nas comunidades, a questão dos laicos, e se apresenta uma imagem de padre sem nenhum sentido de realidade.

Nos movimentos de reforma das dioceses, é precisamente disso que se fala, por exemplo também em desonerar os párocos de certas incumbências, atribuindo-as aos laicos. A atribuição de responsabilidades aos laicos é fundamental. Já existem laicos que desempenham funções gerenciais. O que acontecerá com essas estruturas que já foram organizadas, se agora for aceito esse documento?

Bem, em primeiro lugar, esse documento em seus capítulos recorre sobretudo ao direito canônico. O direito canônico de 1983 era um direito no qual as instâncias participativas do Concílio eram consideravelmente limitadas. O problema é que o que está naqueles artigos do direito canônico não coincide há tempo com a realidade pastoral das nossas comunidades.

Por exemplo, lá – e também aqui nesse documento – está escrito que todos os organismos são apenas consultivos ou de apoio, que devem apoiar e aconselhar o pároco, figura idealizada como pastor. Mas isso não leva em conta a situação efetiva, já que nós, na Alemanha, estabelecemos ao nível do nosso direito canônico que os conselhos das Igrejas e os conselhos administrativos do patrimônio são órgãos de decisão conjunta. São órgãos de tomada de decisão, não órgãos consultivos.

Você deve ter ficado surpreso quando leu o texto. Como reagiu?

Os primeiros cinco capítulos abordam o problema dos novos desafios. Ali podem ser lidas sugestões bastante razoáveis. Nada mal. Depois, há algo sobre a questão das fusões das paróquias em áreas muito grandes. Também aí encontro muitas coisas interessantes: fala-se que devem ser considerados os casos individuais, que não se pode agir da mesma forma em todos os lugares. É tudo muito compreensível.

Mas quando se passa aos ministérios e aos laicos, pergunto-me: que imagem estranha é essa? Como se agora os laicos pressionassem para assumir responsabilidades e deveres litúrgicos ... Mas não é assim! Devemos buscar a participação. Precisamos buscar pessoas comprometidas. E se hoje tivéssemos que procurar pessoas que devem ser eleitas para depois fazerem parte de um organismo que se limita a falar, onde o pároco pode observar o que existe na comunidade, então devo dizer que isso não existe. Um pároco que trabalhasse dessa forma em sua comunidade logo enfrentaria o fracasso.

O que você acha que levou o Papa Francisco a divulgar tal documento? Por exemplo, ele conhece o contexto aqui na Alemanha ou não?

Sim, penso que, se olharmos para a Alemanha, um dos motivos foram as queixas de grupos de padres da diocese de Trier que reclamaram com sucesso em Roma contra a dissolução das suas paróquias. A diocese de Trier queria transformar as suas 884 antigas paróquias em apenas 32 com um simples “canetaço”, o que naturalmente significaria que centenas de párocos seriam destituídos do seu serviço e deixariam de ser párocos. Os párocos teriam se defendido - e tenho a impressão de que o documento, também levando isso em consideração, reforça a posição dos párocos e diz que eles têm razão em querer permanecer párocos depois de nomeados. Não é possível reduzi-los a auxiliares de uma hora para outra. A coisa em si não está totalmente errada.

Mas, acima de tudo, o documento carece de senso de realidade no que diz respeito à figura do padre. É delineada uma imagem onde o rebanho se alinha atrás do pastor e então também faz alguns serviços acessórios. E isso é um absurdo, já que não há mais padres. Nós simplesmente não os temos.

E também tenho a certeza de que o que é dito sobre a direção da paróquia, simplesmente por causa da realidade, será diferente, porque os párocos, os padres não pretendem manter aquela imagem de comunidade que está delineada no documento – se alguma vez existiu – e isso também é preciso ser dito. Não, eu creio que esse documento não irá deter os processos de reforma que estão ocorrendo em todos os lugares. Está muito longe da realidade.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

O presidente dos leigos católicos alemães critica o documento do Vaticano sobre a paróquia: “Absurda ausência de senso de realidade” - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV