Agrotóxicos e Saúde, o veneno à nossa mesa

Revista ihu on-line

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Mais Lidos

  • “Os pecados da carne não são os mais graves. Os mais graves são aqueles que têm mais 'angelicalidade': a soberba, o ódio”. Entrevista do Papa Francisco

    LER MAIS
  • Digital, serial, algorítmica, a cultura do século XXI chegou

    LER MAIS
  • Ômicron, natureza e arrogância humana: uma guerra entre patógenos e humanos. Artigo de Alexandre A. Martins

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


14 Julho 2020

"Há algum tempo assisti a um telejornal no qual um produtor de morangos, do interior de SP, declarou (devidamente protegido pelo anonimato) que não consumia o morango que produzia por causa dos agrotóxicos. Deste dia em diante passei a estar mais atento ao veneno na minha mesa", escreve Henrique Cortez, em artigo publicado por EcoDebate, 13-07-2020.

Eis o artigo.

Nos últimos anos cresce o debate da agricultura orgânica versus a agricultura “tradicional”, aqui entendida como a que utiliza agroquímicos visando aumento de produção e produtividade.

Esta é uma discussão importante que se perdeu em argumentos binários, do tipo ‘os orgânicos são mais caros mas são mais saudáveis’ ou que a agricultura orgânica não possui produtividade suficiente para alimentar o planeta.

A agricultura “tradicional” se orgulha de produzir alimentos mais do que suficiente para alimentar o planeta e a indústria química se orgulha de ter desenvolvido os insumos utilizados para isto.

A agricultura orgânica se orgulha de ser ambientalmente mais amigável e que, eventualmente, seja mais saudável.

Os dois lados podem até estar certos mas, na minha percepção, a questão central não é essa.

Devemos nos perguntar qual é o real custo social, ambiental e de saúde desta grande produção ‘aditivada’ com agroquímicos. Quem arca com as consequências e quem realmente paga por isto?

Não pretendo discutir o manejo do solo, a sua utilização intensiva e extensiva, a ponto de que o solo precisa de permanente aplicação de fertilizantes ou de que a produção animal beire o horror da exploração desumana.

Prefiro falar do nosso longo e lento envenenamento diário. Prefiro pôr em discussão a comida que nos mata.

Há algum tempo assisti a um telejornal no qual um produtor de morangos, do interior de SP, declarou (devidamente protegido pelo anonimato) que não consumia o morango que produzia por causa dos agrotóxicos. Deste dia em diante passei a estar mais atento ao veneno na minha mesa.

Para colocar o tema em discussão, nem será preciso nada mais do que fazer um rápido e pequeno balanço do que já publicamos. Ao final desta matéria, você encontrará uma relevante relação do que já publicamos sobre agrotóxicos e saúde.

O imenso volume de herbicidas aplicados no Brasil contaminam os solos, os mananciais e até mesmo o aquífero Guarani. A contaminação dos mananciais e aquíferos também chegará até nós pela água que bebemos e pelos produtos agrícolas irrigados com a água contaminada.

Até mesmo os produtos orgânicos podem ser contaminados indiretamente, como é o caso dos antibióticos usados em animais e que são absorvidos pelas hortaliças cultivadas em solo adubado com resíduos animais. A agricultura orgânica é intensa utilizadora da adubação orgânica.

Como já havia ocorrido com o tomate, a batata, o figo e o morango, também a uva recebe grandes doses de agrotóxicos. Uma pesquisa da Universidade de Caxias do Sul (UCS) e da Universidade Federal do Rio Grande do Sul sobre o efeito de agrotóxicos em vinicultores do Rio Grande do Sul revelou altos índices de intoxicação.

A intensa utilização de agrotóxicos no Brasil é ainda mais irresponsável do que nos EUA e na Europa. Um primeiro lugar porque, no Brasil, importamos agrotóxicos proibidos nos próprios países onde são produzidos.

Aqui voltou à minha questão inicial: qual é o real custo social, ambiental e de saúde desta grande produçãoaditivadacom agroquímicos? Quem arca com as consequências e quem realmente paga por isto?

Pagamos, com nossa saúde e nossas vidas, mais este ‘subsídio’ aos que dizem alimentar o mundo.

Alimentam, é fato, mas colocam o veneno à nossa mesa.

 

Veja, abaixo, uma relação de matérias publicadas, cuja leitura recomendamos para melhor compreensão do tema “Agrotóxicos e Saúde” 

– Uso de agrotóxicos e problemas para saúde, Parte 1/2
– Uso de agrotóxicos e problemas para saúde, Parte 2/2 (Final)
– Ministério da Saúde registra de 12 mil a 14 mil intoxicações por agrotóxicos no país a cada ano
– Agrotóxicos: O Brasil está, literalmente, se envenenando
– Multinacionais vendem no Brasil toneladas de agrotóxicos ‘altamente perigosos’ proibidos em seus países
– Agricultores não associam uso inadequado de agrotóxicos ao seu estado de saúde
– Mapa do envenenamento de alimentos por agrotóxicos no Brasil
– Médica sanitarista fala sobre o universo da saúde ambiental, com destaque sobre os impactos dos agrotóxicos
– O uso seguro de agrotóxicos é um mito
– Agrotóxicos chegam às torneiras de uma em cada quatro cidades
– Agrotóxicos na natureza e na saúde humana
– Agrotóxicos chegam às bacias de abastecimento público
– Pesquisadores alertam sobre os riscos de agrotóxicos na saúde da população
– Trabalho rural e riscos à saúde: uma revisão sobre o ‘uso seguro’ de agrotóxicos no Brasil

 

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Agrotóxicos e Saúde, o veneno à nossa mesa - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV