Argentina. Igreja adverte que quando o coronavírus passar, virá “a pandemia da fome”

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • Mais de 50 mil assinaturas exigem proteção para o Padre Júlio Lancellotti

    LER MAIS
  • Massacragem dos Chiquitanos vai à ONU. Artigo de Aloir Pacini

    LER MAIS
  • Um confinamento frutífero: em que o papa Francisco trabalhou durante a pandemia?

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


10 Junho 2020

O presidente da Conferência Episcopal Argentina (CEA), dom Oscar Ojea, advertiu que quando o coronavírus passar, “viveremos a pandemia da fome e do desemprego”, e afirmou que esta situação “desnudou uma profunda desigualdade, uma grande iniquidade” no país.

A reportagem é publicada por Télam, 09-06-2020. A tradução é do Cepat.

“Viveremos a pandemia da fome e do desemprego. A pandemia da luta pelo poder, a pandemia de muitas dificuldades para poder chegar ao fim do mês. Para esta situação e quando nos sentarmos à mesa, todos devem estar”, disse Ojea em uma videomensagem divulgada pelo Escritório de Comunicação e Imprensa da CEA.

Ojea defendeu que “a pandemia desnudou uma profunda desigualdade, uma grande inequidade no mundo em que vivemos, de maneira que nós, ao nos darmos conta desta situação, temos que começar a ver como sair juntos, todos”.

Além disso, apontou que tem percebido “um grande desencanto em nossa gente, nestes últimos dias, quando aparecem nossas feridas, nossas divisões e fissuras”, e refletiu que há “um grande desafio pela frente: um inimigo comum, que coloca em risco todos e que deve ajudar a nos unir de verdade”.

“Vivemos essa polaridade que nós, argentinos, muitas vezes temos, de nos tornar verdugos, após ter sido vítimas. Extremamos tudo, deixamos de escutar, aparecem os partidarismos e os internismos. É preciso jogar a culpa em alguém”, refletiu o bispo de San Isidro. Continuou dizendo que “outra tentação é buscar a unidade sem a diversidade, e então, aqui, caímos na uniformidade e perdemos liberdade”.

Ojea acrescentou, ao parafrasear o Papa Francisco, que o Santo Padre “nos diz que nos é apresentada agora, pensando depois da pandemia, uma oportunidade inédita: temos que escrever uma nova história que deixou para trás, e está deixando, muito sofrimento e muita dor”.

Nessa linha, também destacou que o Papa considera que “estamos diante de uma oportunidade, que chama de uma oportunidade de regenerar, nem sequer de reconstruir, mas, sim, de regenerar, que é criar novamente situações inéditas”.

O titular da CEA defendeu, além disso, “buscar um estilo de vida mais austero que possa favorecer a distribuição de recursos entre nós. Uma conversão que mude estilos de vida, que mude hábitos de consumo, que freie os maus tratos em relação à natureza e, ao mesmo tempo, os maus-tratos direcionados ao irmão que temos próximo, sobretudo se é pobre”.

Finalmente, Ojea pediu “que o Espírito de Deus nos ilumine para nos preparar para um tempo de muita unidade na diversidade, um tempo verdadeiramente criativo, em que precisamos buscar regenerar um mundo novo”.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Argentina. Igreja adverte que quando o coronavírus passar, virá “a pandemia da fome” - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV