“Precisamos de um amor feroz, um profundo apego emocional à natureza”. Entrevista com Richard Louv

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • “O coronavírus é um pedagogo cruel”. Entrevista com Boaventura de Sousa Santos

    LER MAIS
  • A universidade pós-pandêmica. Artigo de Boaventura de Sousa Santos

    LER MAIS
  • Uma mulher leiga e indígena na Conferência Eclesial da Amazônia. Entrevista com Patricia Gualinga

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


03 Junho 2020

Em 2006, Richard Louv, ensaísta, cofundador e presidente emérito da Children & Nature Network, criou um movimento internacional para conectar as crianças, as famílias e as comunidades com a natureza e possui uma dezena de livros publicados em 24 países sobre a necessidade humana da natureza. “Los últimos niños en el bosque” (Capitán Swing), que reúne estudos científicos sobre como o contato com a natureza é essencial para nosso desenvolvimento físico, emocional e espiritual, foi um best-seller internacional.

Insiste em que devemos imaginar um futuro para o qual todos queiramos ir e que deixemos de alimentar distopias. Em seu ensaio Vitamina N e em muitos artigos, expõe ações concretas para alcançar esse futuro e salvar o planeta. “A pandemia nos lembra que é crucial a proteção e expansão das áreas silvestres para preservar nossa saúde”.

A entrevista é de Ima Sanchís, publicada por La Vanguardia, 02-06-2020. A Tradução é do Cepat.

Eis a entrevista.

Durante a quarentena, muitos de nós ficamos fascinados com o aparente retorno da fauna silvestre em nossas cidades e bairros.

Não podemos conviver?

Devemos nos perguntar o que é necessário para que nossa espécie aja diante da alteração do clima, o colapso da biodiversidade e as atuais pandemias relacionadas ao nosso modo de tratar os animais.

Parece que os dados e a lógica não bastam.

Precisamos de um amor feroz, um profundo apego emocional à natureza que nos cerca e uma esperança imaginativa para descrever um futuro digno de ser criado.

Menos ‘Blade Runner’ e mais ‘Avatar’.

Para muita gente, talvez para a maioria, pensar no futuro evoca imagens de Blade Runner ou Mad Max, uma distopia pós-apocalíptica despojada da natureza, e os seres humanos de sua humanidade. Esta é uma fixação perigosa. Precisamos da imagem de um futuro para o qual queiramos ir, para poder nos dirigir a ele.

O anseio pela natureza existe.

Vemos esta emoção no acelerado interesse no desenho arquitetônico e urbano biofílico, que incorpora elementos naturais no ambiente de trabalho (que melhora a produtividade dos empregados e reduz os dias de baixa) e nos colégios, hospitais e lares, cada vez mais conscientes da necessidade da natureza.

Há 15 anos, você definiu o transtorno por déficit de natureza. Segue presente?

Sim, mas as pesquisas se multiplicaram, já não há dúvida de que as experiências na natureza oferecem grandes benefícios para a saúde física e psicológica e maior capacidade para aprender. Comprovamos que melhora o rendimento acadêmico.

E a companhia de animais nos melhora?

Recentes pesquisas demonstram que nos parques e redondezas urbanas, quanto maior é a biodiversidade, maior é a saúde psicológica das pessoas e melhor se tratam entre si.

Grilos, sapos, cães, gatos, pássaros...?

As crianças que passam mais tempo na natureza e com animais não humanos desenvolvem um sentido da empatia mais agudo que as acompanha por toda a vida. Como espécie em geral, as coisas caminham melhor para nós quando estamos em parentesco com espécies que não são a nossa. Por que não pensamos nas cidades como motores da biodiversidade e da saúde humana?

A conservação já não é o suficiente?

Não. Precisamos criar natureza onde vivemos, trabalhamos, aprendemos e brincamos. Necessitamos de uma expansão radical da natureza selvagem, porque devemos ecologizar o mundo para absorver o carbono e reverter o colapso da biodiversidade e o crescimento das extinções. É uma necessidade de saúde pública para os humanos e para as outras espécies.

Em minha cidade, não permitem passear com os cachorros pelos parques e matam a erva silvestre.

Concebo um tempo, não muito distante, em que a conexão com a natureza será um acontecimento diário. Projetaremos as cidades para trabalhar em harmonia com a natureza e a biodiversidade será um padrão habitual.

Soa bem.

Os desafios ambientais vão requerer mudanças fundamentais em nossas vidas e instituições. Necessitamos de líderes com um pensamento avançado.

Ajude-me a imaginar cidades melhores.

Nossas vidas estarão tão imersas diariamente na natureza, como estão na tecnologia. Isto inclui um novo tipo de cidade que incorpore a natureza em cada um de seus edifícios e espaços, que serve para fortalecer os residentes psicologicamente, fisicamente e inclusive espiritualmente.

Sem barulho e com ar limpo.

E com corredores verdes para as espécies. Tetos verdes e quintais com espécies autóctones que ajudem a recuperar as rotas migratórias das mariposas e as aves. Pense na energia que as crianças e suas famílias sentiriam se ajudassem a fazer com que isto acontecesse.

Repovoaremos o campo?

Imagine um mundo em que as pequenas cidades rurais, agora desertas, retornem conectadas à internet, cercadas por hortas orgânicas, prados comestíveis e beleza.

A ecologização das cidades exige grandes sacrifícios econômicos?

Sabemos que as cidades ricas em natureza constroem riqueza econômica: criam novos empregos verdes, aumenta o valor das propriedades, o aumento do turismo ao ar livre se soma às economias locais e uma afluência da chamada classe criativa se muda para estas regiões.

Por onde começamos?

As regiões urbanas melhor preparadas para os desafios ambientais e econômicos serão aquelas cujos sistemas educativos desenvolvem mentes híbridas (equilibrando as capacidades e aptidões dos mundos natural e virtual). Mas nada disto acontecerá ao ritmo que deveria, a menos que ocorram três coisas: financiamento, um movimento mundial e o reconhecimento de que esta conexão com a natureza é um direito humano, especialmente para as crianças.

Vislumbra esse futuro verde?

Acredito que está se estabelecendo uma nova consciência e que, conforme se expressa, a relação do homem com a natureza se transformará de pessoa que explora a pessoa que nutre.

 

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

“Precisamos de um amor feroz, um profundo apego emocional à natureza”. Entrevista com Richard Louv - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV