A educação não formal e o meio ambiente

Revista ihu on-line

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Clarice Lispector. Uma literatura encravada na mística

Edição: 547

Leia mais

Mais Lidos

  • “Vexame mundial” – Frases do dia

    LER MAIS
  • “A liberdade nos assusta”. Íntegra da conversa do Papa Francisco com os jesuítas eslovacos

    LER MAIS
  • No pós-Bolsonaro, enfrentar o neoliberalismo. Entrevista com Marilena Chaui

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


04 Junho 2020

"No caso específico do meio ambiente, a educação não formal pode ser o portal de entrada para a tomada de consciência ambiental, principalmente num momento em que existem pessoas ocupando cargos importantes que, infelizmente, não acreditam na ciência", escreve Rubem Perlingeiro, membro do Comitê Escoteiro Interamericano e fez parte do Comitê Organizador do I Fórum Mundial de Educação Não Formal, em artigo pelo Dia Mundial do Meio-Ambiente.

 

Eis o artigo.

 

05 de Junho - Dia Mundial do Meio Ambiente

A UNESCO reconhece a existência de três tipos de educação:

(a) a educação formal, que corresponde ao sistema educativo estruturado hierarquicamente, com cursos estabelecidos em sequência cronológica e que começa com a escola de ensino fundamental e se prolonga até as instituições de ensino superior;

(b) a educação informal, isto é, o conjunto de procedimento mediante os quais o indivíduo assimila atitudes, valores, aptidões e conhecimentos pela convivência diária com a família, os amigos, os meios de informação e todos os demais componentes do ambiente que o envolve; e

(c) a educação não formal, que consiste em uma atividade organizada com finalidades educacionais, em paralelo ao sistema oficial estabelecido, e que é destinada a um setor específico e orientada por objetivos claramente definidos.

Cada tipo de educação desempenha um papel muito importante. São interdependentes e se complementam uns aos outros.

Conforme se verifica na Declaração do Rio de Janeiro [1], a educação não formal contribui com o desenvolvimento do indivíduo, em complemento aos outros dois tipos de educação, e ajuda a construir um sistema educacional mais moderno, holístico e inclusivo. Em geral, trata de matérias que estão previstas como temas transversais nos Parâmetros Curriculares Nacionais (Ética, Meio Ambiente, Saúde, Pluralidade Cultural, Direitos Humanos, Cidadania, Cultura de Paz etc.), além de promover um conjunto de habilidades e competências que ultrapassam o currículo da educação formal.

A educação não formal é proporcionada por múltiplos agentes. A título exemplificativo, vale a pena citar a plataforma de educação ambiental, chamada "Earth School", recém criada pela TED-Ed e ONU Meio Ambiente, com o apoio de diversas organizações como UNESCO, WWF, National Geographic, The Nature Conservancy, BBC, Conservação Internacional, entre outras. Nessa plataforma, estão disponibilizados matéria de excelente qualidade sobre diversos temas relacionados com o meio ambiente (disponível neste link).

Edward O. Wilson, Professor da Universidade de Harvard, proeminente e premiado cientista, considerado um dos maiores ambientalistas do mundo, disse, em sua autobiografia “Naturalista” (Ed. Nova Fronteira), que “o Escotismo parecia inventado exatamente para mim”. “O Manual para Escoteiros, que comprei por meio dólar em 1940, tornou-se o meu livro de cabeceira, a minha ‘posse’ preferida”.

O Manual estava cheio de informações sobre a vida ao ar livre, mas o que realmente chamou a atenção de Wilson foram as seções sobre zoologia e botânica com “páginas e mais páginas de animais e plantas maravilhosamente bem ilustradas, explicando onde encontrá-los, como identificá-los”. “As escolas públicas e a igreja não ofereciam nada disso naquela época”, continuou. “O Escotismo legitimou a Natureza como o centro da minha vida.”

No caso específico do meio ambiente, assim como foi para o Professor E. O. Wilson quando ele tinha 11 anos, a educação não formal pode ser o portal de entrada para a tomada de consciência ambiental, principalmente num momento em que existem pessoas ocupando cargos importantes que, infelizmente, não acreditam na ciência.

Temas como o cuidado com a água e a proteção dos nossos biomas, a importância dos oceanos e da biodiversidade para a vida na Terra, as mudanças climáticas, o consumo consciente, os problemas do lixo e do uso de plásticos descartáveis, o desenvolvimento de fontes limpas de energia, os impactos negativos das queimadas e dos agrotóxicos, o reflexo da comercialização de animais silvestres no surgimento de doenças zoonóticas como o ebola, a SARS, a MERS, a gripe aviária e, agora, a covid-19, não podem mais ser deixados para depois.

Como disse o ator Harrison Ford (em vídeo veiculado pela ONG Conservação Internacional nas suas redes sociais no último dia 02 de junho), “não é sobre animais, árvores e icebergs. É sobre a habilidade de uma comunidade sobreviver. É sobre os seus filhos, o que você consome, o seu futuro. Se nós não pararmos a destruição da Natureza, nada mais importará. Simples assim.”

Nota

[1] Em dezembro de 2019, foi realizado o I Fórum Mundial de Educação Não Formal no Rio de Janeiro, em uma iniciativa da Organização Mundial do Movimento Escoteiro em parceria com o Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF), o Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA) e o Escritório do Enviado da Juventude do Secretário-Geral da ONU (UNYouthEnvoy). O resultado das discussões durante os três dias de Fórum está condensado na Declaração do Rio de Janeiro, que pode ser acessada por este link.

 

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

A educação não formal e o meio ambiente - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV