Derrubada criminosa da Mata Atlântica traz risco ao abastecimento de água em SP

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • Como as lideranças católicas ajudaram a dar origem à violência no Capitólio dos EUA. Artigo de James Martin

    LER MAIS
  • “O trumpismo se infiltrou na Igreja Católica dos Estados Unidos”. Entrevista com Massimo Faggioli

    LER MAIS
  • Irlanda, 9 mil crianças mortas em casas para mães solteiras: o 'mea culpa' de Dublin sobre 76 anos de maus-tratos

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


06 Mai 2020

Levantamento indica que 1,2 milhão de árvores foram mortas apenas no Município de São Paulo nos últimos seis anos. Sem a cobertura vegetal nas áreas mais afastadas da Zona Sul, Leste e Norte da Cidade, nascentes são aterradas, cursos de água e córregos deixam de existir, o que compromete os mananciais de água que abastecem principalmente as Represas da Guarapiranga e Billings, responsáveis pelo fornecimento de água a grande parte da população da Região Metropolitana de São Paulo.

A reportagem é publicada por EcoDebate, 05-05-2020.

Esta é uma das conclusões do dossiê “A Devastação da Mata Atlântica no Município de São Paulo” (2ª Edição, 454 páginas), cujo lançamento foi feito pelo Vereador Gilberto Natalini (PV-SP). O documento traz 160 áreas desmatadas. Ao todo, 7,2 milhões de metros quadrados de florestas paulistanas já foram ao chão. Uma área ainda maior está sob séria ameaça, caso o Poder Público continue omisso.

O dossiê apresenta fotografias de satélite mostrando o “antes” e o “depois” da destruição da Mata Atlântica, além de imagens de drones e fotos obtidas nos próprios locais onde organizações criminosas devastam a cobertura vegetal para implantar aterros e loteamentos clandestinos (ao todo quase 700 fotografias). Estes terrenos são vendidos ilegalmente, na maioria das vezes a pessoas simples que se desfazem de suas posses para comprá-los. Adquirem lotes sem documentação, enquanto o Poder Público assiste a tudo sem tomar providências eficazes.

Imagem de satélite mostrando a área em que se inserem as represas Billings e Guarapiranga e os 160 pontos de desmatamento investigados pelo levantamento "A Devastação da Mata Atlântica no Município de São Paulo". (Imagem: Google Earth/Reprodução)

Natalini pediu a instalação de uma CPI para investigar a devastação sistemática da Mata Atlântica na cidade. Não foi atendido. O dossiê traz depoimentos de 52 testemunhas sigilosas – homens e mulheres, a maioria moradora das regiões devastadas no extremo da Zona Sul. Juntas, essas pessoas citaram, direta ou indiretamente, 75 suspeitos de cometer crimes ambientais e outras ilegalidades, como crimes de corrupção.

As testemunhas não terão suas identidades reveladas por segurança. Agora cabe ao Ministério Público conduzir as investigações que se fizerem necessárias e tentar acabar de vez com a derrubada avassaladora de árvores na nossa Mata Atlântica e, assim, interromper a grave destruição do meio ambiente que está em curso no Município de São Paulo.

 

Notas:

Para acessar o link do Dossiê clique aqui.

Para acessar o link da notícia na Folha de São Paulo clique aqui ou o PDF (aberto) aqui.

Para acessar o link do Lançamento Dossiê clique aqui.

 

(Imagem: Divulgação)

 

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Derrubada criminosa da Mata Atlântica traz risco ao abastecimento de água em SP - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV