Artemísia, uma planta entre a medicina e a política

Revista ihu on-line

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Clarice Lispector. Uma literatura encravada na mística

Edição: 547

Leia mais

Mais Lidos

  • Desigualdade. Artigo de Ladislau Dowbor

    LER MAIS
  • Segredo, confissão e abuso: Cardeal Federigo, o Inominado e Lúcia. Artigo de Andrea Grillo

    LER MAIS
  • “É preciso afastar Bolsonaro já para parar a matança”. Entrevista com Chico Whitaker

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


24 Julho 2020

Podem os países africanos promover um remédio à base de plantas derivado da medicina tradicional contra o coronavírus? Uma polêmica sobre esse assunto revela a oposição entre dois modelos de saúde.

A reportagem é de Pierre Johnson, publicada por Alternatives Économiques, 21-07-2020. A tradução é de André Langer.

Em 20 de abril, quando a epidemia da Covid-19 ainda tinha feito poucas vítimas no continente africano, Andry Rajoelina, presidente da República de Madagascar, apresentou à imprensa um “remédio tradicional melhorado” chamado de Covid-Organics. Feito à base de plantas medicinais, esse remédio pode ser preparado por decocção, infusão ou em garrafa, o que é feito na frente das câmeras.

O comunicado à imprensa indica, sem entrar em detalhes, que o remédio “made in Malagasy” é composto de Artemísia (na verdade Artemisia annua, uma das espécies do gênero Artemisia) e de plantas medicinais endêmicas de Madagascar, e que “Madagascar produz a maior quantidade e a melhor qualidade da Artemísia”.

A iniciativa está atraindo o interesse dos chefes de Estado africanos. Alguns dias depois, nove deles se reuniram por videoconferência – a epidemia obriga a isso – para ouvir Andry Rajoelina exaltar as virtudes preventivas e curativas do seu remédio, “mais eficaz e menos invasivo que a cloroquina”. Algumas semanas depois, Madagascar entrega graciosamente caixas de Covid-Organics para cerca de vinte países africanos. No dia 20 de maio, o presidente haitiano autorizou o teste do remédio malgaxe no Haiti e elogiou a “ciência africana”.

O sermão da OMS

Essa iniciativa, no entanto, não despertou o entusiasmo da Organização Mundial da Saúde (OMS). No dia 4 de maio, a instituição com sede em Genebra recorda, em um comunicado em forma de advertência, que os testes devem ser realizados antes de qualquer uso em larga escala “mesmo quando os tratamentos são derivados da prática tradicional e da natureza”. Madagascar realizou esses ensaios sob a autoridade do Instituto de Pesquisa Aplicada de Madagascar (Imra)... mas a cronologia entre os ensaios da Covid-Organics e sua divulgação foi invertida. No dia do lançamento, o Imra havia testado apenas menos de uma dúzia de pessoas. O presidente de Madagascar respondeu aos críticos concluindo: “Qual é o problema com a Covid-Organics? O problema é que ela vem da África”. O Dr. Jérôme Munyangi, cientista congolês que dedicou sua carreira à pesquisa de respostas à malária, especialmente pela Artemisia annua, defende, por sua vez, estudos rigorosos para determinar a eficácia desse tratamento.

Na realidade, a Artemisia annua não é uma recém-chegada na luta contra pragas e antivirais. Usada há mais de dois mil anos no sudoeste da China, essa planta anual deu origem a intensas pesquisas durante a Guerra do Vietnã, levando à extração em 1972 de um de seus princípios ativos, chamado artemisinina. Esta substância, cujo estudo foi agraciado com o Prêmio Nobel de Medicina em 2015, é usada nas mais recentes terapias contra a malária desenvolvidas pela indústria farmacêutica. Esta planta também foi amplamente utilizada na China durante a epidemia da Sars-CoV de 2002-2003, tendo sido realizados estudos científicos desde então, com resultados positivos.

Dois modelos em conflito

A reação da OMS fez eco à guerra de baixa intensidade entre a organização multilateral e alguns laboratórios farmacêuticos, de um lado, e os atores que procuram promover soluções de saúde à base de plantas menos caras, do outro lado. Os primeiros desaconselham monoterapias à base da artemisinina, mas também da Artemisia annua por infusão ou decocção, para evitar que o parasita crie resistências à molécula. Ao fazer isso, eles alimentam a confusão. Na realidade, a artemisinina é apenas uma das dúzias de moléculas que contém Artemisia annua, e vícios de tipo não foram observados ao longo de séculos de utilização da planta por decocção ou infusão, o que não é o caso do uso de drogas contendo a única molécula.

Em 2013, a OMS desenvolveu e aprovou uma Estratégia para a Medicina Tradicional para a década de 2014-2023. Mas o orçamento da organização multilateral depende cada vez menos dos Estados e cada vez mais de doações públicas e privadas. A Fundação Gates, conhecida por sua proximidade com grandes grupos privados, por exemplo, figurava como o segundo maior doador, atrás apenas dos Estados Unidos, até 2019. Isso poderia explicar a evolução da postura da OMS, tanto que o uso da Artemisia annua por decocção teve um sucesso inesperado.

De fato, nos últimos anos, dezenas de grupos de produtores se formaram no continente africano, que comercializam as folhas secas da Artemísia em sachês, para prevenção e tratamento da malária. Existe inclusive uma Casa da Artemísia, uma associação francesa criada em 2013 que estabeleceu um protocolo que garante a qualidade do produto final. Diante de novos surtos de malária nos últimos anos, vários Estados africanos, como a República Democrática (RDC) do Congo e o Burundi, estão agora pedindo essa solução. O uso da planta também comprovou sua eficácia contra a malária durante os ensaios clínicos de duplo-cego randomizados, realizados pelo Dr. Jérôme Munyangi na RDC.

Os debates entre defensores e detratores da Artemisia annua lembram a profunda diferença, tanto em termos de gestão da saúde quanto economicamente, entre a perspectiva dominante da saúde, na qual os laboratórios farmacêuticos são os principais produtores e fornecedores de serviços de saúde, e a perspectiva de populações, atores locais e Estados que desenvolvem métodos de prevenção e tratamento adaptados a escassos recursos locais, seja em termos industriais ou econômicos. Estes últimos também se juntam à preocupação de uma parte crescente da população ocidental que deseja se reapropriar de sua própria saúde e tornar-se menos dependente de uma indústria fármaco-química suspeita de defender poderosos interesses privados.

A OMS, no entanto, sublinhou em seu documento estratégico de 2013 que “a medicina tradicional (...) é uma parte importante e muitas vezes subestimada dos cuidados de saúde. Ela existe em quase todos os países do mundo (…). A medicina tradicional, cuja qualidade, segurança e eficácia são comprovadas, contribui para a consecução do objetivo do acesso universal à saúde”. No entanto, esta medicina tradicional é frequentemente feita à base de plantas.

Uma solução de emergência

O uso da Artemisia annua, uma espécie hoje difundida em todos os continentes e cuja segurança é garantida por séculos de uso (textos chineses antigos atestam seu uso por pelo menos há dois mil anos), portanto, parece interessante para quando a indústria farmacêutica não puder fornecer nenhum medicamento ou vacina com eficácia comprovada contra os sintomas da Covid-19. Na França, a Casa da Artemísia, associada a um grupo de cientistas, escreveu, no dia 23 de março, uma carta às autoridades francesas sugerindo a realização de ensaios clínicos pelo serviço de saúde do Exército para avaliar a segurança do tratamento, o tempo para alívio dos sintomas respiratórios e seus eventuais efeitos colaterais. Uma carta que ainda está pendente de resposta.

Na ausência de resposta do governo francês, a Casa da Artemísia encaminhou sua proposta aos ministérios da Saúde dos Estados africanos, muitos dos quais responderam rapidamente. Um escritório de pesquisa de Ruanda assumiu o lugar de ensaio clínico. Deve-se dizer que a África pagou um alto preço pela malária durante décadas, com 94% das mortes em 2018 (ou seja, mais de 380 mil mortes, mais anualmente do que o número de mortes por Covid-19 no final de maio de 2020 em todo o mundo). E que a Artemisia annua e a Artemisia afra (uma espécie africana perene e endêmica que também demonstrou ser eficaz contra a malária) já salvaram milhares de vidas por lá. Este antecedente explica o alto grau de produção da Artemisia annua em Madagascar.

As controvérsias por trás do uso da Artemisia annua na luta contra a Covid-19 estão, portanto, relacionadas a várias dimensões: a oportunidade política para Madagascar e outros Estados promoverem uma solução “africana”, a necessidade de uma resposta adaptada a uma situação de emergência e aos meios limitados das populações e de alguns Estados e, finalmente, os mal-entendidos, e até mesmo os conflitos de interesses, entre uma perspectiva baseada na indústria farmacêutica e um uso tradicional da medicina, em que as plantas desempenham um papel fundamental.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Artemísia, uma planta entre a medicina e a política - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV