A pandemia exige uma verificação dos deveres e poderes. Artigo de Marco Revelli

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • Basta de má informação nos chamados meios católicos de comunicação

    LER MAIS
  • “O conteúdo e o sentido do trabalho são exigências de justiça social”. Entrevista com Alain Supiot

    LER MAIS
  • “Vacinas para todos!” Declaração da Pontifícia Academia para a Vida sobre as vacinas contra a Covid-19

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


26 Mai 2020

"Nada deste mundo nos é indiferente. É uma passagem da encíclica Laudato si' (que completa exatamente cinco anos nos próximos dias), colocada logo no início, no segundo parágrafo, onde é dada voz ao clamor da terra devastada pelo homem, alertando: O nosso corpo é constituído pelos elementos do planeta; o seu ar permite-nos respirar, e a sua água vivifica-nos e restaura-nos”, escreve Marco Revelli, cientista político italiano, em artigo publicado por Il Manifesto, 26-05-2020. A tradução é de Luisa Rabolini.

Eis o artigo.

A pandemia nos obriga a um repensamento global e radical. Porque nos tocou ferozmente "no osso e na pele", diz o Livro de Jó, exige uma verificação impiedosa dos deveres e dos poderes.

Ainda mais quando, pelo menos aqui na Itália e na Europa, parece que estamos vendo o fim do túnel. E a verificação, para ser eficaz, só poderá ocorrer em nome de um princípio simples e exigente: "Nada deste mundo nos é indiferente".

Niente di questo mondo ci risulta indifferente.
Associazione Laudato si'.
Un'alleanza per il clima, la Terra e la giustizia sociale
(Foto: Reprodução da Capa | Facebook)

É uma passagem da encíclica Laudato si' (que completa exatamente cinco anos nos próximos dias), colocada logo no início, no segundo parágrafo, onde é dada voz ao clamor da terra devastada pelo homem, alertando: “O nosso corpo é constituído pelos elementos do planeta; o seu ar permite-nos respirar, e a sua água vivifica-nos e restaura-nos”. E também é o título de um livro extraordinário (publicado pela Edizioni Interno) de cuja capa um babuíno nos olha perplexos sob o lema "A normalidade era o problema".

Livro "extraordinário" – ou seja, que nos eleva acima da normalidade - por duas boas razões. A primeira diz respeito à maneira como nasceu, foi pensado e escrito: por muitos, por muitas mãos, por dezenas de estudiosos, competentes, militantes das mais variadas associações, crentes e leigos, se integrando na associação "Laudato si'", que durante meses se reuniram, discutiram, verificaram e compararam suas ideias, muitas vezes discordantes, as reformularam, as tornaram compatíveis, reconduzindo-as à unidade de um discurso articulado e compartilhado, como sempre deveria ser feito, entre os que participam do mesmo horizonte de valores e, acima de tudo, sentem a urgência do tempo.

A segunda razão diz respeito ao conteúdo: finalmente, uma abordagem verdadeiramente "total" aos males que nos afligem e às soluções necessárias. O estado do planeta visto como "um todo", no qual devastação ambiental e devastação social, catástrofe ecológica e desigualdade econômica, não somente se entrelaçam, mas parecem aspectos do mesmo problema: desprezo pela terra e desprezo pelos homens, até desprezo por si e pelo próprio futuro são o produto da mesma raiz e do mesmo erro.

Um pensamento errado, que deu origem a um paradigma socioeconômico distorcido e a um estilo de vida insensato.

O livro já havia sido elaborado antes, mas o tsunami do coronavírus que marcou os três meses que antecederam sua publicação acabou por dar seu aval, confirmando sua visão e reforçando sua mensagem.

Como escreve Daniela Padoan, a curadora, no ensaio No tempo do contágio, que abre o volume: "Diante da pandemia, o titanismo de nossa cultura é forçado a aprender a lição de estar à mercê", explicando como a experiência que estamos vivendo - em seu caráter total e global - é, de certa forma, "uma figuração" das argumentações contidas no texto. Dela aprendemos, na dor, a fragilidade estrutural do Antropoceno, deste mundo construído à imagem e semelhança de seu hóspede humano. Tivemos oportunidade de ver, despida, "a sociedade espectral do management totalitário", para usar a expressão do filósofo canadense Alain Deneault citado pela curadora.

Entender (para quem quisesse entender) o quanto falaciosa e enganosa fosse aquela racionalidade instrumental que elevamos a estatuto do universo - garantia de sua perfeição - e que, ao contrário, prova ser mortífera, incapaz de prever e prevenir, prenúncio de desordem e queda, perigosa para o ser vivo.

E quanta hybris - quanta arrogância, em nosso cego desafio ao céu - havia no culto do fazer e no mito de uma eficiência que, ao exaltar apenas um aspecto da existência (aquele econômico e técnico), sacrifica tudo o mais. Ou seja, o todo.

No livro, a partir do diagnóstico dos males emerge um programa realista de resposta: em “Clima”, a "radiografia da catástrofe" se alia ao princípio de que "a justiça climática é justiça social".

Foto: Reprodução Il Manifesto

Em "Depredação ambiental", a necessidade de uma luta contra a "agricultura 4.0" que ameaça "direitos humanos, sociais e da natureza". Sobre as migrações, a alegação de que "Migrar é um direito" segue o dever de denúncia da "morte" no mar como uma “verdadeira emergência".

A descrição das dimensões da pobreza está entrelaçada com a denúncia da "economia de descarte" como alma do paradigma hegemônico contemporâneo, dramaticamente visível também na gestão da emergência sanitária.

Em "Finanças e dívida", a forte definição de "Capital financeiro global como forma de criminalidade organizada" é colocada ao lado da valorização da "economia do dom".

E depois o Trabalho: da afirmação peremptória de que "não há liberdade em vender a própria força-trabalho", à descoberta das "múltiplas solidões das trabalhadoras e dos trabalhadores".

E depois o Ecofeminismo: "Libertação das mulheres, da natureza e do ser vivo". A Cultura do limite. E muito mais.

Uma coletânea perfeita para quem quer entrar no território novo que o vírus nos deixa no luto.

Com uma forte consciência: que já estávamos doentes antes da chegada do Covid-19. Muito antes.

“Não despertamos diante de guerras e injustiças planetárias, não ouvimos o grito dos pobres e do nosso planeta gravemente enfermo. Continuamos impertérritos, pensando que ficaríamos para sempre saudáveis ​​em um mundo doente", disse o Papa Francisco naquela Praça de São Pedro metafísica e irreal, deserta e faiscante de chuva, em 27 de março.

Também teremos que ouvir, hoje, todas aquelas vozes e outras que foram se somando, se não quisermos finalmente nos encontrar tateando no escuro no final do túnel.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

A pandemia exige uma verificação dos deveres e poderes. Artigo de Marco Revelli - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV